(pt) France, Union Communiste Libertaire UCL AL #303 - Transidentidade e feminismo: quem divide ? (en, fr, it)[traduccion automatica]

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Domingo, 29 de Março de 2020 - 08:29:19 CEST


Publicado pela primeira vez pelo Huffington Post, depois republicado por Marianne, um fórum provocou uma importante controvérsia no meio 
feminista. E se a pergunta não fosse com qual mulher brigar, mas como brigar juntos ? ---- Em 13 de fevereiro, o site do Huffington Post 
publicou uma coluna intitulada "Trans: basta proclamar-se uma mulher para poder exigir ser considerada como tal ?" Despertando viva 
controvérsia, será inédito em grande parte [1]. O jornal Marianne o republicará alguns dias depois em seu site, considerando que " o debate 
é essencial " [2]. ---- Após colagens feministas referentes à sentença em risco dos TERFs (feminista radical exclusiva), esta tribuna foi 
assinada por quase 140 personalidades, incluindo feministas de renome como Christine Delphy, socióloga materialista ou Marguerite Stern, 
iniciador. colagens contra feminicídios.

Que debate é esse exatamente ? Para os signatários deste texto, a "questão trans" dividiria a luta feminista reexaminando o que faz de uma 
mulher uma mulher. Ao lê-las, as mulheres trans são apenas mulheres porque seautoproclamam. No entanto, não podemos reduzir a " questão 
trans" a um valor puramente declarativo.

Ser mulher trans também significa estar sujeito a exploração, violência doméstica e pública, como somos mulheres. Negar essa realidade é " 
na melhor das hipóteses" não conhecer o assunto, na pior das hipóteses mostrar má fé.

Não, o feminismo materialista de forma alguma afirma que as mulheres " são antes de tudo seres humanos femininos[com]um cromossomo X duplo 
". É angustiante ver mulheres como Christine Delphy assinar um texto que diz exatamente o oposto do que as feministas materialistas sempre 
defenderam.

Nós não nascemos mulher
Do ponto de vista do feminismo materialista, o gênero é uma característica sociológica, se atribuirmos "feminilidade natural" ao cromossomo 
X duplo, é apenas em virtude de crenças sociais definidas e contingentes. Mulheres trans são mulheres, e é triste ver essa plataforma nos 
acusando de dividir uma luta na qual, de fato, estamos apenas participando da mesma maneira que qualquer mulher feminista.

Inconsistências teóricas e desigualdade das práticas de lutas não podem ser de nossa responsabilidade. Como mulher trans, ficamos indignados 
com os "TERFs" [3]apenas porque negam nossa existência com a mesma violência que geralmente é atribuída ao tratamento de lésbicas por homens 
cisgêneros.

Não há debate sobre "a questão trans". Como feminista, são nossas práticas de luta que devem ser reexaminadas. Mas, junto, com todas as 
mulheres, quem quer que sejam.

Marlène (UCL Lyon)

  Gostaria de receber a newsletter semanal.
Seu endereço de e-mail *
Validar
[1] "Por que não publicamos o fórum" Pergunta trans: splicers contra feminicídios estão se dividindo e todas as mulheres estão ameaçadas "" 
, The Huffington Post, 12 de fevereiro de 2020.

[2] Marianne, "Trans: é suficiente proclamar-se uma mulher para poder ser considerada como tal ?", 17 de fevereiro de 2020.

[3] Feminista radical excludente trans: nome dado a feministas que não reconhecem pessoas trans como elas podem se reconhecer 
(principalmente mulheres).

https://www.unioncommunistelibertaire.org/?Transidentite-et-feminisme-qui-divise


Mais informações acerca da lista A-infos-pt