(pt) France, Union Communiste Libertaire UCL - Comunicado de imprensa: Indocumentados, sem-teto, enfrentando precariedade: solidariedade ou morte (en, fr, it)[traduccion automatica]

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Domingo, 22 de Março de 2020 - 07:59:12 CET


Com o Coronavírus como o resto do ano, pessoas sem-teto e sem documentos permanecem amplamente esquecidas. Mais uma vez, o Estado 
negligencia completamente as populações que o sistema capitalista marginaliza. Os que já estão enfraquecidos são os que mais enfrentam 
riscos à saúde e que enfrentam mais dificuldades no acesso a cuidados, higiene, moradia ou alimentação. ---- "Como você lava as mãos quando 
não tem pia ...?"" ---- O desastre de saúde, anunciado por meses por ativistas e associações no campo, não demorou muito para se 
materializar. Já neste ano, o perigo dessas pessoas piorou após inúmeras reentradas nas ruas (expulsão de agachamentos) e a reforma do AME 
(Assistência Médica Estatal). Essa reforma, sob o pretexto de "luta contra a fraude", resulta na introdução de um período de espera de três 
meses para o acesso à saúde dos migrantes. Se, após os primeiros anúncios de confinamento, as prefeituras optaram por estender as 
autorizações de residência, nenhuma informação foi fornecida sobre o acesso aos cuidados e a abertura dos direitos de AME. Além disso, essas 
prorrogações das autorizações de residência só terão efeito por um período de três meses,

Se os Centros de Detenção Administrativa começarem a ser evacuados, será depois que a situação se tornar extremamente perigosa e 
insustentável. No CRA em Lesquin, por exemplo, os detidos se recusaram a ir ao refeitório, por medo de serem contaminados e, portanto, 
desistiram de comer. No momento, é muito complicado saber para onde essas pessoas foram transferidas.

Assim, o Estado, em sua busca pelos pobres, mais uma vez mostra sua inconsistência, colocando em risco os mais vulneráveis. Além disso, a 
política de verbalização no caso de não conformidade com as regras de confinamento é uma aberração para pessoas que não têm outra solução 
além da rua. Tudo isso nesse contexto de pandemia, que o Estado alega administrar, coloca em risco toda a população e, pior ainda, deixa a 
situação como está sem preocupações quando se está na rua, colocando em risco morte anunciada.

"... Como você consegue se limitar quando a polícia corta sua barraca todas as noites ?""
Acrescente a isso a sobrecarga de serviços sociais que já atuou muito antes dessa pandemia; em breve não haverá outra solução para os que 
ficaram para trás. Com confinamento total, o trabalho de associações e ativistas corre o risco de ficar impossível. De fato, essas 
populações geralmente abandonadas pelo estado se vêem em uma angústia sem precedentes.

Desde o início do confinamento, o Estado, como sempre, foge de suas responsabilidades e confia em associações, organizações sociais e 
ativistas que tentam manter a solidariedade com as pessoas na rua (distribuição de refeições, bem-vindo, ouvindo etc.). No entanto, se essas 
estruturas já carecem de recursos em tempos normais, a situação só piorou. Os voluntários estão desaparecidos e têm pouco ou nenhum 
equipamento básico de proteção. Pior ainda, se o isolamento social faz parte da vida cotidiana dos sem-teto, hoje eles não são mais apenas 
ignorados, mas fogem do que tira sua fonte de renda já escassa.

Diante da urgência da situação, o Estado prefere liberar 300 bilhões de euros para os patrões, mas que anúncios para o social ? Sabemos que 
os líderes de todos os países sempre favorecem a manutenção do capitalismo na vida das pessoas. É por isso que não podemos esperar nada 
deles e deles em relação à assistência prestada aos mais frágeis, e que só podemos apelar à solidariedade de todos.

Nestes tempos difíceis e com todas as precauções de saúde obrigatórias, é nossa responsabilidade fornecer apoio humano e material às pessoas 
envolvidas, associações, coletivos, ativistas em campo. Se, para nós, a administração da empresa é o negócio das pessoas que a fazem viver 
(principalmente as exploradas), é também porque somos mais capazes de saber como responder a esse tipo de situação.

União Comunista Libertária, 18 de março de 2020

Gostaria de receber a newsletter semanal.
Seu endereço de e-mail *

https://www.unioncommunistelibertaire.org/?Sans-papiers-SDF-face-a-la-precarite-la-solidarite-ou-la-mort


Mais informações acerca da lista A-infos-pt