(pt) [Espanha] Não aos massacres nas fronteiras europeias By A.N.A. (ca, en, it)

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Quinta-Feira, 19 de Março de 2020 - 07:36:30 CET


Desde a Confederação Geral do Trabalho (CGT), levantamos nossa voz novamente contra as políticas de migração da União Europeia que 
terceirizam suas fronteiras para países que não respeitam os Direitos Humanos, como a Turquia e a Líbia, que vêm privando pessoas e famílias 
de sua liberdade há anos. ---- Enquanto isso, a mídia generalista normaliza o número diário de pessoas que morrem no Mediterrâneo como 
resultado dessas políticas da Europa-Fortaleza. Ontem, outra criança afogada morreu quando um barco afundou devido à ação violenta dos 
barcos de patrulha gregos. ---- Também denunciamos a privação de liberdade em condições subumanas das pessoas que procuram asilo político na 
Grécia e a violência do Estado exercida pelas forças de segurança gregas. A liberdade de movimento é um direito inalienável para todas as 
pessoas, bem como o acesso à saúde pública, educação e moradia. A Grécia e a Hungria acabaram de suspender o Direito ao Asilo, que é um 
direito humano fundamental que não pode ser suspenso sob desculpas injustificadas. Novamente, a violência estatal atormenta as pessoas mais 
vulneráveis que escapam da violência de seus locais de origem para salvaguardar suas vidas.

A vergonha das imagens muito duras que vimos de pessoas presas entre dois incêndios na fronteira turco-grega, muitas delas crianças que 
estão sendo severamente reprimidas com gás lacrimogêneo e fogo real, está sendo usada como moeda de troca no interesse do regime criminoso 
da Turquia, cujo governo pressiona a UE com a abertura de suas fronteiras como forma de apoiar sua agressão contra a Síria.

Mesmo a lógica capitalista não é capaz de justificar a retenção ilegal de pessoas nas fronteiras do capital. Enquanto países como a Alemanha 
alertam há anos sobre a necessidade de mão de obra estrangeira para manter a produção e sustentar o sistema de bem-estar público, as 
fronteiras são fechadas e os campos de concentração são mantidos, o que acreditávamos ter sido erradicado anos atrás.

No Estado espanhol, denunciamos há anos a falta de meios e vontades políticas para receber solidariedade e justiça aos migrantes. Essas 
pessoas sofrem uma extrema vulnerabilidade que as empurra para as garras das máfias, que não têm escrúpulos em traficar e lucram com o 
tráfico de pessoas destinadas à exploração do trabalho e à exploração sexual. Os Centros de Internação (CIE) de pessoas são autênticas 
cadeias que denunciamos continuamente.

A partir da CGT, nos juntamos ao clamor internacionalista pelo fechamento dos CIE, pela abertura de fronteiras e pelo respeito pelos 
direitos humanos fundamentais. Exigimos que o Estado espanhol, bem como a União Europeia, respeite os direitos humanos e a legalidade 
humanitária internacional. E, finalmente, exigimos a cessação da violência estatal pela Europa-Fortaleza.

Apelamos à mobilização e protesto, para tirar da invisibilidade nos meios de comunicação generalistas as pessoas que estão sendo massacradas 
pelo governo grego, incluindo também voluntárias e ativistas que atendem aos refugiados, bem como os jornalistas que denunciam essa 
situação, enquanto os grupos fascistas ficam à vontade com a aprovação do governo grego e de sua polícia em Lesbos e na fronteira com a Turquia.

Abaixo os muros das fronteiras!

Pela cessação da violência na Grécia contra pessoas encarceradas em campos de refugiados.

Fonte: https://www.cgtpv.org/comunicats/no-a-las-masacres-en-las-fronteras-europeas

Tradução > Liberto


Mais informações acerca da lista A-infos-pt