(pt) Alianças internacionais para acabar com a exploração: segunda jornada da conferência no Sri Lanka By A.N.A.

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Domingo, 8 de Março de 2020 - 07:33:42 CET


Realizadas as apresentações de todos os sindicatos, suas bases e formas de organização e ação após o primeiro dia da Conferência 
Internacional dos Sindicatos do Setor Têxtil (International Labor Union Conference of the Garment Sector), deu-se a hora de unir esforços 
nas linhas de atuação comum. Para contextualizar, fez-se uma estrutura de todos os agentes envolvidos na indústria têxtil. De fornecedores 
de tecidos a fábricas, comerciantes... E ao longo das intervenções, ficou claro como o capitalismo globalmente faz os intermediários se 
multiplicarem e que muitas vezes é difícil identificar um interlocutor das demandas sindicais. É o caso do setor têxtil, onde muitas marcas 
recorrem a empresas terceirizadas que, por sua vez, terceirizam para outras ou para as instalações de outras.

O mesmo vale para as trabalhadoras e os trabalhadores têxteis, que entre muitas outras violações de seus direitos estão sendo terceirizados 
e, em muitos casos, passados como outro recurso de empresa para empresa. Precisamente, o sindicato Federation of Garment Workers Union 
(FGWU) - Federação do Sindicato dos Trabalhadores em Vestuário (FGWU), de Mianmar, foi o primeiro a falar sobre como coordenar os 
trabalhadores nessa situação, já que quando há um problema, atuam em solidariedade entre as diferentes empresas ou centros de trabalho, 
bloqueando a atividade até que os responsáveis ouçam e negociem direitos trabalhistas. Da FGWU, também recordaram a realidade de que os 
trabalhadores de Mianmar vivem, que além da repressão do governo, têm que lidar com uma manobra comum: as fábricas estão deixando o problema 
do sindicato fechando a empresa e abrindo outra em tempo recorde. Uma manobra protegida por leis que estão em constante luta para mudar os 
sindicatos de classe no país.

Por outro lado, tentamos ver quais eram as formas de organização e quem está dentro de cada uma. Em geral, destaca-se o envolvimento de 
mulheres trabalhadoras (com uma porcentagem entre 80 e 90% dos afiliados em muitos dos sindicatos presentes) e a incapacidade de pagar uma 
cota em muitos casos. Nesta situação, estão grande parte dos 1500 afiliados que compõem o Dabindu Collective of Sri Lanka, que anteriormente 
eram uma associação e no ano passado foram estabelecidos como um sindicato. Da Ceylon Mercantile Union (CMU) - União Mercantil do Ceilão, 
explicaram que seu apoio financeiro depende exclusivamente de suas afiliadas e que mesmo sua sede em Colombo - onde ocorreu a conferência 
internacional - foi construída em terras doadas por membros do sindicato. Em Bangladesh, além de confirmarem que a maior porcentagem de 
afetados por más condições de trabalho são mulheres, explicaram a grande importância da indústria têxtil no país, que tem mais de 4 milhões 
de pessoas dedicadas a ela. É por isso que não é surpreendente que exista um sistema de repressão que levou os sindicalistas a serem presos, 
como aconteceu em 2018 com um representante do Centro Sindical de Trabalhadores da Confederação (GWTUC), presente na conferência.

As mulheres são, sem dúvida, um dos pilares da luta no sudeste da Ásia e neste setor. Nesse sentido, o coletivo Dabindu enfatizou que as 
dificuldades das trabalhadoras vão muito além dos salários ou da precariedade, também passa pelo assédio sexual e violência. Agressões que 
ocorrem dentro e fora do posto de trabalho, mas como um sindicato, devem estar alertas. Por exemplo, comentaram uma situação muito comum nas 
fábricas têxteis. As mulheres cobram pela alta produção; portanto, quando uma máquina quebra, elas são as primeiras interessadas em 
consertá-la o mais rápido possível. Portanto, são forçadas a serem gentis com os técnicos e a ter uma "relação com eles". Algo que lhes é 
recriminado pelos maridos quando chegam em casa, colocando-as entre a parede e a espada: elas não recebem um salário naquele dia ou são 
agredidas em casa.

Também explicaram que a proteção contra doenças é praticamente inexistente. Esse é um problema que desencadeou acidentes de trabalho e que 
existem até mortes por enfermidades no local de trabalho, conforme indicado pelo National Union Migrant workers of Sri Lanka - Sindicato 
Nacional dos Trabalhadores Migrantes do Sri Lanka. Ser jovem não é sinônimo de melhorias, pois seu salário geralmente é muito baixo e seu 
trabalho é muito temporário, mesmo por dias sem conhecê-lo com antecedência. No Sri Lanka, há também a dificuldade de que, no norte do 
estado, não haja tribunais especializados em leis trabalhistas, por isso é mais difícil chegar a um veredicto e as empresas têm 
trabalhadores que não têm os recursos para levar o conflito a capital.

Intervenção da Argentina

Por vídeo, os colegas da FORA puderam participar da conferência incentivando o restante dos trabalhadores têxteis a lutar. A realidade 
argentina é muito parecida com a do sudeste asiático em muitos aspectos, mas também em algumas diferenças. Como o fato de as mulheres 
trabalhadoras no Sri Lanka ou Mianmar serem migrantes do campo para as cidades, enquanto na Argentina têm muitas mulheres de outros países, 
como a Bolívia. Muitas vezes há até tráfico de pessoas, como indicado pelas companheiras em sua intervenção. Nela, os trabalhadores têxteis 
são instados a unir forças, contar com a ajuda de outras companheiras e companheiros de setores relacionados e deixar claro que a classe 
trabalhadora deve lutar junta.

Na mesma linha, a CNT explicou que sua forma de organização responde aos princípios de solidariedade mútua, federalismo e autogestão. As 
decisões são tomadas de baixo para cima e são as assembleias que tomam as decisões, enquanto os grupos de trabalho e as secretarias são os 
que realizam o trabalho com base nos princípios adotados. As seções sindicais são um elemento revolucionário chave no modelo sindical da 
central espanhola, pois representa a maneira de trabalhar horizontalmente que queremos para uma sociedade livre e equitativa. "Quando você 
tem uma forte implementação em uma empresa com uma seção, pode exigir melhorias acima do mínimo legal e mudar a realidade do trabalho para 
muito mais trabalhadores. Pode até assumir o controle das decisões da empresa. Se o empregador não souber fazê-lo ou achar que perde 
dinheiro, que não se preocupe que os trabalhadores possam executá-lo sozinho", comentou o representante da ICL-CIT e membro da CNT, que 
acabou alertando que "assumir o controle das estruturas de produção é o objetivo final do comunismo libertário que inspira nossas 
organizações". "É por isso que somos um sindicato revolucionário", afirmou.

Na conclusão da conferência, foi encorajado um grupo de trabalho no qual os diferentes sindicatos podem manter contato e detectar 
oportunidades de cooperação, além de futuras campanhas conjuntas, como a Marcha das Mulheres, o Primeiro de Maio ou outras referências 
comuns. E assim, estender o modelo sindicalista revolucionário preconizado pelo ICL-CIT.

Fonte: https://www.cnt.es/noticias/alianzas-internacionales-para-romper-con-la-explotacion-segunda-jornada-de-la-conferencia-en-sri-lanka/

Tradução > Liberto

Conteúdo relacionado:

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2020/02/28/sindicatos-do-setor-textil-unem-forcas-na-conferencia-internacional-realizada-em-colombo-sri-lanka/

agência de notícias anarquistas-ana


Mais informações acerca da lista A-infos-pt