(pt) luta fob: Atos antifascistas e antirracistas tomam as ruas do Brasil

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Domingo, 14 de Junho de 2020 - 07:39:35 CEST


Atos em pelo menos 20 capitais e outros municípios marcaram o 7 de junho. Os protestos focaram principalmente contra a escalada autoritária 
e fascista do governo Bolsonaro e o racismo, que de forma velada ou aberta assassina cotidianamente pessoas negras e não param sequer diante 
da pandemia. ---- Os protestos ocorrem enquanto boa parte da população não tem a opção de fazer isolamento social. Com a reabertura do 
comércio em muitos estados do Brasil, pessoas estão obrigadas a enfrentar ambientes aglomerados como transporte coletivo e locais de 
trabalho e sem que os governos e patrões garantam condições de saúde, trabalho e renda à população trabalhadora; ao mesmo tempo em que 
bolsonaristas pedem pela reabertura do comércio e clamam por um regime militarista; enquanto nos EUA, explodem protestos contra o 
assassinado de George Floyd que se irradiam mundo afora; e o Brasil se lança como país com maior número de casos de covid-19 no globo.

Organizações de base da FOB estiveram presentes em vários destes atos, orientados por políticas de biossegurança, reivindicando pelo Fora 
Bolsonaro e Mourão e por pautas imediatas de sorevivência (renda, saúde, trabalho, teto), ao mesmo tempo em que criticaram os limites da 
democracia apontando o horizonte de Todo Poder ao Povo como forma de autogoverno. Confira fotos e relatos.

Rio de Janeiro

No Rio de Janeiro o ato antirracista reunião uma multidão sob a palavra de ordem "Vidas Negras Importam!". O protesto contra o genocídio do 
povo negro foi protanizado pela juventude negra, favelada e periférica. O SIGA-RJ contribuiu com a convocação e participou da manifestação 
com a faixa "Chega de Escravidão". Também é importante que durante a semana passada ocorreram atos antirracista nas cidades de São Gonçalo, 
periferia da Região Metropolitana, e Cabo Frio, Região dos Lagos.

Goiás

Em Goiânia o ato reuniiu cerca de 400 pessoas. Houve muita repressão da polícia antes do ato dando baculejo e tentando intimidar os 
participantes a irem embora. A FAT-GO realizou uma panfletagem no começo do ato e organizou um bloco no protesto. Durante o protesto um 
judas do Bolsonaro foi queimado.

São Paulo

Em São Paulo, apesar da tentativa de cooptação e de desmobilização por parte de políticos oportunistas, manifestantes mantiverem vivas e 
combativas as pautas antifascistas e antirracistas e desafiaram as proibições judiciais, e foram atacados brutalmente por mais de quatro mil 
policiais militares que defendiam os bolsonaristas. Aproximadamente 30 pessoas foram presas.

Juazeiro - Bahia

O ato ocorreu em Petrolina-PE que faz divisa com Juazeiro-BA. O protesto foi positivo, o coletivo Carranca/FOB formou um bloco combativo e 
puxou a maior parte das palavras de ordem, fazendo boa propaganda revolucionária. O ato contou com baixa adesão e caráter misto, entre 
popular e setores médios, atingindo aproximadamente 50 pessoas. Percorremos as ruas do centro colando lambes. O ato fortaleceu os ânimos 
para as lutas que virão e contribuíram para articulação dos próximos momentos. Ao final, houve a queima de uma bandeira ianque.

Santa Catarina

Em Florianópolis, o SIGA-SC fez parte da marcha "Vidas negras importam", que reuniu diversos grupos progressistas e radicais da Catedral ao 
pé do morro do Mocotó para, junto da comunidade, lembrar os jovens assassinados pela polícia catarinense nas últimas semanas. O bloco 
combativo do SIGA entoou palavras de ordem contra a violência policial e pela rebelião popular. Um dos cantos foi "Que democracia? A polícia 
mata preto/pobre todo dia!"

Ceará

(Fotos: Fábio Lima)

Em Fortaleza, o SIGA-CE compôs a manifestação puxada para a Praça Portugal, reduto dos bolsonaristas. A única manifestação era a 
antifascista/antirracista. No entanto, a PM de Camilo Santana/PT fechou a praça ainda pela manhã e passou a tarde "dispersando" os 
manifestantes que chegavam pouco a pouco. Após duas horas da hora marcada a manifestação conseguiu sair. No entanto foi "envelopada" pela 
PM. Manifestantes foram detidos, e após negociação, conseguiram dispersar os demais sem mais detenções. Em outro ponto a poucos metros um 
grupo de manifestantes conseguiram ir pra pista denunciar a política genocida de Bolsonaro e o racismo.

Distrito Federal

No DF, o SIGA compôs o ato em que torcidas organizadas e membros de torcidas assumiram a convocação e linha de frente. O protesto ocorreu na 
Esplanada dos Ministérios sob forte efetivo policial e ao mesmo tempo em que um caminhão de som reunia poucas dezenas de apoiadores 
bolsonarista. Estimamos que o ato antifascista e antirracista reuniu cerca de 5 mil pessoas. O SIGA-DF agitou palavras de ordem por auxílio 
emergencial, contra o racismo e o terrorismo de Estado. Ao fim do ato, uma bandeira dos EUA foi queimada aos gritos de "Bolsonaro, seu 
terrorista, tu é capacho do governo imperialista!"

https://lutafob.wordpress.com/2020/06/09/atos-antifas-brasil/


Mais informações acerca da lista A-infos-pt