(pt) Anarchist Communist Group ACG: [Reino Unido] Noam Chomsky, ex-líderes do SDS apóiam Biden By A.N.A. (en)

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Domingo, 14 de Junho de 2020 - 07:39:22 CEST


Noam Chomsky trouxe a público seu apoio a Joe Biden, candidato presidencial dos democratas nas próximas eleições de novembro. Chomsky, que 
se descreveu como socialista libertário e anarco-sindicalista no passado, disse que "o fracasso em votar em Biden em um estado instável 
equivale a votar em Trump", semelhante a votar pela "destruição da vida humana organizada na Terra, o forte aumento da ameaça de guerra 
nuclear... amontoando o judiciário com jovens advogados que tornarão impossível fazer qualquer coisa por uma geração." Ele disse que "com 
uma presidência de Biden, haveria, se não uma administração fortemente solidária, pelo menos uma que possa ser alcançada, que pode ser 
pressionada."
Além desse apoio do intelectual de esquerda mais destacado nos EUA, também temos uma carta assinada por 65 "fundadores e veteranos da 
principal organização da Nova Esquerda da década de 1960, Students for a Democratic Society" (Estudantes por uma Sociedade Democrática). 
Eles também estão pedindo aos radicais mais jovens que se recusam, a apoiar a campanha de Biden.

Um dos mais proeminentes desses ex-radicais famosos é Todd Gitlin, que já havia apoiado John Kerry para presidência em 2004. Ele disse às 
pessoas que se manifestavam contra a guerra no Oriente Médio que parassem e se dirigissem às urnas. Ele chegou ao ponto de dizer que as 
manifestações anti-guerra de 1968 em Chicago abriram o caminho para a eleição de Richard Nixon. Por sua vez, Kerry se posicionou em apoio 
dos movimentos de guerra de Bush, assim como Hilary Clinton e... Joe Biden.

Gitlin também apoiou o bombardeio da Sérvia e o ataque americano ao Afeganistão. Outro signatário foi Carl Davidson, depois de seus radicais 
dias de estudante, agora firmemente entrincheirado no establishment democrata. Como John McConnell, na Grã-Bretanha, que queria transformar 
os vários movimentos populares em torno da habitação, do meio ambiente etc. em um aparato para levar o Partido Trabalhista ao poder, 
Davidson imaginou o mesmo com o movimento anti-guerra nos EUA, desta vez como uma ferramenta para trazer os democratas ao poder.

Esses ex-radicais parabenizaram Bernie Sanders por desistir da competição presidencial e depois endossar Biden.

O que preocupa tanto a eles e a Chomsky é que muitos dos que apoiaram Sanders não darão seus votos a um político reacionário como Biden. 
Eles dizem que estão "profundamente preocupados com o fato de alguns de seus apoiadores, incluindo a liderança dos socialistas democratas da 
América, se recusarem a apoiar Biden, a quem consideram um representante do capital de Wall Street." Tanto Chomsky quanto os ex-líderes da 
SDS fazem as mesmas analogias, de que não votar em Biden permitiria a entrada de Trump novamente e levaria a um impulso ao fascismo nos 
Estados Unidos. Eles ecoam o próprio Sanders, que afirmou que não votar em Biden é "irresponsável."

Como Mike Davis, editor colaborador da revista The Nation, que "relutantemente" apóia Biden, teve que admitir: "Eu também estive em uma 
conversa acalorada com meus alunos e meus próprios filhos mais novos, ainda no ensino médio. Posso dizer-lhe que, na visão deles do mundo, 
derrotar Trump não é necessariamente mais importante do que interromper um ‘retorno à normalidade' pelo establishment democrata."

Biden tem um histórico longo e reacionário. Como senador por Delaware de 1973 a 2009, ele se opôs ao transporte de crianças negras de ônibus 
para as escolas, para acabar com o segregacionismo e integrar racialmente as escolas na década de 1970. Ele sempre apoiou aventuras 
imperialistas americanas como o bombardeio da Sérvia e as guerras no Afeganistão e no Iraque. Para ele, a atitude de Trump em relação à 
China não é suficientemente firme!

Biden tem um amigo íntimo e consultor econômico, o extremamente desonesto Larry Summers. Ele era associado de Jeffrey Epstein, pedófilo e 
traficante de sexo, é consultor de fundos e esteve nas administrações de Clinton e Obama. Como presidente da Universidade de Harvard, 
Summers argumentou que as mulheres eram biologicamente predispostas a ter um desempenho pior nas ciências, o que acelerou sua saída como 
presidente do referido estabelecimento. Summers fez uma campanha vigorosa contra os impostos sobre a riqueza de bilionários e 
ultra-bilionários. Este é o cara que está aconselhando Biden, que agora está tentando entender que ele está adotando políticas "progressistas."

Biden agora está abraçando ambientalistas e ganhou o apoio de alguns. Mas seu amigo Summers sempre foi um facilitador das mudanças 
climáticas. Quando era economista-chefe do Banco Mundial, Summers escreveu que "os países subpovoados da África são muito pouco poluídos." 
Ele continuou dizendo que mais indústrias sujas deveriam se mudar para países em desenvolvimento, onde poderiam ter "muito pouco impacto 
direto na saúde" e assim economizariam dinheiro para essas indústrias. De fato, os países mais ricos exportam combustíveis sujos para os 
países africanos. Summers também aconselhou Obama a não fazer a transição de combustíveis fósseis muito cedo. Ele também apoiou fortemente o 
oleoduto Keystone XL, que atravessa a terra das tribos nativas americanas.

Muitas mulheres estão preocupadas com o comportamento de Biden. Biden é um católico pró-vida e, como tal, os direitos ao aborto estariam tão 
sob ataque quanto sob Trump. Ele votou 50 vezes, em suas próprias palavras, contra o financiamento federal do aborto. Muitas feministas que 
apóiam o movimento #MeToo e outras iniciativas contra o assédio sexual estão preocupadas com o fato de várias mulheres acusarem Biden de 
beijos e toques indesejados, e uma mulher, que trabalhou em seu escritório no Senado na década de 1990, o acusou de agressão sexual. No 
entanto, Christina Cauterucci, jornalista queer da revista liberal on-line Slate, em seu artigo "Por que os progressistas podem apoiar Joe 
Biden sem perder sua credibilidade", disse que todas essas dúvidas devem ser deixadas de lado porque, de alguma forma, se Biden se tornar 
presidente ele pode ser pressionado a mudar de opinião!

Foi precisamente o fracasso de Obama em entregar qualquer uma de suas promessas à classe trabalhadora, aos americanos negros e outros grupos 
étnicos e seu envolvimento em guerras estrangeiras que levaram à vitória de Trump, que fez a promessa não cumprida de que ficaria fora da 
intervenção militar no resto do mundo. Sob Obama, os padrões de vida da massa da população americana continuaram caindo e o fosso entre 
ricos e pobres aumentou maciçamente.

Não são apenas esquerdistas e liberais apoiando Biden, mas quarenta e quatro bilionários e seus cônjuges que financiam sua campanha. O 
Projeto Lincoln, um grupo de ex-conservadores do Partido Republicano, está apoiando Biden, assim como republicanos como Jeff Timmer, de 
Michigan, e Joe Walsh, que está na extrema direita do republicanismo e teve o apoio do movimento Tea Party.

Grandes seções da classe dominante americana estão cada vez mais preocupadas com o fato de as palhaçadas dementes de Trump estarem 
prejudicando seriamente a posição principal dos EUA. Portanto, não é de surpreender que esquerda e direita estejam se unindo para restaurar 
os "negócios de sempre" sob os auspícios de Biden.

Há um número crescente, porém, e não apenas entre os jovens que foram mobilizados pela campanha de Sanders, que não estão prontos para 
apoiar a candidatura de Biden. Grupos como os socialistas democratas da América e a revista Jacobin, que atua como um órgão de fato da DSA, 
estão aterrorizados com o fato de que esse movimento substancial comece a romper com os democratas e a se voltar cada vez mais para a 
construção do movimento popular. As analogias com a Grã-Bretanha são claras, onde apoiadores de Corbyn como Owen Jones, e a Novara Media 
foram rápidos em trocar de apoio a Keir Starmer.

Fonte: https://www.anarchistcommunism.org/2020/04/30/noam-chomsky-ex-leaders-of-sds-support-biden/

Tradução > abobrinha

agência de notícias anarquistas-ana


Mais informações acerca da lista A-infos-pt