(pt) France, Union Communiste Libertaire UCL - Comunicado de imprensa internacional, Na linha da frente, sempre no lado explorado ! (en, fr, it)[traduccion automatica]

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Quarta-Feira, 8 de Julho de 2020 - 06:53:52 CEST


As mulheres sofrem com a crise social e econômica que começou em todo o mundo após o surgimento do novo coronavírus e sua expansão global, 
mas, além disso, sofrem com a violência de gênero. Essa situação não é nova em um sistema de dominação patriarcal, mas assumiu formas 
particulares no contexto atual, relegando-nos cada vez mais à esfera privada e subordinando-nos cada vez mais à figura masculina. ---- A 
violência de gênero aumentou com o confinamento. Privados de nossas famílias e amigos, nós, mulheres que somos forçadas a viver com um 
agressor, geralmente nosso parceiro, estamos presas nessa situação infernal. As iniciativas adotadas pelos Estados foram ineficazes e 
insuficientes para conter a violência doméstica e o problema, longe de diminuir, piorou ! O confinamento impediu as mulheres vítimas de 
violência doméstica de deixar o espaço da casa e encontrar apoio externo, como muitas mulheres não podiam chamar na presença de seu 
agressor, que ficava em casa.

A ascensão do feminicídio durante o confinamento é uma realidade na América Latina e em outros lugares. Quanto ao assédio nas ruas, não foi 
confinado ! Embora as ruas tenham sido esvaziadas, o confinamento não limitou as agressões sexistas e sexuais em espaços públicos e abertos, 
pelo contrário. Com ou sem máscara, fazer compras, ir ao médico ou trabalhar tornaram-se obrigações para as mulheres que se apresentam como 
o terreno ideal do qual os perseguidores foram capazes de tirar proveito.

O trabalho livre que nós, mulheres, fazemos todos os dias também aumentou com o confinamento. Além de garantir que as crianças sejam bem 
nutridas e façam sua lição de casa, muitas mulheres tiveram que se mudar, o que aumentou os encargos mentais e emocionais para todos. Nos 
países em que foram tomadas medidas para permitir que as pessoas fiquem em casa sem precisar ir trabalhar, ainda são as mulheres que ganham 
salários mais baixos que os homens. Como resultado, como os homens são os "provedores do lar", a distribuição das tarefas domésticas 
desapareceu completamente.

Algumas mulheres foram mais afetadas do que outras pela crise e pelo confinamento. A situação das mulheres refugiadas, amontoadas em abrigos 
ou centros, é preocupante, assim como as mulheres de bairros de baixa renda e mulheres racializadas, porque estão mais expostas à pandemia. 
Tendo empregos informais, eles não podem ficar em casa e manter sua renda, ou mantê-la assumindo responsabilidades domésticas. Ao mesmo 
tempo, a militarização dos espaços vivos nos expôs à repressão policial, assim como nossos filhos.

O patriarcado e o capitalismo lucram com o trabalho gratuito ou mal pago das mulheres em nome da "unidade nacional". Somos particularmente 
vulneráveis à crise porque nossos empregos são mais precários do que os dos homens e muitos deles trabalham em setores essenciais. Muitos 
trabalhadores, como aqueles que trabalham em supermercados, saúde e educação, estão na linha de frente da pandemia, redobrando seus esforços 
para detê-la. Esses setores trabalhistas, onde a maioria das mulheres é geralmente mal remunerada, são também setores historicamente 
distinguidos por seu alto nível de espírito de luta por melhores salários, contra demissões e casualização.

Também somos nós, através de nossas organizações populares, que colocamos em prática a solidariedade e a ajuda mútua. As instituições 
estatais não foram capazes de responder à crise atual, razão pela qual são as organizações populares, compostas principalmente por mulheres, 
que criaram estratégias diferentes para aliviar a crise, por meio de cantinas , cozinhas de sopa, redes de abastecimento, bem como o caso 
das costureiras que fizeram máscaras, entre outros.

Para o Estado, os chefes, a polícia, a violência de gênero, os racistas, os LGBTIfóbicos, dizemos: não desistiremos e sempre lutaremos para 
tornar visíveis nossas lutas contra todas as formas de dominação. Não estamos na linha de frente dos capitalistas, estamos na linha de 
frente para transformar a sociedade !

¡Arriba las que luchan !!

Signatários:

? Coordenação Anarquista Brasileira - CAB (BRÉSIL)
? Alternativa Libertaria - AL/fdca (ITALIE)
? Federación Anarquista Uruguaya - FAU (URUGUAY)
? Federación Anarquista Rosario - FAR (ARGENTINE)
? Organización Anarquista de Córdoba - OAC (ARGENTINE)
? Grupo Libertario Vía Libre (COLOMBIE)
? Union communiste libertaire (FRANCE)
? Workers Solidarity Movement - WSM (IRLANDE)
? Die Plattform - Anarchakommunistische Organisation (ALLEMAGNE)
? Organization Socialiste Libertaire - OSL (SUISSE)
? Libertaere Aktion (SUISSE)
? Melbourne Anarchist Communist Group - MACG (AUSTRALIE)
? Aotearoa Workers Solidarity Movement - AWSM (Aotearoa / NOUVELLE ZÉLANDE)
? União Anarquista do Afeganistão e Irã - AUAI (IRÃO E AFEGANISTÃO)

https://www.unioncommunistelibertaire.org/?En-premiere-ligne-toujours-du-cote-des-exploite-es


Mais informações acerca da lista A-infos-pt