(pt) France, Union Communiste Libertaire AL #307 - Editorial, Saúde, farmácia: socializar, abrir uma brecha (en, fr, it)[traduccion automatica]

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Terça-Feira, 7 de Julho de 2020 - 06:40:11 CEST


Inegavelmente, a crise do coronavírus ampliou a consciência de que o capitalismo é um sistema mortal. Mas não basta repetir como um mantra 
que devemos "  mudar tudo, reinventar tudo  ". Precisamos avançar em um projeto de sociedade alternativa, colocá-lo em discussão e inclusive 
prever: seria melhor enfrentar o vírus ? ---- Os profissionais de saúde alertam há anos, mas o coronavírus levou a expor de maneira 
grosseira os danos ao sistema de saúde das metas de rentabilidade capitalista, juntamente com o gerenciamento burocrático. ---- Na imprensa, 
os fóruns se multiplicaram para expor a visão de um "  mundo depois  " que teria aprendido todas as lições da crise. Para os comunistas 
libertários, isso demonstrou a necessidade de revolucionar o sistema de saúde, que deve ser totalmente unificado e socializado sob controle 
popular. Unificado, significa a requisição de clínicas privadas e sua integração no serviço público ; contratações massivas ; a criação de 
milhares de camas adicionais ; uma rede territorial revitalizada. Este seria um grande avanço para a população em geral, mas também - sob a 
condição de voluntarismo específico - para os menos bem-cuidados de categorias, como as mulheres.

Mas não há sistema de saúde viável sem sua autonomia produtiva. A escassez de máscaras, aventais, testes, respiradores e a incapacidade de 
produzi-los com urgência é um escândalo da lei do mercado, associado a um escândalo do Estado. Os casos Plaintel ou Luxfer ilustram isso. 
Lá, como na Grécia, são os trabalhadores que, lutando pelo seu futuro, defendem o interesse geral. A socialização do sistema de saúde, 
portanto, também pressupõe a socialização da indústria farmacêutica e a fabricação de equipamentos médicos. Seria, por exemplo, possível 
realocar a produção de medicamentos, quando o país está regularmente esgotado, e redirecionar a pesquisa e o desenvolvimento para atender às 
necessidades reais.

Defendendo, aqui e agora, a socialização e a autogestão do sistema de saúde, por haver disponibilidade para discutir esse setor vital, a UCL 
pretende avançar, no mesmo modelo, a idéia de uma revolução completa na sociedade.

Um dossiê coordenado por
Simon (Rennes), Lulu (Nantes),
Tudy (Grenoble), Grégoire e Matthias (Orléans)

Conteúdo do arquivo:
A alternativa ao capitalismo e ao estatístico: o que são autogestão e socialização
Movimento social: para sair da crise
Setor da saúde: pôr fim à imperatividade liberal e estatal
Mulheres e saúde: que autogestão mudaria (ou não)
Estado falido, auto-organização: dispensários sociais na Grécia
Serge Le Quéau (Solidaires 22) em Plaintel: "  Esta cooperativa tornaria a realocação impossível  "
Luxfer: Utilidade social no centro da luta
Indústrias farmacêuticas: Desapropriadas sem redenção ou compensação !
Comunismo libertário: ele poderia ter lidado melhor com a epidemia ?

https://www.unioncommunistelibertaire.org/?Sante-pharma-socialiser-ouvrir-une-breche


Mais informações acerca da lista A-infos-pt