(pt) France, Union Communiste Libertaire AL #302 - internacional, [Fotos e vídeo]Bijî Curdistan ! UCL na manifestação de solidariedade de 11 de janeiro em Paris (en, fr, it)[traduccion automatica]

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Domingo, 16 de Fevereiro de 2020 - 08:38:33 CET


Em 11 de janeiro, a UCL respondeu ao pedido do movimento de mulheres curdas para uma grande manifestação em Paris, para exigir toda a luz 
sobre o assassinato, em 2013, de três ativistas revolucionários: Leyla, Sakinê e Rojbîn. ---- Durante anos, milhares de pessoas convergiram 
em Paris de toda a França, Alemanha, Bélgica, Suíça ... Eles marcham pela verdade e pela justiça, mas também para lembrar que um povo está 
lutando pela liberdade e dignidade. E que essa luta resultou, no Curdistão sírio, em uma experiência revolucionária, federalista e 
antipatriarcal que impressionou o mundo inteiro. ---- Diante dos grandes perigos que ameaçavam Rojava desde a invasão turca e o retorno do 
regime de Damasco às vans do exército russo, a UCL havia chamado o movimento social francês a estar mais presente do que o habitual. Este 
não poderia ter sido o caso devido às greves históricas que varreram a França neste inverno e chamaram toda a atenção.

Trens fortemente interrompidos, metrô parcialmente bloqueado ... a mobilização da diáspora curda foi parcialmente prejudicada, pois atraiu 
cerca de 5.000 pessoas, enquanto foi capaz de chegar a 10.000 em anos anteriores.

Uma linda aparência vermelha e preta
Por seu lado, a UCL estava lá, como prometido, em um polo vermelho e preto que não reunia as 300 pessoas esperadas, mas todas as mesmas 150, 
para uma marcha muito dinâmica, em uma nota feminista, internacionalista e libertário, por trás de duas magníficas faixas feitas para a ocasião.

Na chegada, durante uma grande reunião ao ar livre, várias organizações curdas e francesas (LFI, PCF, NPA, EELV, UCL) falaram. "Se Erdogan é 
um megalomaníaco, ele não é eterno" , disse a UCL em seu discurso , criticando suas expedições militares mortais à Turquia, Síria e agora à 
Líbia. E para concluir: "Asolidariedade com Rojava confederal e democrático é um dever moral e político de todos os anticolonialistas, 
libertários, feministas, sindicalistas e revolucionários sinceros."

Reportagem fotográfica: Cuervo / UCL Marselha

Discurso da UCL na galeria da reunião
camaradas

Como todos os anos, os comunistas libertários estão ao seu lado. Estamos ao seu lado para exigir verdade e justiça para Fidan, Leyla, Sakîne.

Sete anos de impunidade, sete anos de silêncio do estado francês. Tudo aponta para a mão dos serviços secretos turcos neste triplo 
assassinato. E, no entanto, o estado francês está silencioso. O Estado francês prefere lisonjear Erdogan, na esperança de assinar contratos 
e reconciliar Ancara com a OTAN. Em junho passado, ele não hesitou em reprimir os militantes curdos, aqui, em território francês, em nome de 
um suposto antiterrorismo. Anti-terrorismo ? Nós pensamos que estamos sonhando. Pelo contrário, exigimos que o PKK seja removido da lista de 
organizações terroristas. Exigimos a libertação de Abdullah Öcalan, Selahattin Demirtas e todos os presos políticos. A situação do povo 
curdo é escandalosa.

E ainda camaradas, a esperança permanece. Porque se Erdogan é um megalomaníaco, ele não é eterno. Sua dieta é mais frágil do que parece. A 
população da Turquia está ficando cada vez mais cansada dele. Seus parceiros americanos e russos o desprezam. Ele multiplica expedições 
militares, mas não sabe como sair.
Desde 2011, na Síria ;
Em 2018: contra Afrîn, com o aval de Poutine ;
Em 2019: contra o Djézirê, com a aprovação de Trump ;
Em 2020: ele até envia o exército turco para a Líbia !

Vamos ser francos: essa onda precipitada sente o fim do reinado. O fim do reinado de quem se assume como um novo sultão.

Mas Erdogan não é o único inimigo a ser morto. Em todo lugar, as pessoas não querem mais esses regimes tirânicos, racistas e corruptos. Da 
Argélia ao Iêmen, Sudão, Líbano, Iraque, Irã, as pessoas querem liberdade.

Essa liberdade não lhes será trazida pelos imperialistas russos, americanos ou europeus. Pelo contrário, porque suas intervenções apenas 
consolidam os regimes em vigor. Essa liberdade, o povo a conquistará pela revolução e por uma luta autônoma.

E nessa luta, Rojava tem um papel a desempenhar. Ele tem um papel a desempenhar, desde que se mantenha orgulhoso e honesto diante de Bashar 
el Assad, seus espiões, sua polícia, seus torturadores.

É por isso que a solidariedade com Rojava confederal e democrático é um dever. É um dever moral e político para todos os anticolonialistas, 
libertários, feministas, sindicalistas e revolucionários sinceros. E é por isso que estamos com você hoje.

Viva a luta dos povos por sua liberdade !
Contra os cálculos imperialistas !
Contra todos os tiranos !
Viva a Síria livre, viva o Curdistão, viva a revolução !

https://www.unioncommunistelibertaire.org/?Photos-et-video-Biji-Kurdistan-L-UCL-a-la-manifestation-de-solidarite-du-11


Mais informações acerca da lista A-infos-pt