(pt) France, Union Communiste Libertaire AL #311 - Política, Saúde, Coronavírus: os confusionistas abandonam a máscara (ca, de, en, fr, it)[traduccion automatica]

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Terça-Feira, 29 de Dezembro de 2020 - 08:48:08 CET


Nestes tempos complicados, a confusão reina. Mas não devemos nos perder em todas 
essas mensagens e essas injunções às vezes contraditórias. Devemos lutar contra 
aqueles que mantêm a confusão, não aqueles que estão confusos. ---- Em reação às 
últimas diretrizes do governo, a retórica conspiratória sobre a necessidade de 
usar uma máscara em público é abundante. Na verdade, às vezes ouvimos que seria 
escandaloso atacar nossa liberdade individual em nome de medidas arbitrárias 
decretadas por um Estado que escuta apenas os argumentos que lhe cabem. Em suma, 
eles gostariam de nos amordaçar, impondo-nos máscaras desnecessárias. Achamos que 
esse tipo de discurso é prejudicial, pouco construtivo, e que vem - pelo menos - 
apenas do hábito do oposto, não da reflexão.
Que fique bem claro, não se trata de defender a ação governamental nessa gestão 
da crise, nem de querer policiar indivíduos com discursos culpados, 
principalmente não, mas sim de desconstruir a visão conspiratória que alguns nos 
ofereça. Que uma pessoa às vezes falha em gestos de proteção é inevitável, e os 
sermões são desnecessários. Que a mesma pessoa incentive os outros a não 
respeitarem esses gestos: a escala não é a mesma.

Evitemos a hipótese da criação voluntária do vírus, atribuída aos chineses e seus 
aliados cúmplices - incluindo a França - para observar diretamente a sequência 
que nos interessa: quando as máscaras deixaram de faltar, certos discursos de 
protesto quiseram se reciclar acusando os governo por querer nos amordaçar. Não 
vamos pular na primeira explicação simplista em mãos. Claro que o Estado é nosso 
inimigo, não esperou pelo aparecimento de máscaras de tecido para o provar! Mas 
essas máscaras são parte dos meios disponíveis para lutar contra o coronavírus, e 
essa observação deve ser decorrelacionada de nossa rejeição ao poder.

Foto: Radio-Canada / Émilie Robert
Critique o estado sem fazer papel de bobo
Estamos agora com mais de um milhão de mortes, oficialmente declaradas, no mundo, 
e os legítimos temas de contestação não faltam. Da salvaguarda do hospital 
público à insegurança generalizada, passando pelo racismo e pela sede de 
repressão, não há necessidade de se levantarem falsos pretextos. Devemos saber 
criticar o Estado, ignorar suas injunções xenófobas, escapar de seu rebanho, sem 
nos refugiarmos em discursos obscuros que negam qualquer análise sistêmica ou 
científica.

No entanto, a tese de uma estratégia governamental habilmente orquestrada para 
nos silenciar parece estar ganhando terreno em uma parte da chamada "esquerda". A 
essas pessoas - que gostaríamos de ser aliadas - gostaríamos de dizer que "a 
liberdade dos outros se estende ao infinito". Esta citação nos coloca de volta no 
caminho da responsabilidade coletiva, onde todo o nosso ambiente atual nos 
empurra para o egoísmo. Vejamos que a liberdade individual de não colocar máscara 
é prejudicial à liberdade que os outros têm de não se sentirem ameaçados ao 
saírem de casa. Isso é ainda mais verdadeiro para aqueles que precisam trabalhar.

Os contraditórios achados médicos, que pontuam as informações no dia a dia, 
mostram que ninguém sabe como a situação vai evoluir. O que temos certeza, 
entretanto, é que a diferenciação de classes absolutamente não é mencionada. Na 
verdade, moradias precárias, junk food, ataques à saúde pública, exploração em 
profissões essenciais, mas mal pagas, colocaram as camadas trabalhadoras mais 
pobres e suas famílias na linha de frente, seja em França como em todo o mundo.

Desde a epidemia que atingiu o Sudeste Asiático, já se passaram vinte anos desde 
que sabemos que o uso massivo da máscara tem um efeito efetivo na disseminação de 
vírus. É, portanto, em uma lógica de autodefesa de classe que insistimos em usar 
uma máscara como parte de nossas ferramentas de proteção à saúde para retardar o 
desenvolvimento e a transmissão do Covid-19. Devemos torná-lo nosso e cuidar para 
que aqueles que estão se manifestando contra ele, em última análise, visem apenas 
quebrar uma forma de solidariedade popular.

Autodefesa de classe, é higiênico !
Tenhamos cuidado também com o que este pensamento pode transmitir e os becos sem 
saída para os quais nos conduz! Os validistas poderiam dizer que ainda são jovens 
e, portanto, não correm perigo. Os virilistas, que usar máscara é adornar-se de 
fraqueza. O irresponsável jurará que só acontece aos outros adoecer ... Em todo 
caso, há necessariamente um pequeno burguês nos discursos que defendem esta 
pseudo-desobediência. "Afinal, temos os meios para sermos tratados para que se 
tiver que acontecer, que aconteça", "na pior das hipóteses seremos redefinidos, e 
posso trabalhar à distância", "tanto melhor se nos encorajar a mudar" ! Fácil de 
dizer quando você não aguenta de frente ... Tenhamos cuidado porque os fantasmas 
do darwinismo social e do malthusianismo ainda vagam! Por fim, não há necessidade 
de grande clarividência para compreender que se nos atolarmos na confusão, os 
sociais-democratas não deixarão de confundir mais uma vez a esquerda radical e a 
extrema direita ... Esta última está a surfar na onda. conspiratória e acaba de 
fazer cartazes com o slogan "Francês, acorda", antes - quem sabe ? - cantar "abra 
os olhos!""...

Todos nós gostaríamos de um diário sem epidemias, isso é certo. E é claro que às 
vezes paramos, olhamos em volta e nos perguntamos como, em seis meses, fomos 
capazes de infligir tantas máscaras, plexiglass, filme alimentar. A amargura é 
humana. Mas o real está aí. E embora seja claro que o estado capitalista está 
aproveitando a chance de satisfazer sua necessidade de controle, não vamos dar um 
tiro no próprio pé em resposta. O perigo real reside nos governos liberais que 
desvalorizam a saúde pública e privatizam o sistema de saúde com o objetivo de 
obter mais lucro e crescimento econômico.

As máscaras não são uma panacéia, mas não há razão para se posicionar contra 
elas. Por outro lado, só porque pequenas autoridades locais ordenam que os 
usemos, não significa que devamos. É nosso desejo proteger a nós mesmos e a 
nossos entes queridos que deve prevalecer.

Vamos apelar para nosso senso de solidariedade, nossas práticas de autogestão e 
nossa necessidade de liderar nossas lutas coletivamente. Mas não vamos insistir 
nas teorias nebulosas de alguns novatos conspiratórios e reacionários.

UCL Toulouse e arredores

https://www.unioncommunistelibertaire.org/?Coronavirus-les-confusionnistes-font-tomber-le-masque


Mais informações acerca da lista A-infos-pt