(pt) iwa-ait: SOLIDARIEDADE COM OS MINERADORES DE TOUISSIT (MARROCOS) QUE OCUPAM A MINA! (ca, en, it) [traduccion automatica]

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Domingo, 27 de Dezembro de 2020 - 07:13:39 CET


Envie e-mails à gerência para apoiar as mineradoras em suas demandas! ---- Por 
respeito e dignidade, os mineiros de Toussit agem diretamente e ocupam sua mina: 
Solidariedade! ---- Segundo Aziz Rebbah, ministro da Energia, Minas e Meio 
Ambiente do Marrocos, "o setor de mineração é um pilar do desenvolvimento 
econômico e social do país". O desenvolvimento econômico pode ser, mas o 
desenvolvimento social - certamente não. As condições de trabalho nas minas 
costumam permanecer primitivas, seja em termos de salários, saúde ou segurança. 
---- Tomemos o exemplo da mina Mont Aouâm (Jbel Aouâm) localizada em Mrirt, o 
segundo município da província de Khenifra, no Atlas Médio marroquino. Pertence à 
mineradora Touissit (CMT), líder marroquina na produção de concentrados de prata 
e chumbo. Esta sociedade está cotada na Bolsa de Valores de Casablanca, tendo 
entre os seus principais acionistas a sociedade OSEAD MAROC MINING, por sua vez 
subsidiária da OSEAD FUND, e a CIMR (Caja Interprofessional Maroqui de 
Pensiones). Portanto, seria de se esperar que, com um acionista formado por um 
Fundo de Pensão, tratassem bem seus funcionários. Bem, não mesmo!

Já em 2019, os mineiros tiveram que iniciar um movimento de protesto sobre pontos 
básicos: a melhoria das condições de trabalho e da sua situação social, bem como 
a garantia das medidas essenciais de segurança sanitária para o trabalho nas minas.

Os sindicatos foram rápidos em supervisionar o movimento e negociaram um 
protocolo com a administração que deveria levar em consideração a saúde e as 
condições de trabalho dos mineiros. Para mostrar a importância e seriedade do 
protocolo, até mesmo um representante do Ministro de Minas fez a viagem para 
prestar depoimento da assinatura e assim significar que o Ministro, membro do PJD 
(Partido Islâmico da Justiça e Desenvolvimento), estaria atento ao seu execução. 
É claro que, em troca, os funcionários tinham que se comprometer a aumentar muito 
sua produtividade e atingir metas de produção mais altas. Os empresários nunca 
dão nada de graça, procuram sempre aumentar os seus lucros e consequentemente a 
nossa exploração ...

Um ano após o acordo do sindicato com o empregador, os trabalhadores fizeram suas 
contas: mantiveram a palavra e atingiram 98% das metas de produção estabelecidas 
no protocolo, apesar de um ano de 2020 complicado pela crise de Covid. . Do lado 
do padrão, é muito simples: nada. Ele não colocou em prática o que disse que 
faria ...

Então, em 10 de dezembro de 2020, os mineiros disseram o suficiente e agiram 
diretamente. Eles usaram sua ferramenta de trabalho para pressionar o chefe: 100 
mineiros em greve seguraram a mina, a 700 metros de profundidade. E outros 200 
ficaram na superfície, alternando manifestações e sessões de solidariedade para 
popularizar a greve e também organizar a logística e o abastecimento dos 
ocupantes. Porque o despotismo e a teimosia da administração cresceram a ponto de 
proibir o fornecimento de alimentos e a subsistência dos mineiros que fazem a 
ocupação no fundo da mina.

Claro que essa situação era insuportável para os sindicatos: a quebra de 
protocolo do empregador quando os trabalhadores trabalhavam mostra mais 
claramente a futilidade (e até a perversidade) dessas negociações 
sindicato-patrão. O facto de os trabalhadores terem decidido agir directamente 
ocupando o seu local de trabalho, para os pressionar, pode ser um mau exemplo 
para os outros trabalhadores se a sua luta for bem sucedida, ou seja, se 
auto-organizarem sem sindicatos reformistas ... o UMT ) e a sua organização 
internacional (Industriall Global Union) contactaram com urgência o 
Primeiro-Ministro para chamar a sua atenção para o risco que esta situação 
poderia representar e para a urgência de eliminar a situação através da abertura 
de novas negociações.

Claro, a primeira coisa que o sindicato pediu aos grevistas antes de iniciar as 
negociações foi o fim da greve de ocupação da mina. Portanto, os grevistas 
deixaram a mina em 21 de dezembro, após 10 dias difíceis de ocupação.

O líder do Industriall Global Union então parabenizou: "UMT e os trabalhadores 
pelos avanços. Saudamos os passos importantes para o início das negociações. 
Instamos a empresa a aproveitar a oportunidade para estabelecer um diálogo 
genuíno com o sindicato para alcançar uma produção sustentável e o respeito aos 
direitos legítimos dos trabalhadores. «. Ele exorta a empresa a aproveitar a 
oportunidade para dialogar: ou seja, o sindicato pede ao empregador que aceite 
falar com eles, mas ainda não conseguiu nada.

Nova reunião para retomada das negociações As sessões estão previstas para 
começar no dia 24 de dezembro para discutir as demandas de aumento salarial, a 
melhoria das condições de trabalho na mina, a questão da contratação e 
contratação de trabalhadores e um compromisso do gestão a respeitar o direito de 
associação e não demitir grevistas.

Os mineiros mostraram coragem e força exemplares ao ocupar sua mina a 700 metros 
de profundidade, em condições perigosas para sua saúde. Esperançosamente, eles 
não serão traídos pelos sindicatos novamente nas negociações.

Entretanto, vamos dar-lhes todo o apoio que pudermos. Por exemplo, enviando 
e-mails para o endereço CMT para solicitar:

- Respeito e dignidade aos mineiros, únicos criadores de riquezas do CMT.

- Salários dignos que lhes permitem ganhar a vida, para todos os funcionários, 
seja qual for a sua situação.

- Condições de trabalho dignas, de acordo com as normas internacionais de 
segurança dos trabalhadores e do meio ambiente.

- Respeito pela liberdade de associação e expressão, bem como pelo direito à greve.

Companheiros solidários em ambos os lados do Mediterrâneo

Para entrar em contato com o endereço da empresa:

Fax: + 212 (0) 5 22 78 68 71
Email: siege.cmt  cmt.ma
Telefone: +212 (0) 6 61 31 32 95 / (0) 5 22 78 68 61

https://iwa-ait.org/node/922


Mais informações acerca da lista A-infos-pt