(pt) Icl-cit: Nas ruínas do inferno do século XXI vamos celebrar a festa mais linda! Autor Faktengebunden (ca, de, en, it) [traduccion automatica]

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Sábado, 19 de Dezembro de 2020 - 11:56:15 CET


Temos que chamar as coisas pelo nome, os centros de acolhimento de refugiados e 
migrantes na Grécia são lugares de miséria e barbárie. As pessoas ficam lotadas 
lá nas condições mais adversas, a comida não é comestível, a limpeza e a higiene 
são impossíveis, faltam médicos e remédios, todos os dias as pessoas são 
perseguidas, espancadas e torturadas pela polícia, às vezes até a morte. O 
inferno de Moria, iluminado por um breve momento pelas chamas que engolfaram o 
campo, é apenas uma das muitas misérias espalhadas por todo o território do 
estado grego, onde o valor da vida se extinguiu. ---- É o mesmo se eles chegaram 
à Grécia como migrantes ou como refugiados de guerra, as pessoas que se deslocam 
entre os campos, os centros de acolhimento e a sociedade são as mesmas que 
trabalham sem seguro por algumas migalhas no campo, na construção, como 
faxineiros e em outros empregos semelhantes. Eles fazem parte da classe 
trabalhadora multiétnica global que está sob ataque permanente. É dever do 
movimento trabalhista e sindical na Europa fazer com que a cessação de todas 
essas misérias seja uma prioridade. O capitalismo e os estados estão 
desencadeando guerras com o objetivo de obter cada vez maiores benefícios para os 
patrões, restringindo a liberdade de circulação das pessoas com o auxílio das 
leis e, portanto, criminalizando a migração antes legal. Eles exploram 
permanentemente migrantes sem documentos e refugiados que vieram para os países 
ocidentais como mão de obra barata, sem direito a voto, e os trancam em campos 
miseráveis. Estas misérias dos nossos dias são financiadas pela União Europeia, 
que ao mesmo tempo cria o quadro jurídico para que os refugiados não saiam da Grécia.

Desde março de 2020, a pretexto de uma pandemia, o Estado grego faz vista grossa 
aos migrantes dentro e fora dos centros de acolhimento, pois supostamente trazem 
doenças e propagam o coronavírus. O governo tranca os refugiados em centros de 
recepção, onde as medidas de controle de infecção não podem ser aplicadas e não 
há acesso a cuidados médicos. As medidas de quarentena, que foram estendidas até 
outubro, também estão transformando as instalações abertas em centros de detenção 
de fato fechados. A legalização da detenção de refugiados nessas favelas prolonga 
o estado de emergência que lhes foi imposto. Do novo Moria sendo construído em 
Kara Tepe, em Lesbos, aos campos de Amygdalesa, bem como aos bairros atenienses 
de Eleaionas e Petrou Ralli, Lutemos pela abolição dos campos, sejam abertos ou 
fechados. Este é o nosso dever para com nós mesmos, para com nossa classe e para 
com a humanidade.

Apelamos a todas as organizações anarco-sindicalistas da Europa e do mundo para 
que se juntem à luta pelo encerramento dos campos e outras instalações de 
acolhimento semelhantes para refugiados e migrantes. Vamos educar todos os 
trabalhadores de nossos países sobre este crime de direitos humanos de hoje e 
organizar eventos e manifestações. Vamos falar sobre como coordenar um dia global 
de ação contra os acampamentos. Vamos lutar contra as guerras e o racismo e até o 
fim de todas essas misérias.

Por um mundo de liberdade, igualdade e fraternidade!
O navio não está cheio!
Contra todos os campos!
Documentos para migrantes, asilo para refugiados!

ESE · Grécia

https://www.icl-cit.org/we-will-celebrate-the-most-beautiful-feast-on-the-ruins-of-the-21st-centurys-greatest-hell/


Mais informações acerca da lista A-infos-pt