(pt) France, Union Communiste Libertaire UCL - Comunicado de imprensa UCL, Nagorno Karabakh: contra os nacionalismos, pela autodeterminação dos povos (de, en, fr, it)[traduccion automatica]

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Terça-Feira, 1 de Dezembro de 2020 - 08:35:53 CET


Após várias semanas de conflitos militares, um acordo de cessar-fogo foi assinado 
entre o Azerbaijão e a Armênia. Este acordo, que entrou em vigor em 9 de novembro 
e presidido pela Rússia, confirma as conquistas territoriais do exército do 
Azerbaijão, que agora controla vários distritos ocupados por vinte e cinco anos 
pelo exército armênio. ---- A guerra mudou com a captura pelo exército 
azerbaijano de Shushi, uma cidade importante em Nagorno-Karabakh. A população 
azeri desta cidade foi expulsa durante a guerra de 1990-1994, era um objetivo 
militar estratégico e simbólico para os nacionalistas azeris. Este conflito é 
herdado das políticas do início da URSS. A divisão das ex-repúblicas socialistas 
visava fomentar as tensões nacionais internas, facilitando seu controle. Daí a 
anexação ao Azerbaijão em 1921 de Nagorno Karabakh com uma maioria armênia. Essas 
tensões foram reavivadas em particular após a dissolução da URSS em 1991, dando 
origem a pogroms anti-armênios e uma guerra travada pelo estado do Azerbaijão em 
reação aos movimentos de independência na região superior. -Karabakh. Se o 
resultado do cessar-fogo for usado, por um lado, para vingar o nacionalismo na 
Armênia e, por outro, pelo regime ditatorial do Azerbaijão para se glorificar, 
outros interesses também estão em jogo. As potências imperialistas na região 
também estão envolvidos no conflito. Como a Rússia, ou mesmo o Estado turco que 
forneceu armas jihadistas e mercenários ao exército azerbaijano, a fim de 
aumentar seu peso na região como parte de sua política expansionista.

O nosso apoio vai aos povos, às classes populares que sofrem com a guerra, que 
contam os seus milhares de mortos e aos refugiados azeris e arménios. Também 
trazemos nossa solidariedade aos ativistas pacifistas e internacionalistas que se 
opõem à guerra, expondo-se à repressão. Mais do que o modelo do Estado-nação que 
oprime as suas minorias nacionais, promovemos o federalismo libertário que nos 
parece permitir a coexistência de múltiplas culturas e a sua mistura, sem que uma 
única seja imposta aos indivíduos por um poder político.

Contra a guerra alimentada pelo nacionalismo e pelos interesses imperialistas, 
pela autodeterminação dos povos !

A comissão internacional da UCL

https://www.unioncommunistelibertaire.org/?Haut-Karabakh-contre-les-nationalismes-pour-l-auto-determination-des-peuples


Mais informações acerca da lista A-infos-pt