(pt) A.N.A. [Espanha] Ecofeminismo e revolução social Por Elena Martínez (en)

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Domingo, 9 de Agosto de 2020 - 08:29:23 CEST


Nestes dias que escrevo, acabo de plantar minha pequena horta e observo as folhas dos tomates, os pimentões, as abobrinhas e as acelgas, um 
pouco murchas nos vasos, como se estiram e reverdecem já na terra quando as rego. Me vem à cabeça conceitos como soberania alimentar, 
ecofeminismo, Rojava. São dias estranhos e observar esta hortinha pequena e vê-la crescer, me ajuda também a suportar melhor esta situação 
que parece que nunca acaba. É como apegar-se à vida, como se esta pequena experiência me fizesse sentir mais intensamente esse vínculo tão 
importante com a terra e com o resto da humanidade. ---- Já faz 44 anos que surgiu o termo Ecofeminismo. E o criou uma mulher que também era 
anarquista: Françoise d'Eaubonne, filha de mãe aragonesa e pai anarcossindicalista francês, que em 1974 relaciona a preocupação pelo meio 
ambiente e a igualdade entre homens e mulheres como base de uma nova sociedade. Escritora e pensadora francesa que em seu livro "O feminismo 
ou a morte" introduz também o termo Falocracia. "A Falocracia está na base mesma de uma ordem que não pode senão assassinar à Natureza em 
nome do lucro, se é capitalista, e em nome do progresso, se é socialista". Nem mais nem menos.

O Ecofeminismo é um movimento global que vincula ecologismo e feminismo, denunciando a opressão para com as mulheres e a exploração da 
natureza e dos demais animais como parte da mesma lógica de dominação patriarcal.

Ecologia e feminismo ganham sentido no marco do devir atual com uma força impressionante. A Revolução Social de Rojava fundamenta seu 
ideário nestes princípios. Já não é tanto a questão de tomar os modos de produção, mas de mudá-los radicalmente. Em Rojava, são as mulheres 
as que organizam a vida. Crescem cooperativas, hortas comunais, experiências educativas, formas de organização novas. Sempre desde o 
respeito à natureza e o meio ambiente. Desenvolvem o pensamento coletivo em Jineology, a ciência das mulheres.

Ynestra King, companheira de instituto de Murray Bookchin foi quem lhe sugeriu a ideia dessa particular posição histórica das mulheres 
dentro desta forma de dominação do homem pelo homem. Desenvolve as ideias de Bookckin em um sentido ecofeminista. Organizou a primeira 
conferência ecofeminista em março de 1980 chamada "Mulheres e vida na Terra", onde se examinaram as conexões entre o feminismo, a 
militarização, a arte de sarar e a ecologia.

Também a ativista índia Vandana Shiva, em "Quem alimenta realmente o mundo?", aborda o conceito de "soberania alimentar" e aposta em 
explorar um modelo de justiça e sustentabilidade agrícola.

O direito dos povos a alimentar-se e a decidir o que querem produzir, se choca radicalmente com as políticas neoliberais que priorizam o 
comércio internacional. O sistema agrícola não busca alimentar as pessoas, mas produzir mais. Não contribuíram em absoluto a erradicação da 
fome no mundo. Ao contrário, incrementaram a dependência dos povos das importações agrícolas, e reforçaram a industrialização da 
agricultura, arriscando assim o patrimônio genético, cultural e meio ambiental do planeta, assim como nossa saúde.

O papel das mulheres em defesa do meio ambiente em lugares tão emblemáticos como a América Latina foi fundamental. Poderia inclusive 
dizer-se que neste lado do mundo se produziu uma feminização das lutas sociais. O movimento feminista na Argentina, ou nomes como o de 
Bertha Cáceres, feminista e ambientalista hondurenha, apontam alto no importante papel do Ecofeminismo para se organizar frente à nova ordem 
mundial que virá.

Os princípios da economia social tem o propósito de aumentar os recursos das sociedades em lugar de explorá-los, e os princípios de 
igualdade asseguram que a revolução será feminista ou não será.

No entanto, isto não significa converter-nos em salvadoras do mundo, nem voltar ao conceito primitivo da volta ao lar da mulher, nem a uma 
mística da maternidade. Muito ao contrário. Queremos participar em igualdade, construindo paz. É a socialização atual a que nos inunda de 
papeis de gênero: as tarefas domésticas, os cuidados. Não há nada que impeça que os homens desenvolvam capacidades para estas tarefas com 
tanto ou mais acerto e carinho que qualquer de nós. É tão somente o discurso do poder que adapta os gêneros a seu capricho e em função de 
seus interesses. Se pretende pôr a ênfase no individual frente ao coletivo, em competir em lugar de compartilhar e de cooperar, mas esse não 
é o caminho.

O aquecimento global e suas consequências deveriam fazer-nos reagir e pôr mãos à obra. Buscamos uma vacina que nos proteja do COVID-19, mas 
estamos acabando com a biodiversidade, derretendo os polos, perdendo espécies animais e sementes, queimando nossos bosques e selvas, 
fumigando com pesticidas, aniquilando todas as proteções naturais. Ainda expostos a novos vírus e a catástrofes de todo tipo, se impõe o 
domínio patriarcal e o capitalismo de consumo que exploram sem medida os recursos naturais, os animais e as pessoas.

Se caminhamos para o colapso, mais tarde ou mais cedo estaremos nele. Ou abandonamos este modelo de domínio e exploração ou estaremos 
expostos ao desastre. Observemos por exemplo as tarefas nas quais ocupamos nosso tempo. Deslocamentos longos e desnecessários que implicam 
maiores níveis de estresse, elevada contaminação e esgotamento de recursos, obsolescência programada, dependência tecnológica, consumo 
exacerbado.

O Ecofeminismo propõe uma reformulação de tudo o que entendemos por trabalho e vida. Os trabalhos cotidianos de hoje em dia não servem para 
manter-nos vivas nem com melhor qualidade de vida, muito pelo contrário, assistimos à degradação da vida.

Não podemos ficar impassíveis. Os anarquistas sabemos muito bem que se nos organizamos podemos conquistar o impossível. Não temos que 
demonstrar nada, só mostrá-lo. As coletividades surgidas em 36 são um exemplo de Revolução Social que emocionou o mundo. Agora nosso olhar 
se tinge de roxo e se alimenta de vida. Por isso entre nossas mensagens, entre nossas linhas, também se infiltra essa palavra que, como 
tantas outras, pôs o Eco na frente. Ecofeminismo. Ecologia e Feminismo. Dois ingredientes que nos mostram um horizonte novo. Como em Rojava. 
Só temos que passar à ação.

Fonte: Jornal CNT nº 424, Julho-Setembro 2020

Tradução > Sol de Abril

agência de notícias anarquistas-ana


Mais informações acerca da lista A-infos-pt