(pt) cab anarquista: Internacional - Solidariedade com a luta do povo mapuche

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Sábado, 8 de Agosto de 2020 - 07:26:11 CEST


Solidarizamos com a luta do povo mapuche, que vive atualmente mais um episódio de perseguição e repressão por parte do racista e colonial 
Estado do Chile, junto com grupos de extrema direita. ---- Há mais de 90 dias, cerca de 30 presxs políticxs mapuche se encontram em greve de 
fome, exigindo a liberdade imediata ou mudança nas medidas cautelares considerando o contexto do Covid; a revisão dos processos judiciais em 
virtude do devido processo; o fim da criminalização do povo mapuche, da Lei Antiterrorista (herança do ditador Augusto Pinochet) e da 
aplicação do Convênio 169 da OIT (art. 7, 8, 9 e 10), cuja omissão do Estado coloca Machi Celestino Córdova em graves condições de saúde em 
decorrência de várias greves de fome motivadas pela negação da espiritualidade mapuche por parte do Estado e de suas instituições coloniais. 
Além disso, se exige uma resposta do Estado do Chile pelas mortes de Camilo Catrillanca, assassinado por agentes do Estado; por Macarena 
Valdés, assassinada por sicários de empresas extrativistas; por Alejandro Treuquil, assassinado em estranhas circunstâncias; por Brandon 
Huentecol,cujo corpo ainda aloja os tiros que polícias de forças especiais dispararam; e por séculos de violência sistemática e mortes de 
membrxs da comunidade mapuche (comunerxs) que, nos últimos anos, têm sido uma constante em todos os governos.

No marco desta mobilização e como forma de pressão ao governo de Piñera, diferentes comunidades mapuche iniciaram a ocupação de uma série de 
edifícios municipais na zona de Araucanía (Victoria, Collipulli, Galvarino, Angol, Curacautín e Traiguén). No sábado 1 de agosto, grupos 
fascistas e patronais armados, com a cumplicidade de agentes estatais, atacaram violentamente xs comunerxs mapuche, resultando em vários 
homens, mulheres e crianças gravemente feridxs. Imediatamente depois, a força policial prendeu 46 comunerxs que aguardam a ação da justiça 
racista chilena. Denunciamos a ação do novo ministro o interior do estado do Chile, Víctor Pérez (participante ativo da ditadura de Pinochet 
e defensor do Nazi Paul Schafer), como incitador e ideólogo desta violência, que, em sua visita alguns dias atrás ao território mapuche, em 
tom ameaçador e patronal, deu carta branca para que os grupos de ultradireita como APRA e "Paz na araucania" pudessem realizar esse covarde 
ataque com completa impunidade.

Como anarquistas, repudiamos todo ato de racismo, fascismo e colonialismo, e levantamos a reivindicação de autonomia e autodeterminação 
territorial de todo povo oprimido em luta.

Chamamos a solidariedade ativa com as comunidades em resistência do povo mapuche, que há mais de 500 anos vivem um conflito com os 
interesses econômicos capitalistas e coloniais que destroem e despojam seus territórios ancestrais. É hora de pôr fim à militarização, 
repressão e encarceramento das comunidades em resistência ao redor do mundo.

O RACISMO E O FASCISMO TÊM QUE SER ENTERRADOS JUNTO COM O CAPITALISMO E O PATRIARCADO! TODO NOSSO APOIO E SOLIDARIEDADE AO POVO MAPUCHE QUE 
LUTA CONTRA A VIOLÊNCIA POLICIAL E DOS ESTADOS!

Organização Anarquista Socialismo Libertário - OASL
20h ·
Comunicado Internacional: SOLIDARIEDADE COM A LUTA DO POVO MAPUCHE

Solidarizamos com a luta do povo mapuche, que vive atualmente mais um episódio de perseguição e repressão por parte do racista e colonial 
Estado do Chile, junto com grupos de extrema direita.

Há mais de 90 dias, cerca de 30 presxs políticxs mapuche se encontram em greve de fome, exigindo a liberdade imediata ou mudança nas medidas 
cautelares considerando o contexto do Covid; a revisão dos processos judiciais em virtude do devido processo; o fim da criminalização do 
povo mapuche, da Lei Antiterrorista (herança do ditador Augusto Pinochet) e da aplicação do Convênio 169 da OIT (art. 7, 8, 9 e 10), cuja 
omissão do Estado coloca Machi Celestino Córdova em graves condições de saúde em decorrência de várias greves de fome motivadas pela negação 
da espiritualidade mapuche por parte do Estado e de suas instituições coloniais. Além disso, se exige uma resposta do Estado do Chile pelas 
mortes de Camilo Catrillanca, assassinado por agentes do Estado; por Macarena Valdés, assassinada por sicários de empresas extrativistas; 
por Alejandro Treuquil, assassinado em estranhas circunstâncias; por Brandon Huentecol,cujo corpo ainda aloja os tiros que polícias de 
forças especiais dispararam; e por séculos de violência sistemática e mortes de membrxs da comunidade mapuche (comunerxs) que, nos últimos 
anos, têm sido uma constante em todos os governos.

No marco desta mobilização e como forma de pressão ao governo de Piñera, diferentes comunidades mapuche iniciaram a ocupação de uma série de 
edifícios municipais na zona de Araucanía (Victoria, Collipulli, Galvarino, Angol, Curacautín e Traiguén). No sábado 1 de agosto, grupos 
fascistas e patronais armados, com a cumplicidade de agentes estatais, atacaram violentamente xs comunerxs mapuche, resultando em vários 
homens, mulheres e crianças gravemente feridxs. Imediatamente depois, a força policial prendeu 46 comunerxs que aguardam a ação da justiça 
racista chilena. Denunciamos a ação do novo ministro o interior do estado do Chile, Víctor Pérez (participante ativo da ditadura de Pinochet 
e defensor do Nazi Paul Schafer), como incitador e ideólogo desta violência, que, em sua visita alguns dias atrás ao território mapuche, em 
tom ameaçador e patronal, deu carta branca para que os grupos de ultradireita como APRA e "Paz na araucania" pudessem realizar esse covarde 
ataque com completa impunidade.

Como anarquistas, repudiamos todo ato de racismo, fascismo e colonialismo, e levantamos a reivindicação de autonomia e autodeterminação 
territorial de todo povo oprimido em luta.

Chamamos a solidariedade ativa com as comunidades em resistência do povo mapuche, que há mais de 500 anos vivem um conflito com os 
interesses econômicos capitalistas e coloniais que destroem e despojam seus territórios ancestrais. É hora de pôr fim à militarização, 
repressão e encarceramento das comunidades em resistência ao redor do mundo.

O RACISMO E O FASCISMO TÊM QUE SER ENTERRADOS JUNTO COM O CAPITALISMO E O PATRIARCADO! TODO NOSSO APOIO E SOLIDARIEDADE AO POVO MAPUCHE QUE 
LUTA CONTRA A VIOLÊNCIA POLICIAL E DOS ESTADOS!

? Coordenação Anarquista Brasileira - CAB
? Federación Anarquista Uruguaya - FAU
? Federación Anarquista de Rosario - FAR (Argentina)
? Organización Anarquista de Córdoba - OAC (Argentina)
? Federación Anarquista Santiago - FAS (Chile)
? Grupo Libertario Vía Libre (Colombia)
? Union Communiste Libertaire (Francia)
? Embat - Organització Llibertària de Catalunya
? Alternativa Libertaria - AL/fdca (Italia)
? Die Plattform - Anarchakommunistische Organisation (Alemania)
? Devrimci Anarsist Faaliyet - DAF (Turquía)
? Organisation Socialiste Libertaire - OSL (Suiza)
? Libertaere Aktion (Suiza)
? Melbourne Anarchist Communist Group - MACG (Australia)
? Aotearoa Workers Solidarity Movement - AWSM (Aotearoa / Nueva Zelanda)
? Zabalaza Anarchist Communist Front - ZACF (Sudáfrica)
? Anarchist Unión of Afghanistan and Iran - AUAI
? Workers Solidarity Movement - WSM (Irlanda)
? Bandilang Itim (Filipinas)
? Anarchist Federation (Grecia)

http://cabanarquista.org/2020/08/06/internacional-solidariedade-com-a-luta-do-povo-mapuche/


Mais informações acerca da lista A-infos-pt