(pt) France, Union Communiste Libertaire AL #304 - Ecologia, Pesticidas: Compromisso do governo com agroquímicos (1/3) (en, fr, it)[traduccion automatica]

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Terça-Feira, 28 de Abril de 2020 - 08:03:45 CEST


Diante de um governo que pretende operar um ponto de virada ecológico, deve-se demonstrar que, de fato e em particular no que diz respeito 
aos pesticidas, nada é feito. Este primeiro artigo destaca como o governo tentou apoiar os fabricantes de agroquímicos que queriam continuar 
produzindo pesticidas proibidos na Europa por causa de sua toxicidade, a fim de vendê-los massivamente no resto do mundo. ---- Vários 
pesticidas foram proibidos de serem utilizados na União Europeia há mais de dez anos devido à sua alta toxicidade. Entre eles estão 
atrazina, propisoclor, permetrina, nonilfenol etoxilado. A Syngenta, Bayer, BASF, Corteva e outros gigantes agroquímicos continuam a 
produzi-los, inclusive na França, para revenda na África e na América Latina. Uma prática denunciada pela ONU em seu relatório de 2017 sobre 
o direito à alimentação, como "uma violação dos direitos humanos" .

No entanto, esse comércio muito lucrativo arriscou ser prejudicado pela lei Egalim, adotada em 2 de outubro de 2018. Seu artigo 83 prevê a 
proibição, a partir de 2022, da produção, armazenamento e circulação de produtos fitofarmacêuticos que contenham substâncias ativas não 
autorizadas na Europa.

A União das Indústrias de Proteção de Plantas (UIPP)[1]entrou em contato com o Primeiro Ministro em 18 de novembro de 2018[2]. "O impacto 
econômico e social dessa medida na França será extremamente significativo, com mais de 2.700 empregos diretamente envolvidos em nossas 19 
unidades de produção espalhadas por todo o território" . Essa mesma carta especifica que, para certas fábricas, essas produções representam 
"até dois terços do volume de produção e da força de trabalho associada" .

O lobby de gigantes agroquímicos acaba valendo a pena. Em 11 de abril de 2019, quando a lei Pacte foi adotada, uma emenda votada com o apoio 
do governo revogou a proibição introduzida na lei Egalim. Isso é adiado para 2025 e estão previstas isenções. Mas, decepcionado, o Conselho 
Constitucional retomou esta alteração, considerando-a como um cavaleiro legislativo. Os fabricantes de pesticidas não param por aí. Eles 
protocolam uma Questão Prioritária de Constitucionalidade (QPC) denunciando um "ataque excessivo à liberdade de empresa protegida pela 
Declaração dos direitos do homem e do cidadão de 1789".

Patatras, porém, em decisão proferida em 31 de janeiro de 2020, o Conselho Constitucional rejeita o QPC e afirma que "a proteção do meio 
ambiente" pode justificar "ataques à liberdade de empreender" . Se esta decisão do Conselho Constitucional representa "um ponto de virada na 
jurisprudência" e abre a possibilidade de contestar atividades na França que tenham efeito no exterior, isso realmente não é graças a este 
governo.

Jacques Dubart (UCL Nantes)

Validar

[1] A UIPP é um sindicato de empregadores que reúne dezenove empresas, algumas das quais produzem pesticidas e sementes.

[2] Le Monde para 28 de janeiro de 2020.

https://www.unioncommunistelibertaire.org/?Pesticides-Compromission-du-gouvernement-avec-l-agrochimie-1-3-8635


Mais informações acerca da lista A-infos-pt