(pt) [Itália] Solidariedade sem fronteiras - Grupo de apoio mútuo By A.N.A. (en)

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Quinta-Feira, 23 de Abril de 2020 - 06:57:35 CEST


Este grupo foi pensado pelos companheiros e companheiras da Federação Anarquista Turinesa. Abaixo o texto de apresentação. ---- O que 
queremos fazer? ---- Criar pontes que não deixem sozinhos os mais frágeis, que permitam construir redes sólidas de apoio mútuo. ---- Nos 
querem isolados, divididos, desconfiados, impeçamos a difusão da psico-polícia, demonstremos que sobrevier à epidemia depende também de 
nossa capacidade de organizarmos, lutar, dar-nos sustento recíproco. ---- Te serve uma máscara? Não sabe, não quer, não pode pedi-la pela 
internet? Procure alguém que viva próximo a você e possa te ajudar. ---- Você está sozinho, é frágil e não consegue fazer suas compras? 
Assinala isso aqui: você poderá encontrar alguém que te dê uma mão e outro a quem você possa ser útil, por sua vez.

Você foi multado? Quer saber como fazer um recurso? Assinala isso aqui: poderá encontrar quem te dê as indicações precisas.

Você está refém de seu trabalho? Teme perder seu lugar se protestar porque não se sente seguro na fábrica, na oficina, no hospital? 
Organize-se junto as teus companheiros de trabalho e assinala na lista aqui sua luta. Se as mídias se calam, se os empreendedores te 
ameaçam, fazer saber o que acontece serve para que outros possam se mexer em solidariedade, para que o silêncio não facilite a repressão.

Tanta gente tem a febre mas está trancada em casa sem teste nem visita médica. Muitos têm medo para si e para quem vive com eles. 
Experimentemos fazer pressão coletiva para modificar a situação. Uma simples gota perde-se no mar. Muitas gotas podem desembestar uma 
tempestade.

Frente à epidemia é fácil encontrar-se frágil e incapaz de reagir. Especialmente se não somos mais tão jovens, fortes, se tememos pelos 
nossos entes queridos, pelas pessoas a quem desejamos bem. A realidade é duríssima. No coração do Primeiro Mundo, no centro da área mais 
rica do país, as pessoas adoecem e morrem sem cura adequada. Nos contam de ter feito o impossível, mas a verdade nos é contada pelos médicos 
de base que não conseguem internar nem ao menos quem está em condições desesperadoras. Todos sabemos como estão as coisas. Em tantas casas 
tem gente doente, que recebe indicações por telefone, sem oxigênio, teste, oxímetros: quem vive com os doentes arrisca adoecer e difundir o 
contágio.

Dizem que tudo está bem, mas cada dia morrem centenas e centenas de pessoas. De algumas pessoas nem ao menos sabemos: morreram em casa, sem 
que ninguém fizesse um teste a elas.

A quina que estávamos descendo nas últimas décadas tornou-se, de repente, precipitosa. Estamos reclusos em domicílio, submetidos a controle 
militar, vigiados por drones e apps. Prisioneiros, infantilizados, enquanto o barulho das ambulâncias dilacera o ar, estamos induzidos a 
acreditar de sermos responsáveis pela difusão irrefreável da morbidade, para esconder a responsabilidade de quem ontem e hoje está no 
governo do país e das regiões.

Esteja claro: garantir-se e garantir a segurança dos outros, com máscaras e permanecendo à distância, é necessário hoje: cada um de nós é 
responsável pelos próprios atos. Nós, anarquistas, sabemos bem: para nós a responsabilidade individual é o pilar de uma sociedade de livres 
e iguais.

Conte[primeiro-ministro da Itália]emite editos como um rei e os comunica em redes nacionais, enquanto as oposições limitam-se a dizer que 
precisa apertar ainda mais as malhas da reclusão domiciliar em massa a que estamos submetidos.

Prometeram esmolas e quem não consegue mais pagar as taxas, boletos, sabemos que estas contas serão somente adiadas.

Na periferia o medo e as fracas vendas fizeram com que tantos negócios de alimentação de vizinhança fechassem: é fácil prever que poucos 
reabrirão.

No entanto, tem quem não consiga fazer as suas compras: logo as esmolas do governo não bastarão.

A informação tem cada vez mais o caráter da correspondência de guerra, onde os inimigos são aqueles que fazem uma corrida ou vão a um 
supermercado mais distante.

Quem narra sua vida cotidiana em tempos de epidemia é ameaçado de demissão.

A cada dia a mídia alimenta a desconfiança irracional, a caça ao infectador.

Querem evitar que germine a semente da dúvida, que cresça e se reforce a planta da crítica. Todos nós estamos coletivamente privados da 
possibilidade de conhecimento e controle sobre a pesquisa, a experimentação, a escolha dos objetivos.

O Exército não está na rua somente para controlar os transgressores de normas que mudam a cada três dias: neste país há mais policiais que 
médicos. O Exército está nas ruas com os carros blindados porque poderia aparecer a dúvida em alguém se, nossas casas são os lazaretos onde, 
um depois do outro, adoeceremos todos. Em silêncio.

Alguém espera que acabe, imóvel. Ao invés, por mais que estejam distantes as margens, alguma coisa pode ser feita.

Devemos despedaçar a cadeia do isolamento, com solidariedade, o apoio mútuo, a construção de redes que nos tornem mais autônomos em relação 
ao instituído, mais capazes de trocar as informações sobre a vida cotidiana em tempos de reclusão domiciliar em massa, de fazer chegar uma 
máscara ou um pacote de macarrão onde sirva, de elaborar um teste coletivamente para quem está doente e fechado em casa.

FB: Solidarietà senza frontiere - Gruppo di mutuo appoggio

Tradução > Carlo Romani

agência de notícias anarquistas-ana


Mais informações acerca da lista A-infos-pt