(pt) France, Union Communiste Libertaire AL #303 - Internacional, Palestina: um plano de "paz" para anexação e capitulação (en, fr, it)[traduccion automatica]

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Segunda-Feira, 6 de Abril de 2020 - 06:35:49 CEST


Apresentado como "o acordo do século" por Donald Trump, o "plano de paz e prosperidade", divulgado em 28 de janeiro ao lado do 
primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu, deve resolver definitivamente o conflito israelense-palestino, sem nenhuma participação 
palestina e por reduzindo para quase nada. ---- O "plano de paz" apresentado por Donald Trump confirma a anexação de todos os assentamentos 
israelenses na Cisjordânia, no vale do Jordão e na contagem de Jerusalém declarada a capital indivisível do Estado de Israel. Mais uma vez, 
são suas terras, seus escassos recursos e seus lugares simbólicos que estão sendo tirados dos palestinos. Em troca ? Uma nova promessa de um 
estado dentro de quatro anos, territórios israelenses cedidos aos palestinos localizados no meio do deserto de Negev e uma capital palestina 
localizada em Abu Dis, distrito sombrio e sem litoral localizado a três quilômetros de Jerusalém, separado pelo muro de apartheid. Esse 
hipotético Estado Palestino não controlaria suas fronteiras terrestres, marítimas ou aéreas, e apenas túneis e pontes garantiriam 
"continuidade"»Geográfico. O plano também prevê o pagamento de US $ 50 bilhões aos palestinos se a Palestina reconhecer o caráter judeu do 
Estado de Israel, renunciar ao direito de retorno dos refugiados, abolir o pagamento de pensões às famílias prisioneiros e desarma o Hamas, 
que atualmente controla a Faixa de Gaza. Todas essas propostas violam todas as resoluções do Conselho de Segurança das Nações Unidas, da 
famosa resolução 242 (1967) à igualmente famosa resolução 2334 (2016).

Acabar com a causa palestina
Por trás dessas propostas da administração Trump estão ocultos os objetivos eleitorais. O primeiro é apoiar as promessas eleitorais de seu 
amigo Netanyahu, envolvido em vários processos legais e espancado por Benny Gantz nas eleições legislativas de setembro de 2019. O segundo é 
"livrar-se" de 260.000 árabes israelenses que vivem em uma das áreas que seria cedido ao futuro estado palestino. Mais uma vez, a ambição é 
eleitoral porque a lista unificada à esquerda, altamente valorizada pela comunidade árabe de Israel, ficou em terceiro lugar nas mesmas 
eleições e apoiou o rival de Netanyahu no segundo turno.

Acima de tudo, este plano confirma uma realidade, a de um apartheid muito real no Oriente Médio, que lembra cada vez mais o da África do Sul 
e seus "bantustões". Essas áreas sem litoral e protegidas destinavam-se a resolver os problemas políticos, sociais e demográficos do país, 
mantendo em um único território toda a população negra que não gozava dos mesmos direitos civis e humanos que a população branca. Esse 
projeto, amplamente condenado no mundo, provocou um boicote ao regime sul-africano.

Si la Ligue arabe, d'abord hésitante, a finalement rejeté le plan Trump-Netanyahou, les monarchies du Golfe, Arabie saoudite, Émirats arabes 
unis, Bahrein, Oman, ont entamé un processus de normalisation de leurs relations avec Israël qui va de pair avec la reddition des 
Palestiniens. Le pouvoir saoudien, particulièrement, a une stratégie, avec ses relais médiatiques et intellectuels, pour délégitimer la 
cause palestinienne et ainsi préparer l'opinion publique arabe à un revirement complet mettant fin à la solidarité traditionnelle, même de 
façade, avec ses revendications. Quant à l'Union européenne, elle l'a timidement et partiellement rejeté mais la France s'est distinguée par 
la voix de Jean-Yves Le Drian en saluant « les efforts du président Trump » qu'elle étudiera « com atenção" .

França elogia os "esforços" do presidente Trump
Finalmente, do lado palestino, Mahmoud Abbas, presidente da Autoridade Palestina, anunciou o colapso das relações com Israel e os Estados 
Unidos. Anúncio destinado a "salvar a face" de um governo criticado e considerado ilegítimo por grande parte da população palestina, mas 
impossível de implementar de
https://www.unioncommunistelibertaire.org/?Palestine-un-plan-de-paix-pour-l-annexion-et-la-capitulation


Mais informações acerca da lista A-infos-pt