(pt) France, Union Communiste Libertaire AL #297 - Ensaio: Repressão, o Estado enfrenta desafios políticos (en, fr, it)[traduccion automatica]

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Terça-Feira, 1 de Outubro de 2019 - 08:14:21 CEST


Zadistas, sindicalistas, estudantes, lançadores e denunciantes, ativistas ambientais, 
coletes amarelos, refugiados, jornalistas, anticapitalistas ou manifestantes simples são 
cada vez mais freqüentemente e severamente afetados por repressão. Não passa um dia sem 
que aqueles que contestam a ordem estabelecida enfrentem repressão, seja policial, 
judicial ou administrativa. ---- Além dessa observação, a repressão de Vanessa Codaccioni 
, O Estado diante dos desafios políticos , fornece uma melhor compreensão das formas que 
essa criminalização do protesto pode assumir e examina a lógica que está em ação nessa 
estratégia. O governo acelerou desde 2016 e a Lei do Trabalho. Através de cinco capítulos 
curtos e animados, o autor apresenta conclusões irrevogáveis. Um mecanismo duplo é 
reforçado com o empilhamento de leis repressivas, a última sendo a de 12 de março e com o 
objetivo de "manter a ordem durante as manifestações" .

Por um lado, o Estado deslegitima as lutas, despolitizando-as, ou seja, negando a natureza 
política dessas ações, principalmente (mas não apenas) quando são "violentas": os 
ativistas se tornam depois delinqüentes ou terroristas. O crime político se torna crime, a 
participação em um evento proibido se torna participação em um grupo para cometer 
violência contra propriedades e pessoas. Assim, é mais fácil para o Estado reprimir 
duramente não os manifestantes, mas os bandidos ... especialmente porque ele sabe contar 
com a grande mídia para retransmitir e manter essa despolitização.

E nessa lógica, é o arsenal policial e mobilizado o anticriminal e o antiterrorista, 
especialmente em termos de inteligência, vigilância e repressão preventiva. Se a proibição 
de manifestações é o exemplo mais flagrante, o uso maciço de brigadas anti-crime e 
brigadas de pesquisa e intervenção - e até o exército - nas operações de "policiamento" é 
a tradução mais concreta ... e a mais brutal.

Vanessa Codaccioni encerra logicamente seu livro sobre a necessidade de lutar para 
reconhecer as motivações políticas das pessoas reprimidas, apontando, no entanto, os 
riscos, no período, de levar a um "regime de exceção" e a uma repressão específica e não 
menos severa ... E - pode ser menos consensual em alguns círculos militantes - ela não 
esquece de apontar os perigos da diferenciação-priorização (política e outras) que se 
destacariam das outras vítimas da violência da Estado, e especialmente a classe 
trabalhadora e a juventude racializada.

FB (UCL Montreuil)

Vanessa Codaccioni, Repressão, O Estado diante dos desafios políticos , edições textuais, 
abril de 2019, 96 páginas, 12,90 euros.

https://www.unioncommunistelibertaire.org/?Essai-Repression-l-Etat-face-aux-contestations-politiques


Mais informações acerca da lista A-infos-pt