(pt) [Chile] Santiago: 33º & 34º dia de Revolta Social By A.N.A. (en)

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Quarta-Feira, 27 de Novembro de 2019 - 08:50:18 CET


21 de novembro de 2019 ---- Chegou a hora de saberem que não existe lei que respeitamos! 
---- O governo promete uma redução na metade do preço da tarifa de aposentados no 
transporte público e anuncia um aumento das "pensões básicas solidárias" (as mais baixas) 
em 50%, mas apenas para maiores de 80 anos e para aqueles com mais de 65 anos seriam 
aumentados em quantidades menores e gradualmente em dois anos. O anúncio foi tomado como 
uma gozação do poder. ---- O ministro da Saúde apaga as barricadas com benzina, afirmando 
que "Nosso sistema de saúde é um dos mais eficientes do mundo". Enquanto os suprimentos 
médicos são escassos nos hospitais. ---- Parlamentares são forçados a baixar seus salários 
pela metade devido à pressão social; seus honorários estão entre os mais altos do mundo.
A "Anistia Internacional" garante que no Chile os direitos humanos são violados. 
Descaradamente o governo, as forças armadas e de segurança rechaçam o relatório.

Durante a manhã, os sindicatos de educação e saúde tomam a Praça da Dignidade. Horas 
depois, no mesmo lugar, há novos confrontos entre encapuzados e lacaios. Um grupo de 
companheiras pratica a solidariedade e o apoio mútuo distribuindo máscaras antigás entre 
os manifestantes. Grupos de afinidade antiautoritária continuam a distribuir, jogando e 
colando propaganda anárquica principalmente na "linha de frente".

Entre o barulho dos gritos, as detonações de tiros, fogos de artifício e explosões de 
aerossóis pelo fogo, se escuta a banda "La Polla Records" em alto-falantes e mais longe 
encapuzados cantam "Ya no sos igual" de 2´.

Estudantes tomam a casa central da Universidade do Chile.

Um vídeo mostra encapuzados quebrando uma cerca de uma farmácia para libertar um cachorro 
trancado que uivava de dor, o lugar é desconhecido.

Pelo menos três pessoas, uma delas menor, denunciam que o "Shopping Arauco Quilicura" 
funciona como um centro de tortura da PDI (polícia de investigação). Os denunciantes 
chegaram nus, ensanguentados e separados a um serviço de emergência. Em resposta, uma 
marcha furiosa e vingativa partiu da Praça Comunal e chegou até o shopping, encapuzados o 
expropriaram coletivamente e incendiaram os objetos saqueados.

Pessoas não identificadas queimaram um ônibus de transporte público em San Bernardo e 
queimaram uma AFP (Administradoras de Fundos de Pensão) em Talagante.

Em Valparaíso, manifestantes tentam entrar pela força no Congresso sem sucesso. Expropriam 
coletivamente, entre outras lojas, uma de móveis e queimam uma concessionária de automóveis.

No porto de San Antonio, desconhecidos derrubam o busto de um "herói dos carabineiros" que 
estava em frente à prefeitura e o arrastam pelas ruas de bairros pobres.

Repulsivos atropelos intencionais são cometidos em Antofagasta, pelo menos seis pessoas 
ficaram feridas. A raiva transborda na cidade, fogo e fumaça tomam conta do ambiente. A 
polícia atira em tudo o que se move e duas crianças ficam feridas nos olhos, elas têm 
apenas 11 e 13 anos de idade.

Em Concepción, fazem barricadas impressionantes com paralelepípedos estilo "Maio de 68" e 
também no estilo "Hong Kong". A cidade da península vive um dos dias mais combativos desde 
18 de outubro.

A imprensa do capital quantifica em 130 ataques a diversas sedes da polícia. Na noite 
passada, manifestantes novamente tentaram atacar uma delegacia de polícia em Puente Alto e 
Peñalolen. Na última comuna, um drone persegue e identifica o domicílio de um indivíduo 
que disparou contra uma delegacia. Ele foi preso.

Desconhecidos continuam a tirar proveito das informações dos endereços da polícia vazados 
na internet e vão para uma vila em Puente Alto onde a maioria dos carabineiros vive. 
Picham e furam os pneus de oito veículos de militares.

A promotoria solicita a cada 24 horas uma lista das pessoas feridas em hospitais públicos 
e privados. As pessoas são investigadas com base em seus ferimentos e relatos. A chamada é 
para ir somente se for absolutamente necessário, a FECH (federação de estudantes 
universitários) atende feridas e remove balas de chumbinho na sua sede perto da Praça da 
Dignidade.

Na segunda-feira, 25 de novembro, grupos feministas convocam a grande marcha anual contra 
a violência patriarcal e lembram que o prefeito Felipe Guevara foi denunciado por 
violência doméstica.

Não vamos nos cansar de lutar...

VIVA A INESGOTÁVEL REVOLTA SOCIAL!

PRESOS E PRESAS DA GUERRA SOCIAL À RUA!

N.T.

Browse: Home / 2019 / novembro / 21 /[Chile]Santiago: 33º dia de Revolta Social
[Chile]Santiago: 33º dia de Revolta Social
By A.N.A. on 21 de novembro de 2019

20 de novembro de 2019

NÓS SEGUIREMOS NAS RUAS!

Por nossas avós, que nos pedem para não pararmos até que suas pensões aumentem.

Vamos continuar nas ruas! Pela memória de nossas mães que morreram esperando atendimento 
médico em hospitais públicos. Vamos continuar nas ruas! Pelas nossas irmãs que estão 
sufocadas pelas dívidas do CAE. Vamos continuar nas ruas! Pela defesa da natureza e do 
futuro de nossos filhos.

Vamos continuar nas ruas! Pelas nossas amigas violadas pela polícia com ou sem uniforme.

Vamos continuar nas ruas! Pelos nossos companheiros que morreram sonhando com a Anarquia e 
a Liberdade.

Vamos continuar nas ruas! Por amor a nós mesmos e nossa caótica alegria.

Que isso ecoe nos ouvidos de todos... Temos muita força e determinação!

Nossa primavera é insurgente!

O calor sufocante não é desculpa para os rebeldes que insistem novamente em invadir as 
ruas protestando. Motoristas de ônibus bloqueiam cruzamentos estratégicos de tráfego.

Em diferentes pontos da capital, são relatados confrontos, estudantes interrompem o 
tráfego de veículos em La Concepción com Providencia gerando caos e causando o fechamento 
de centenas de locais. Manifestantes atacam uma patrulha em Amunateguí com Alameda e 
evasões em massa ocorrem no metrô Universidade do Chile e Moneda.

Os tanques policiais aparecem na "Praça da Dignidade", ao entardecer, os encapuzados 
recuam para o bairro Bellavista, onde encontram um carro de patrulha que destroem sem 
contemplação. Os policiais dentro repelem o ataque com balas e duas pessoas são feridas 
pelos tiros de calibre 38.

Perto do parque Bustamante atacam a sede do partido político "Revolução Democrática".

Na cidade de Calama, um motorista de caminhão atropela intencionalmente dois policiais, 
não foge e é preso no local. Denunciam que o shopping "Puertas del Mar" de La Serena é 
usado como centro de tortura. Na mesma cidade queimam um Seremi de trabalho e o prédio de 
penhor de crédito.

Pedem o boicote aos supermercados "Unimarc" pela demissão de nove trabalhadores que se 
recusaram a trabalhar após as 19 horas para não comprometer sua integridade física quando 
voltam para casa. Pela mesma razão, vendedores de centros comerciais protestam 
ruidosamente sobre o horário de encerramento e os estudantes marcham dentro dos shoppings 
gritando slogans anticapitalistas e antirrepressão.

Chamam para se encontrar do lado de fora do shopping Costanera Center na sexta-feira, dia 
22, às 17 horas.

Os Barras Bravas[torcida de futebol]não aceitam o reinício do campeonato de futebol, e 
anunciam um boicote e protestos nas proximidades dos estádios. Os balões urbanos sofrem 
intervenções artísticas por toda a cidade, pintam-nos como se fossem olhos ensanguentados.

No Congresso, tramita uma acusação constitucional contra o Presidente da República e o 
parlamento, como rejeição, aprovam gastos reservados aos policiais por escassos 1000 pesos.

Uma gravação na internet mostra como uma multidão de venezuelanos sai de um prédio 
localizado em Las Rejas Norte, número 65, para perseguir e espancar manifestantes. Um 
conflito que pode ter sérias consequências no futuro. Coletivos antifascistas chamam para 
marcar uma presença maior nas manifestações.

Anarquistas continuam a espalhar suas ideias através de propaganda impressa e pichações, 
com citações de Durruti, Emma Goldman e Malatesta.

Em Madrid, chamam para evadir o metrô como um sinal de solidariedade com a Revolta local. 
Amanhã, 21 de novembro, é uma nova Greve Geral. E vamos com tudo para a rua!

Pela irmandade na guerra e por uma comunidade de luta!

PARA A LIBERTAÇÃO TOTAL!

N.T.

agência de notícias anarquistas-ana


Mais informações acerca da lista A-infos-pt