(pt) Federação Anarquista de Santiago: QUARTA COMUNICAÇÃO -- Um mês após a explosão social na região chilena, a Federação Anarquista de Santiago declara: (ca, en, it)

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Domingo, 24 de Novembro de 2019 - 08:18:43 CET


1- Faz um mês que as pessoas que habitam o território dominado pelo Estado do Chile se 
levantam em uma luta digna, as humilhações e as precárias condições de vida a que a 
burguesia nos submete foram respondidas com um surto social que Mantém seu eco até hoje. A 
vontade da classe oprimida é incansável, dia após dia, semana após semana; as praças, 
bairros, ruas e em toda parte são exercidas resistência e organização. As mobilizações 
continuam apesar da traição dos oportunistas habituais, que se sentaram mais uma vez à 
mesa da burguesia para concordar com nossas vidas, os povos mostraram a esses parasitas 
que não precisamos deles, que a luta continua mesmo que eles acertem nossa adaga nas costas,
2- A repressão do Estado e seus lacaios tem sido sangrenta. O terrorismo foi realizado com 
total impunidade e com cumplicidade de diferentes instituições, razão pela qual os números 
estão apenas aumentando. Hoje, mais de 6.000 pessoas foram presas, 222 pessoas que 
perderam os olhos por a repressão, quase trinta mortos, mais de 2.400 feridos, somados a 
centenas de torturados e presos e dezenas de pessoas que foram estupradas, reafirmando que 
o Estado de Exceção é permanente, e que sua política de guerra contra a classe oprimida é 
a melhor lição aprendida na Escola das Américas. Além do exposto, eles começaram a 
criminalizar aqueles que continuam resistindo nas ruas e os atacam com ataques, 
assembléias, Reclamações da Lei Antiterrorista Pinochetista e de Segurança Interna do 
Estado A caça às bruxas começou e o Estado está se preparando para realizar sua ofensiva, 
a prova disso é que o governo anuncia uma série de leis sobre repressão que vêm 
diretamente para atingir o protesto social e os povos em luta.

3- Um elemento importante tem sido o papel das Forças Armadas (FFAA). Estas foram 
deliberadas assim que tomaram decisões por si mesmas nas últimas semanas, a prova disso é 
que na terça-feira, 12 de novembro, no contexto da greve maciça que se espalhou por todos 
os territórios, o governo com sua cauda entre As pernas, em uma reunião em La Moneda, 
pedem mais uma vez às Forças Armadas que as ajudem a reprimir sistematicamente nossa 
classe; no entanto, estas pediram ao governo que garanta impunidade por crimes contra a 
humanidade que eles levariam a cabo contra os povos em luta, e, diante do medo liberal das 
responsabilidades políticas associadas a esta decisão, o governo decide não garantir esse 
pedido; portanto, as Forças Armadas decidem não sair, ridicularizando Piñera e seu sequito 
em uma cadeia nacional onde o blefe teve que chamar pacos na aposentadoria para colaborar 
na repressão. Longe de parecer engraçadas, achamos preocupante, as Forças Armadas estão 
deliberando e tomando decisões por si mesmas, portanto, seu projeto político assume 
relevância no cenário atual, um projeto que buscará a impossibilidade da atual casta 
política de estabelecer a ordem antes do surto. de uma saída política, intervir 
violentamente para restaurar a ordem burguesa em balas e vexações. Apelamos a comunidades 
alertas em luta, dada a possibilidade de o terror militar retornar às ruas, mas desta vez 
de uma intervenção mais radical.

4 - A casta política podre no antigo Congresso Nacional começou a partir do ponto anterior 
para fazer acordos políticos para avançar em direção a uma nova constituição. Os partidos 
da ordem, da esquerda para a direita, deram as mãos em dois dias de negociações antes que 
a corrida de uma possível intervenção militar tentasse dar uma solução política rápida 
para a crise. Dos salões de opulência, nasceu o infame "Acordo de Paz Social e a Nova 
Constituição", enquanto as comunidades em luta comemoravam o assassinato de Peñi Camilo 
Catrillanca nas mãos do Estado há um ano no Wallmapu, nos cantos do palácio. saiu fumaça 
branca, que procurava obscurecer a visão da classe oprimida, concordando com o sangue de 
nossos mortos, prisioneiros, mutilados, torturados e violados. Procuraram amordaçar a 
inextinguível resistência dos povos em luta, buscaram concordar com o nome daqueles que 
resistem, sem representar no mínimo os interesses do sujeito. Seu acordo para uma nova 
constituição não é mais do que denunciamos desde o comunicado anterior, ou seja, uma 
maneira de oxigenar sua democracia com um cheiro de lágrima, a fim de lançar as bases de 
um novo Estado, que continuará cumprindo seu papel histórico de oprimir comunidades que 
lutam contra a ordem burguesa e seu sistema de dominação. Qualquer que seja o mecanismo 
pelo qual a constituição será alterada, a última apenas reconstrói o Estado, o problema 
não é a participação, o problema é a classe. Esse processo só vem endossar a ordem burguesa,

5- A un mes de lucha hemos ganado muchísimo, nos hemos reencontrado como clase oprimida, 
se ha regenerado a pulso el tejido social exterminado a partir los cruentos años de la 
dictadura de Pinochet, hemos recuperado un trocito de nuestras vidas. No obstante la 
precarización de la vida sigue intacta, por lo cual es tremendamente importante seguir 
movilizad  s para así conseguir mejoras a corto plazo, las cuales moralicen a los pueblos 
en lucha y le permitan enfrentar su existencia en condiciones un poco más dignas. Por lo 
cual es imprescindible seguir luchando por paralizar la agenda legislativa del gobierno, 
en donde se deben rechazar de forma inmediata el TPP-11, la Ley de Integración Social, y 
su Agenda Represiva. Por otro lado recuperar los derechos sociales, mediante la 
eliminación de las AFP, la derogación del Código de Aguas, Condonación Inmediata de las 
Deudas Universitarias, rebaja permanente de los servicios básicos, la rebaja de la Jornada 
Laboral y el Aumento del Sueldo Mínimo. Solidarizamos con l  s compañer  s que han sufrido 
la bestial represión, especialmente quienes hoy se encuentran en las cárceles afrontando 
complejos procesos represivos en donde se han invocado las mas terroríficas leyes del 
orden burgués.

6 - Por fim, exortamos os povos em luta a não serem seduzidos pelos truques das partes da 
ordem, a não negociar com os assassinatos e a não acreditar em sua falsa paz. Devemos 
permanecer mobilizados e fortalecer nossas organizações de classe, para consolidar o papel 
popular de sindicatos, federações e centros estudantis, assembléias territoriais, 
organizações de mulheres, dissidência sexual e feminista, comitês de amigos íntimos, 
coordenação de defesa da terra, água e territórios, organizações de povos ancestrais, etc. 
Que toda essa resistência é multiplicada e equipada com ferramentas organizacionais que 
vão para a nossa auto-libertação.

Para continuar a luta!
Fortalecer o Protagonismo Popular!
Enraizar o anarquismo!
Para construir a Comunidade Organizada!
Viva a luta dos povos!
Liberdade imediata para os prisioneiros do surto social!

FEDERAÇÃO ANARQUISTA DE SANTIAGO

https://www.facebook.com/permalink.php?story_fbid=466258884014782&id=143813436259330


Mais informações acerca da lista A-infos-pt