(pt) [Chile] Santiago: 24º dia de Revolta Social By A.N.A.

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Domingo, 17 de Novembro de 2019 - 08:43:33 CET


A estratégia do governo de desgastar os protestos não surtiu efeito, agora eles apelam 
para a divisão entre os explorados. Por todos os meios, eles tentam sensibilizar a 
população com o papo de que se as manifestações continuarem haverá diminuição dos salários 
e perda de mão de obra. Que a Revolta é uma coisa perigosa para as microempresas... O 
poder e a mídia incentivam a "proteção dos empregos" e a propriedade privada. Eles querem 
pressionar os mais pobres pelo medo, e fazer com que questionem os vizinhos para silenciar 
os protestos. A psicose dos "coletes amarelos" para proteger suas casas dos inimigos 
invisíveis muda-se para os bairros comerciais, onde trabalhadores tão oprimidos quanto os 
manifestantes os encaram com paus, pedras e até facões. Realizando um trabalho para a 
polícia que serve apenas aos poderosos e seus interesses.

A irrupção de encapuzados em alguns bairros de elite causou pânico nos setores mais 
privilegiados. Em Manquehue de Santiago ou em Reñaca de Viña del Mar, as pessoas loiras e 
endinheiradas se vestiram com odiosas "jaquetas amarelas" e se reuniram para defender seus 
estilos de vida e suas propriedades. Nas mãos carregavam tacos de beisebol, ferros, tacos 
de golfe e de hóquei, nas cinturas escondiam armas de fogo. Apesar das ameaças as 
barricadas eram erguidas em suas esquinas. A tensão entre os dois lados era total e a 
centelha que inflamaria a ira estava prestes a explodir.

O ponto mais alto desse confronto ocorreu quando os manifestantes tomaram as praias de 
Reñaca em um clima festivo, um homem saiu do veículo e atirou várias vezes contra o grupo, 
ferindo um deles na perna. O nome de quem usava a arma é John Cobin, gringo e supremacista 
branco, declarado adorador de Pinochet e do sistema neoliberal chileno. O evento gerou um 
caos total no balneário, a raiva transbordou e centenas de pessoas queimaram todos os 
ícones capitalistas do lugar.

Nem mesmo o adiamento do Teleton, uma das instituições mais queridas dos chilenos, 
conseguiu ofuscar a bela Revolta Social.

Na Praça Itália, renomeada como "Praça Dignidade" por rebeldes, menos pessoas se 
agruparam. Entre aqueles que vieram para a "zona zero" havia um anônimo que distribuiu 500 
óculos de proteção entre os manifestantes.

A maioria dos insubmissos no fim de semana participou de atividades de bairros e 
assembleias territoriais, onde recolheram suprimentos médicos para atender os feridos.

Centenas de ciclistas se auto-organizaram e pedalaram até a Clínica Santa María para 
demonstrar solidariedade a Gustavo, o jovem de 21 anos que foi atacado com balas de 
chumbinho e ficou ferido nos dois olhos, ficando cego.

Em Colina, desconhecidos atacaram e incendiaram o Tribunal local.

Hackers criaram um aplicativo com os endereços dos membros da polícia, seu vizinho pode 
ser um lacaio e cheira no ar o que vai acontecer. Golpe por golpe devolveremos sua repressão!

Há 4500 detidos durante os 24 dias de confrontos, é preciso fazê-los sentir a nossa 
solidariedade dentro das grades.

Ainda estamos nas ruas, sem líderes nem partidos políticos. Organizando-nos de forma 
horizontal, autônoma e autogestionada.

SOMOS UM PERIGO PARA SUA ORDEM!

Sejamos a garrafa com benzina da Revolta Social!

É AGORA OU NUNCA!

N.T.

Conteúdo relacionado:

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2019/11/11/chile-santiago-22o-dia-de-revolta-social/

agência de notícias anarquistas-ana


Mais informações acerca da lista A-infos-pt