(pt) Coletivo Anarquista Luta de Classe [CAB]:[CAB]CARTA DE SOLIDARIEDADE ÀS COMUNIDADES ZAPATISTAS DO MÉXICO

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Terça-Feira, 12 de Novembro de 2019 - 07:46:49 CET


Irmãs e irmãos, aprendamos esta triste lição, por isso eu quis lutar sempre pela causa 
justa de quem já caiu, mas tem gente que não me entende: talvez por eu ser jovem umas 
pessoas nem vão entender e outras me rechaçam, mas eu decidi lutar e vou manter essa 
decisão mesmo que me custe a vida.” ---- (CompArte, Caracol Morelia, 2016) ---- Foi com 
alegre rebeldia que no dia 17 de agosto, nós da Coordenação Anarquista Brasileira (CAB) 
lemos o comunicado lançado pelos povos zapatistas através do Comitê Clandestino 
Revolucionário Indígena e da Comandância Geral do Exército Zapatista de Libertação 
Nacional (EZLN)[1]. A carta informa a decisão de romper o cerco estabelecido ao território 
zapatista desde os Acordos de San Andrés, de 16 de fevereiro de 1996, e avançar as áreas 
insurgentes, a partir das décadas de trabalho de base com as comunidades do entorno, que 
se juntam oficialmente ao território liberado. São 7 novos caracóis e 4 munícipios 
autônomos tomados de rebeldia [2]! Esse avanço na luta zapatista traz ventos de esperança 
insurgente para nossas lutas em todo o mundo e precisa ser envolta de solidariedade.

Em seus 25 anos de luta, os povos originários insurgentes que agora conformam o Zapatismo 
e o EZLN têm sido grande referência na resistência e organização anticapitalista. O avanço 
de seus caracóis e municípios autônomos é exemplo de que todo processo revolucionário é 
exercício de libertação gestado lentamente, lado a lado, desde a base, com autonomia e 
rebeldia.

Nós, anarquistas especifistas, prestamos solidariedade às companheiras e companheiros que 
firmemente propõem com independência outras formas de organização e luta social. Sabemos 
que o Estado sempre estará para representar os de cima impondo seus projetos neoliberais, 
genocidas e anti-povo.

Isso fica elucidado quando há um processo no qual o novo governo mexicano deslegitima e 
silencia toda forma de dissidência que não concorde com sua lógica 
desenvolvimentista/progressista/neoliberal, na figura do recém eleito presidente Andrés 
Manuel López Obrador (do partido MORENA), que diz estar ao lado das classes populares. Na 
lógica racista e voraz em que o Estado do México se coloca, vemos o avanço da 
militarização sobre os territórios autônomos zapatistas; o acobertamento e a impunidade 
dos crimes feitos por paramilitares (forças armadas não oficiais, como as milícias 
brasileiras); os ataques ao povo do estado de Guerrero; a perseguição, assassinato, 
encarceramento e sumiço de lutadoras e lutadores sociais que se solidarizaram com a luta 
dos povos oprimidos; o silenciamento de jornalistas; a falta de respostas pelos 43 
estudantes de Ayotzinapa; a continuidade e descaso com os gritantes feminicídios e 
violências machistas; a “sutil” deslegitimização e criminalização da luta zapatista pelo 
governo do México; o avanço de megaprojetos, como o trem Maya; e diversos ataques que vem 
acirrando o cerco aos povos que ousam sublevar-se contra os projetos neoliberais de 
destruição.

Por isso, nos solidarizamos com as companheiras e companheiros zapatistas e dizemos que 
sim, sua estrela vermelha arde em vários cantos do mundo! Somos centelhas fumegantes e 
construiremos solidariedade rebelde e internacionalista entre os povos. Seus cantos, 
artes, poesias e histórias rebeldes são chamas que pulsam em nossos corações. Dão a 
dimensão sensível de nossas lutas e nos colocam em constante processo de crítica e 
autocrítica, no esforço de descolonizar nossas lutas e fortalecer a cura de nossas feridas 
coloniais, tudo desde baixo e à esquerda.

Que o zapatismo avance e cresça ainda mais, inspirando a luta dos povos oprimidos de todo 
o mundo, como já tem feito desde o primeiro amanhecer de 1994. Somos muitas e muitos os 
povos oprimidos que expandem seus ruídos de autonomia e resistência em todos os cantos do 
mundo e, por isso, companheiras e companheiros, estamos juntas e juntos sem nos vender, 
sem nos render e sem vacilar!

“Somos rebeldía y resistencia. Somos uno de tantos mazos que romperán los muros, uno de 
tantos vientos que barrerán la tierra, y una de tantas semillas de las que nacerán otros 
mundos.”

SEGUIREMOS RESISTINDO DESDE A BASE E À ESQUERDA POR UM MUNDO ONDE CAIBAM MUITOS MUNDOS.

MÃO ESTENDIDA ÀS COMPANHEIRAS E COMPANHEIROS, PUNHO CERRADO AO INIMIGO!

[1] Comunicado do CCRI-CG do EZLN sobre o rompimento do cerco imposto pelo Estado do México


http://enlacezapatista.ezln.org.mx/2019/08/17/comunicado-del-ccri-cg-del-ezln-y-rompimos-el-cerco-subcomandante-insurgente-moises/

[2] Imagens e vídeos do rompimento do cerco e do estabelecimento de novos caracóis e 
municípios autônomos:

     http://enlacezapatista.ezln.org.mx/2019/08/31/imagenes-de-la-ruptura-del-cerco-i/


http://enlacezapatista.ezln.org.mx/2019/09/01/imagenes-de-la-ruptura-del-cerco-ii-y-ultimo-del-17-de-agosto-del-2019/

     Mais informações em: http://enlacezapatista.ezln.org.mx

https://anarquismopr.org/2019/10/06/cab-carta-de-solidariedade-as-comunidades-zapatistas-do-mexico/


Mais informações acerca da lista A-infos-pt