(pt) luta fob: [FOB-DF] Frente as eleições do SINPRO, uma outra campanha: a saída é pela base!

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Quarta-Feira, 22 de Maio de 2019 - 08:55:52 CEST


Núcleo de Trabalhadoras/es da Educação do Sindicato Geral Autônomo - SIGA, filiado à FOB. 
---- No final do mês de maio ocorrerão as eleições para o Sinpro-DF. Nós do SIGA/FOB não 
comporemos nenhuma chapa, apesar de não sermos contra a participação em eleições ou outras 
instâncias do movimento sindical, estudantil e/ou popular. Neste comunicado visamos trazer 
nossa análise acerca do processo eleitoral, da estrutura do Sinpro e das chapas inscritas, 
bem como trazer nossa proposta organizativa para o Sindicato dos Professores do DF. ----- 
As eleições no Sinpro são um mecanismo antidemocrático para a reeleição eterna dos 
burocratas ----- Por mais que seus diretores digam o contrário, o Sinpro é uma estrutura 
antidemocrática que tem como função colocar as lutas dos professores e orientadores sob a 
tutela do Estado burguês, tendo os burocratas sindicais como intermediários. As eleições 
são parte desta estrutura. Vejamos alguns motivos:

O processo eleitoral é obscuro. Para se informar sobre a eleição, tem que ir a fundo e 
buscar as informações, pois elas não estão de fácil acesso no site, tampouco no facebook 
do sindicato. O que aparenta é que nem estamos passando por um processo eleitoral! Isso 
impede a criação de um amplo debate sobre as propostas das chapas e torna a eleição 
despolitizada, acrítica e personalista.

Não existe previsão de debates entre as chapas, o que é um absurdo. O único debate que 
ocorreu nas eleições de 2016 foi organizado de forma autônoma pelo Comitê de Mobilização 
do Gama. Nessas eleições a base de Ceilândia/Taguatinga pressionou e a Comissão Eleitoral 
resolveu fazer um debate virtual. Mas isso ainda é insuficiente. Como é que as/os 
sindicalizadas/os vão escolher uma diretoria sem poder conhecer a fundo as propostas, nem 
poder questioná-las?

Uso da máquina pela chapa da reeleição. Durante o período eleitoral, a estrutura do Sinpro 
(sede, carros, telefones, jornal, fundos, etc.) continua sob o controle da diretoria, ou 
melhor, da "chapa da situação". Dentre os diretores, aqueles que são liberados do trabalho 
continuam liberados.

Repentinamente voltam as passagens em escolas, a confecção de jornais e informativos 
(supostamente "neutros", mas na verdade fazendo retrospectivas positivas e ufanistas da 
última direção sindical). Logo antes de se iniciar o processo, a direção do sindicato 
realizou assembleias regionais, festa no dia trabalhador e o "Sinpro nas praças". Estes 
momentos são uma pré-campanha disfarçada, paga com o dinheiro de toda a categoria.

Esses fatos são um escândalo para aquelas/es que defendem um sindicalismo democrático. 
Existem diversos sindicatos nos quais a comissão eleitoral é que fica responsável pela 
estrutura do sindicato durante o período eleitoral e a chapa da reeleição fica afastada da 
diretoria.

Regra do 1/3 e a reeleição eterna. Na fala dos diretores do Sinpro, este é o sindicato 
mais democrático da história do Brasil. Citam como exemplo a obrigatoriedade de renovar 
1/3 da diretoria a cada eleição. Chega a ser ridículo! Esta regra permite que 2/3 
concorram eternamente à reeleição. Ou seja, no Sinpro está montada uma estrutura para a 
perpetuação das/os burocratas no poder sindical. Existem sindicatos que limitam a 
reeleição individual, como o SINASEFE (servidores dos IFs, nacional) e o SEPE 
(profissionais da educação pública, RJ), por exemplo. É preciso seguir este exemplo e 
dizer em bom som: "Burocratas, de volta a sala de aula!".

Denúncias de fraudes. Durante as eleições do Sinpro, são constantes as denúncias de urnas 
fraudadas, listas irregulares, pagamento de fiscais feitos "por fora", candidatos 
laranjas, entre outros. A direção sindical e a comissão eleitoral deveriam zelar pela 
apuração das denúncias e eventual punição dos envolvidos. Entretanto, preferem ignorar as 
denúncias. Não havendo o interesse da diretoria apurar, os demais sindicalizados ficam sem 
mecanismos de o fazer dentro da estrutura antidemocrática do sindicato.

ANÁLISE DAS CHAPAS

CHAPA 1 - COM VOCÊ, POR VOCÊ
A Chapa 1 é a chapa da situação, ou seja, composta pela velha e conhecida burocracia do 
PT/CUT (Lida, Articulação, OT, CSD) e PC do B/CTB, que já estão no poder desde a fundação 
do sindicato, a 40 anos! As mesmas figurinhas carimbadas permanecem na diretoria e os 
diretores coadjuvantes fazem o rodízio para seguir o estatuto (regra do 1/3) e manter a 
aparência de que houve alguma mudança.

Há décadas que a CUT assiste impotente à terceirização da carreira assistência, à 
privatização (crescimento do setor particular, gestão por OS dos Centros de Primeira 
Infância, etc) e à enorme precarização do trabalho no setor particular. Esta central 
dirige os sindicatos de todos estes setores (Sinpro, SAE, Sindiserviços, Sinproep). A CUT 
também não tem resposta para a absurda contratação de "voluntários" como Educadores 
Sociais: trabalhadores que recebem metade de um salário mínimo, realizando um serviço para 
o qual não possuem, geralmente, a qualificação adequada.

Na carreira magistério público, apesar das conquistas no plano de carreira, estamos 
acumulando cada vez mais funções, o trabalho está se intensificando, as condições de 
trabalho estão cada vez mais precárias. Além do congelamento salarial de 5 anos. Para 
enfrentar tais problemas, só com muita organização por local de trabalho, coisa totalmente 
avessa à atual direção do Sinpro.

Na chapa da diretoria, o que podemos esperar é mais burocratização e nenhuma mudança 
efetiva na política. Cada vez mais enfraquecida perante a categoria, com um anseio de se 
manter no poder eternamente, a diretoria deve intensificar o peleguismo e a construção 
vertical do sindicato. Dar poder para a base é, para a atual direção do Sinpro, correr o 
enorme risco de não conseguir manter seus cargos e privilégios. Sendo assim, a 
centralização é sua aposta.

A chapa 1 certamente manterá inalterada a organização do Sinpro. As instâncias de nosso 
sindicato funcionam, na prática, da seguinte forma, de cima para baixo (veja o 
organograma): as correntes sindicais (da chapa 1) são o espelho de correntes partidárias 
(do PT e PCdoB). O partido dirige as correntes de maior poder na central. A central cria 
as diretrizes gerais para as confederações de ramo a ela filiadas. As confederações criam 
as diretrizes específicas ao ramo. As diretorias sindicais aplicam as diretrizes à 
categoria que dirigem. Para manter um verniz democrático, as decisões das diretorias 
passam pela assembleia geral da categoria, onde a diretoria tem diversos mecanismos de 
controle para garantir que seja aprovado o que for importante para si. No caso do Sinpro, 
abaixo da Assembleia Geral temos as Assembleias Regionais e as reuniões de Delegados 
Sindicais de Base (DSB) com a direção colegiada. O estatuto prevê ainda outras instâncias 
que, na prática, não existem. As Assembleias Regionais e reuniões de Delegados são 
instâncias informativas e consultivas, sem poder deliberativo nem executivo, onde a 
direção orienta as lideranças intermediárias a ela alinhadas sobre o que devem propagar 
nas bases, nos locais de trabalho. Assim sendo, o poder decisório vem todo de cima para 
baixo, e a base do sindicato não tem representação. Os delegados sindicais, na prática, 
têm a função de representar a diretoria perante a base, e não o contrário. Assim sendo, 
não temos organização por local de trabalho (OLT), um dos princípios fundamentais da 
antiga CUT dos anos 70/80 que foram abandonados em sua trajetória de adequação ao peleguismo.

CHAPA 2 - EDUCADORES EM LUTA
A chapa 2 é chefiada pelo PCO, apoiado por alguns setores do PT, todos eles ligados a 
correntes cutistas, assim como na chapa 1. Esta chapa tem como centralidade a anulação do 
golpe e da prisão do Lula. Esta seria, de acordo com eles, a chave para reverter os 
ataques à classe trabalhadora no Brasil. Não desenvolvem nenhuma alternativa organizativa, 
a não ser os comitês contra o golpe e pela liberdade de Lula. São árduos defensores do que 
entendem como democracia no nível macro (nacional) e tolerantes com a anti-democracia na 
nossa entidade de classe. Ou seja, no que concerne a propostas de reorganização do Sinpro 
tal chapa não traz nenhum grande divergência em relação à chapa 1.

CHAPA 3 - ALTERNATIVA
A chapa 3 é hegemonizada pela CSP-Conlutas, tendo o PSTU e alguns setores do PSOL (Luta 
Socialista/Unidos para lutar) como liderança. Em termos gerais, nem o PSOL nem o PSTU 
possuem um projeto de reorganização sindical. Em sua visão teórica, a crise de organização 
da classe trabalhadora é uma crise de direção. Assim, estes partidos direcionam os seus 
esforços para trocar as direções sindicais consideradas pelegas por outras, consideradas 
classistas. Infelizmente, a prática sindical da oposição PSTU-PSOL segue reforçando e 
legitimando os mecanismos e espaços burocráticos do Sinpro, sem construir, em todos esses 
anos, uma alternativa de auto-organização permanente das bases da categoria. Isso tem 
levado a própria oposição PSTU-PSOL a cair em todas as "armadilhas" da diretoria para 
ridicularizar, silenciar, naturalizar e cooptar (consciente ou inconscientemente) a 
prática e o potencial desse setor histórico de oposição ao Sinpro. Enquanto central, a 
CSP-Conlutas não possui uma linha de construção de entidades autônomas. Ela também segue 
os ditames do sindicalismo de Estado, reproduzindo as práticas e a trajetória da CUT.

Proposta de reorganização do Sinpro e dos trabalhadores da educação: A saída é pela base

Não existe "sindicalismo puro", neutro. Existem diversos modelos e concepções possíveis. 
Nós do SIGA/FOB defendemos a concepção de Sindicalismo Revolucionário (SR). Nesta 
concepção os trabalhadores devem estar organizados de baixo para cima, onde os sindicatos 
sejam espaços de auto-organização dos trabalhadores e devam exercer o seu poder de luta 
por demandas políticas, econômicas ou sociais (e não apenas por questões salariais e 
corporativas). Os sindicatos revolucionários são autônomos em relação aos partidos e 
empresas, pois acreditam que a mudança social será uma obra coletiva dos trabalhadores e 
não de elites políticas ou econômicas. Dessa forma, o sindicato deve se constituir, junto 
às demais organizações de classe, como um embrião da futura sociedade socialista. Para 
tal, o SR busca integrar as categorias de um mesmo ramo; no nosso caso, todas as 
categorias das atividades-fim e das atividades-meio da educação.

Reorganização: propomos a construção de um modelo Federalista composto pelas instâncias de 
base, desde as escolas (os locais de trabalho) até a unificação destas em âmbito 
distrital. As instâncias, organizadas de baixo pra cima, são: 1) Assembleias Escolares 
intercategorias (professores/as, orientadores/as, carreira assistência, terceirizadas/os 
da merenda, serviços gerais, vigilante), para discussão dos problemas e soluções das 
escolas e da educação, bem como para a eleição de Delegados, 2) Delegacias Sindicais 
Regionais que reúnem todas/os as/os delegadas/os sindicais eleitas/os nas escolas, como 
espaço organizativo e executivo das Regionais, 3) Assembleias Regionais como espaços 
deliberativos que reúnem todas/os as/os professoras/es daquela regional. Passando ao nível 
do Distrito Federal, das instâncias de menor poder às de maior poder: 4) Diretoria, como 
instância executiva, 5) Conselho Geral de Delegadas/os Sindicais, como espaço deliberativo 
superior à Diretoria, reunindo delegadas/os sindicais eleitas/os nas escolas, 6) 
Assembleia Geral como espaço deliberativo reunindo trabalhadores da educação do DF e 7) 
Congresso, como instância deliberativa de princípios, organização, estratégia e programa 
de luta.

Assim, propomos as seguintes medidas:

Medidas imediatas: realização obrigatória de debates públicos durante o processo 
eleitoral; destituição da direção que estiver disputando a reeleição durante o processo 
eleitoral (a estrutura do sindicato fica sob responsabilidade da comissão eleitoral); 
limite de 1 reeleição por indivíduo nos cargos do sindicato (direção, delegado de base, 
etc). Criação de um verdadeiro Fundo de greve: um fundo para amparar os trabalhadores com 
corte de ponto durante a greve, condição indispensável para lutar numa correlação de 
forças cada vez mais desvantajosa.

Medidas a médio prazo.

Primeira etapa: construir o núcleo de trabalhadores da educação do SIGA, sindicato que 
congrega vários ramos, filiando trabalhadores de todas as categorias da educação.

Segunda etapa: Ao atingir um volume considerável de filiados, desmembrar o núcleo, criando 
um Sindicato Autônomo de Trabalhadores da Educação (SATE), de acordo com a proposta 
organizativa explicada mais acima. O SATE buscará a filiação de todas as categorias da 
educação pública e privada, das atividades- fim e das atividades-meio, de todos os níveis 
no DF. Isto implica, automaticamente, a reestruturação dos demais sindicatos que, hoje, 
representam as categorias da educação isoladamente, para unificar todo o ramo no SATE. 
Este novo sindicato será uma associação e, como tal, não precisará se limitar às leis do 
sindicalismo oficial.

CONSTRUA O SIGA!

Se informe com as notícias do SIGA e da FOB-DF
Leia o Manifesto do SIGA
Conheça o Estatuto do SIGA
Entenda Por que a classe trabalhadora brasileira precisa de uma Federação Sindicalista 
Revolucionária?
Conheça os Princípios do Sindicalismo Revolucionário
Entenda Quais as diferenças do Sindicalismo Revolucionário em relação aos outros modelos 
de sindicalismo?
Saiba Quem somos nós e pelo que lutamos?
Conheça a História e origens do FOB
Conheça as Teses Programáticas da FOB: Tese 1 e Tese 2
E-MAIL: fob-df  protonmail.com
FACEBOOK: FOB-DF

https://lutafob.wordpress.com/2019/05/17/fob-df-frente-as-eleicoes-do-sinpro-uma-outra-campanha-a-saida-e-pela-base/


Mais informações acerca da lista A-infos-pt