(pt) [França] Conferência de imprensa na Livraria Publico por Floreal By A.N.A.

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Quinta-Feira, 16 de Maio de 2019 - 08:56:56 CEST


Seria incongruente retomar em coro o célebre refrão "eles vieram, eles estão todos lá", 
aplicado aos meios de comunicação, durante a conferência de imprensa à qual a Federação 
Anarquista os havia convidado na quinta-feira, 9 de maio, na Livraria Publico, sede dessa 
organização. Apenas o enviado do jornal 20 Minutes estava presente, de fato, apesar de uma 
centena de convites enviados à imprensa. Esta ausência foi ainda mais surpreendente porque 
há dois meses, vocês perceberam, os ditos meios de comunicação se mostraram hipersensíveis 
à questão da violência. Ou, eles lá estiveram para buscar matérias a escrever, pois aquela 
reunião foi dedicada à agressão à faca ocorrida em 2 de maio naquela mesma livraria. Leva 
a crer que a tentativa de assassinato de um militante anarquista pesa um pouco, 
jornalisticamente falando, à luz de uma suposta "intrusão violenta" de bárbaros prontos a 
finalizar em seus leitos de hospital doentes em sala de reanimação.

Foi, então, diante de militantes e de simpatizantes que ocorreu a conferência de imprensa, 
onde a Livraria Quilombo, a Livre-Pensamento e Alternative Libertaire estiveram igualmente 
presentes. O amigo Ramon relembrou o mais fielmente os fatos ocorridos, da agressão a ele, 
até a partida das equipes da polícia científica. Hugues por sua vez sublinhou o 
desinteresse manifesto da imprensa em relação a esse caso, lembrando que toda a mídia 
tinha, por exemplo, evocado a recente operação de militantes veganos contra um açougue 
parisiense, da qual a única vítima foi a tenda de carnes diversas oferecidas à clientela, 
de modos que nenhuma linha foi escrita até então sobre uma tentativa de assassinato. 
Hugues lembrou igualmente que se já aconteceu talvez de um agitador de extrema-direita 
entreabrir a porta da livraria e gritar um slogan estúpido antes de sair correndo, jamais 
uma agressão de uma tal gravidade ocorria desde o atentado à bomba, reivindicado pela OAS, 
que, em 3 de março de 1962, destruiu a livraria, então situada na Rua Ternaux, no XI 
distrito de Paris. Hélène lembrou que Publico não é uma livraria comum, como tantas pela 
cidade, mas sim a sede da Federação Anarquista, da Rádio Libertária e do jornal O Mundo 
Libertário, um lugar organizador de atividades militantes e culturais diversas, ponto de 
encontro de libertários da França e do estrangeiro de passagem por Paris.

As pessoas presentes debateram, com os animadores da conferência de "imprensa", a 
personalidade do agressor e suas motivações. Ato político ou de desequilíbrio? Sabe-se que 
o indivíduo em questão não proferiu nenhuma palavra antes, durante nem depois da agressão 
e sua fuga. Sabe-se igualmente que em torno de meia hora depois, o autor do atentado - 
supõe-se ter sido a mesma pessoa - telefonou à livraria e se exprimiu nesses termos: 
"Anarquistas fodidos, chamaram a polícia". Foi então possível supor que essa pessoa, por 
um lado, não tem apreço pelos anarquistas, e por outro, que ele permanecia nas imediações, 
após haver cometido a façanha de apunhalar um homem pelas costas.

Os animadores da conferência assinalaram que em momento nenhum tiveram informações quanto 
ao inquérito em curso, e que a Federação Anarquista recebeu grande quantidade de mensagens 
de simpatia e apoio tanto de individualidades quanto de organizações políticas, sindicais 
e culturais. Esperando o retorno de dois camaradas presentes no momento da agressão - o 
próprio agredido, Christophe, e também Laurent, o atendente da loja - os dois em choque, a 
livraria continua aberta, onde companheiros se sucedem para substituí-los temporariamente, 
e as várias atividades previstas estão mantidas.

Desejo, de minha parte, antes de tudo, um restabelecimento o mais rápido possível dos dois 
companheiros, Christophe e Laurent, e associo-me a todos os que de uma maneira ou de 
outra, condenaram esse ato particularmente nojento e manifestaram seu apoio a esse lugar 
indispensável que é a livraria anarquista Publico.

Tradução > Allyson Bruno

Fonte: 
https://florealanar.wordpress.com/2019/05/10/conference-de-presse-a-la-librairie-publico/

Conteúdos relacionados:

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2019/05/04/franca-agressao-na-livraria-publico/

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2019/05/06/grecia-rouvikonas-solidariedade-com-nossos-companheiros-da-federacao-anarquista-em-paris/

agência de notícias anarquistas-ana


Mais informações acerca da lista A-infos-pt