(pt) Baixe a publicação sobre o movimento dos Coletes Amarelos na França By A.N.A.

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Sábado, 11 de Maio de 2019 - 08:47:03 CEST


Coletes Pretos, Casacos Amarelos. Entrevistas com Anarquistas sobre o Movimento dos 
Coletes Amarelos ---- Introdução: ---- Essa publicação nasce da iniciativa de uns compas 
que moram no território controlado pelo Estado brasileiro e que, em janeiro de 2019 
quiseram entrevistar alguns anarquistas em relação ao movimento dos Coletes Amarelos. 
Trechos dessas entrevistas foram publicadas na revista Crônica Subversiva no número 3 e em 
breve no número 4. ---- A ideia era notadamente reflexionar no que pode aproximar o 
movimento dos Coletes Amarelos com o movimento de 2013-2014 no Brasil, durante o qual a 
raiva social também se expressou com manifestações massivas que não eram monopolizadas nem 
englobadas por partidos políticos ou sindicatos. É no seio dessas manifestações que os 
black blocs se fizeram conhecer no Brasil. Trabalhadores, estudantes, jovens das 
periferias e outrxs encolerizadxs, politizadxs ou não, tomaram as ruas e atacaram as 
representações do capital e do Estado. Essas manifestações permitiram o surgimento de 
diferentes iniciativas auto organizadas horizontais. Em Porto Alegre, além da ocupação da 
câmara municipal que durou semanas, surgiram também diversos espaços okupados que 
fomentaram a ação coletiva e a autogestão. Mais adiante, em 2015 e 2016, são os mais 
jovens que ocuparam as escolas durante meses, participando também de novas manifestações 
contra políticas neoliberais do então governo Temer.

Cinco anos após as "jornadas de junho", Jair Bolsonaro, fascista e vassalo do imperialismo 
norte-americano foi eleito democraticamente pelo "povo" brasileiro. Conseguiu conquistar o 
poder, de certa maneira, recuperando uma parte dos movimentos sociais e instrumentalizando 
um ódio do PT que tinha, de fato, decepcionado um grande número dos seus eleitores. Em 
finais de 2014, é um movimento de extrema direita que nasce, o MBL (Movimento Brasil 
Libre) que juntara monte de pessoas perdidas politicamente e que se consolidara como uma 
base para o futuro presidente aceder ao poder.

Se o movimento social de 2013-2014 no Brasil não é, em nada, responsável pela chegada ao 
poder de Bolsonaro, não conseguiu porém ser suficientemente efetivo para impedir o 
crescimento do fascismo no país, notadamente a partir de 2015.

Porém, a "herança" desses movimentos vive no coração de todos xs amotinadxs, todos os 
black blocs que, em determinado momento enfrentaram com tenacidade às forças da ordem e ao 
que os oprimem cotidianamente. Vive também nos futuros possíveis que a ação insurrecional 
permitiu entrever.Esses movimentos abriram as portas e formaram corpos e almas à ação.

O movimento dos Coletes Amarelos nos deixam ver também um país e seus representantes 
sacudidos por uma onda insurrecional que nos chama desde o outro lado do oceano. Estamos 
frente a um movimento heterogêneo e anárquico por essência já que nenhuma representação 
oficial do movimento é aceita por parte do corpo do movimento.

Pensamos que enquanto anarquistas é importante questionarmos algumas coisas, notadamente, 
qual é nosso papel no seio dos movimentos sociais? Como participar de um movimento sem 
soltar nossas convicções? E sem se transformar em vanguarda revolucionaria? Como difundir 
e compartilhar nossas ideias com pessoas que, à primeira vista, possuem visões do mundo 
completamente diferente, até contraditórias com as nossas? Criar o caos é nosso único 
objetivo?

Fala-se muito dos black-blocs nos últimos tempos na França, a mídia, os políticxs e a 
cidadania o fazem para mostrar uma distinção falsa entre Coletes Amarelos obedientes e 
respeitosos das leis e os extremistas ultraviolentos e minoritários. O que é claro nesse 
movimento é que, é muito complicado distinguir os casacos pretos típicos da tática 
anarquista black bloc dos numerosos coletes amarelos que chegaram nesse movimento sem ter 
sentido nunca a experiência dos distúrbios.

O levantamento dos Coletes Amarelos foi (e segue sendo) o encontro de muitas pessoas 
diferentes, com origens sociais e culturas políticas diversas, reunindo um monte de 
rebeldes à ordem estabelecida e uma raiva popular raramente expressada tão intensamente... 
O dia 16 de março deu lugar, ainda mais que em dezembro de 2018, a uma feliz mistura 
insurrecional de identidades políticas. A pichação da capa o resume bastante bem: Coletes 
pretos, Casacos amarelos. Não esqueceremos também que é na avenida dos Champs-Elysées, 
devastada pela quebradeira e pelos saques, que milhares de pessoas entoaram um slogan 
simples, mas prometedor: "revolução".

No que tange às entrevistas, a ideia que nos dão pistas e nos mostram como anarquistas 
participaram do movimento dos Coletes Amarelos em diferentes regiões do território 
controlado pelo Estado francês. Têm como objetivo provocar-nos, porque as posições e 
análises apresentadas são plurais e entram as vezes em contradição umas com outras. Em 
todo caso, nos convidam a tomar parte da ação insurrecional, reafirmam que frente à 
violência quotidiana de um Estado que acredita ser todo poderoso, a passividade e o 
pacifismo não são uma opção válida. Essas entrevistas não têm como objetivo construir 
posturas congeladas em relação ao movimento que ainda segue seu curso. Estão aqui para 
alimentar reflexões, reforçar as lutas e mostrar como os anarquistas podem 
participar/intervir em uma dinâmica insurrecional e revolucionaria, mas, confusa nas suas 
perspectivas políticas.

Realizadas por e-mail entre início de fevereiro e início de abril de 2019, são também 
capturas instantâneas de um movimento que faz ondas, ganha e perde em intensidade segundo 
os períodos e que parece ser mais imprevisível que outros movimentos conhecidos no 
Hexágono (França) essas últimas décadas. Escolhemos publicá-las na forma na qual chegaram 
até nós. Foram realizadas por escrito e por exemplo, decidimos de deixar a cada umx a 
opção de feminizar/ neutralizar/tirar o gênero das palavras ou não, à sua maneira.

Além disso, temos uma massa importante de documentos enumerados em relação ao movimento 
dos Coletes Amarelos (panfletos, textos de fundo, fotos, cartazes e também vídeos...) 
Esses arquivos estão ainda se constituindo e são obviamente para compartilhar. Se estão 
interessadxs, escrevam-nos! Idem pela tradução desse zine. Se têm vontade de traduzi-la em 
outros idiomas, contatem-nos!

Periferia de Paris e Porto Alegre, 10 de abril de 2019.

Enkapuzado & Zanzara Athée

>> Para baixar versão para impressão clique aqui:

https://dl.poivron.org/gxjf7qxl3eejtasoageq-mvdenw7qaodfx2ck

>> Versão para leitura clique aqui:

https://dl.poivron.org/vnmflzj7fls63xtmoobh-vb563j6vujjhtry4

agência de notícias anarquistas-ana


Mais informações acerca da lista A-infos-pt