(pt) luta fob: [RECC-MS] 1° DE MAIO DIA DE LUTA E ORGANIZAÇÃO: TRABALHADORAS E TRABALHADORES EM DEFESA DA APOSENTADORIA

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Terça-Feira, 7 de Maio de 2019 - 06:02:37 CEST


No dia 1° de maio de 1886, as trabalhadoras e trabalhadores de Chicago (EUA) que 
organizavam-se através do Sindicalismo Revolucionário iniciaram uma Greve Geral com 
grandes ações e manifestações nas ruas, e fruto de muita luta e organização, ergueram 
barricadas contra a exploração, reivindicando a defesa de melhores condições de trabalho e 
das 8 horas diárias de trabalho/lazer/descanso. A Greve Geral foi a semente para o 
crescimento de vários levantes populares em diversos territórios do mundo. A insurreição 
da classe trabalhadora foi duramente reprimida pelo Estado aliado aos patrões, com os oito 
camaradas Louis Lingg, Oscar Neebe, Adolph Fisher, August Spies, Albert Parsons, Michael 
Schwab, George Engel e Samuel Fielden, operários anarquistas, perseguidos, presos e 
mortos. Foram condenados à morte e assassinados pelas mãos do Estado em novembro de 1887, 
com a exceção do companheiro Neebe que foi condenado a 15 anos de prisão.

Sabemos que a luta da classe trabalhadora é internacional, e o Brasil foi um dos exemplos 
dos países para onde a semente de revolta popular germinou, na Greve Geral de 1917, que 
iniciou com 400 operárias e operários, a maioria mulheres, e logo agregou milhares de 
trabalhadoras e trabalhadores para lutar contra a exploração do trabalho, com jornadas 
extensas de 16 horas, e organizando-se em defesa lutando da jornada de 8 horas, pela 
garantia de emprego e aumento dos salários. Conquistando por meio da organização e da luta 
a proibição do trabalho infantil e pautando elementos que em breve estariam na CLT. É 
importante ressaltar que as primeiras greves gerais no Brasil foram construídas por 
levantes de trabalhadores negros escravizados, a exemplo da greve negra de 1857 na Bahia.

Enfrentamos hoje grandes projetos de exploração e genocídio do povo, como a aprovação da 
Lei da Terceirização (Lei n. 13.429, de 31 de março de 2017), a reforma trabalhista com a 
flexibilização das leis trabalhistas pautada como ajustes fiscais pelo governo de Dilma e 
aprovada como reforma trabalhista pelo governo Temer (PT-MDB), um projeto de maior 
precarização das condições de trabalho que prioriza a grande mentira de um "acordo" entre 
patrão e trabalhador(a), indo contra todos os direitos conquistados por meio da luta. A 
mentira da reforma trabalhista é desmascarada com o grande número de desempregados que 
atinge mais de 12,7 milhões de pessoas (dados do IBGE). E por fim, a reforma da 
previdência, que vai contra o direito do povo à aposentadoria, o aumento da idade mínima 
aumenta a superexploração dos/das trabalhadores e trabalhadoras, sendo as mulheres as mais 
prejudicadas, pois a maior parte das vezes possuem tripla jornada de trabalho.

Em Dourados, a RECC/FOB-MS esteve presente no bairro Canaã IV no 1º de maio, com a recém 
criada FAE (Frente Autônoma Estudantil), organização de estudantes da UFGD que surge 
agregando militantes independentes com perspectiva de luta frente ao falido 
parlamentarismo estudantil. Construímos o 1° de maio junto a associação de trabalhadoras 
domésticas, através de um círculo de conversa, articulação e propaganda, onde as 
trabalhadoras denunciaram a precarização do trabalho e o grande problema causado pela 
informalidade. A sete anos atrás foi conquistada com muita a luta a PEC das Domésticas, 
com a aprovação da Lei Complementar 150/2015, pautando a jornada de 8h por dia e 
conquistando o direito à hora extra. Ainda assim, 70% das trabalhadoras encontram-se em 
condições marcada pela informalidade. Em conjunto com a organização das companheiras, foi 
aprovada na reunião a participação das organizações estudantis e da FOB em evento a ser 
realizado dia 5 de maio, onde iremos debater junto a centenas de trabalhadoras a reforma 
da previdência, relembrando o 1º de maio e comemorando o dia das mães com a comunidade. 
Com isso, se abre uma frente de trabalho comunitária, onde o povo apresenta a construção 
de novos caminhos para a luta classista e combativa em nossa região. A FOB defende a 
construção do Sindicato Autônomo das Trabalhadoras Domésticas, que estão atualmente se 
organizando pela defesa de suas reivindicações.

Bem sabemos que todos os direitos conquistados pelo povo foi por meio da luta combativa. E 
a luta dos Mártires de Chicago por 8 horas de trabalho há 200 anos atrás, continua sendo a 
pauta das trabalhadoras domésticas no Brasil. Quem se beneficia com as reformas não é o 
povo, são os grandes empresários, patrões e bancos. Para o povo há um caminho, barrar as 
reformas e combater todos os privilégios daqueles que roubam e exploram as/os 
trabalhadoras e trabalhadores, e a organização desde a base pela construção da Greve 
Geral. Só a luta muda a vida, só através da luta organizada criaremos uma nova sociedade, 
sem opressão e sem exploração.

VIVA O 1° DE MAIO, DIA DE LUTA DA CLASSE TRABALHADORA!

VIVA OS MÁRTIRES DE CHICAGO!

ABAIXO A REFORMA DA PREVIDÊNCIA. LUTA COMBATIVA EM DEFESA DA APOSENTADORIA!

CONSTRUIR O PODER POPULAR!

OUSAR LUTAR, OUSAR VENCER!

GREVE GERAL JÁ!

AVANTE O SINDICALISMO REVOLUCIONÁRIO!

https://lutafob.wordpress.com/2019/05/05/recc-ms-1-de-maio-dia-de-luta-e-organizacao-trabalhadoras-e-trabalhadores-em-defesa-da-aposentadoria/


Mais informações acerca da lista A-infos-pt