(pt) cnt.es: [Espanha] Claro que me abstenho por Enrique Hoz By A.N.A. (ca, en, it)

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Sábado, 4 de Maio de 2019 - 12:05:22 CEST


Enquanto escrevo este texto falta menos de uma semana para as eleições gerais de 28 de 
Abril e, eu confesso, eu vi os dois debates que os quatro candidatos (Sanchez Rivera, 
Iglesias e Casado) tiveram no "Caixa Imbecil". ---- Não mencionarei os debates, exceto 
para recomendá-los a qualquer um que não tenha conseguido vê-los, porque algumas 
intervenções poderiam muito bem fazer parte de um programa antológico do Clube da Comédia. 
Nada aconteceu que eu não esperasse. Mais do mesmo, o "reality show" da política de 
poltrona, como de costume nas semanas que antecederam um plebiscito como o que nos espera 
no próximo domingo. ---- Minha intenção não é explicar por que eu vou abster-se de votar, 
e é cansativo, nesta fase da vida, mas quero salientar que mais cansativo é ouvir o já 
clássico sermão que deve ser responsabilizado por não sei que hecatombe aqueles que 
praticam a abstenção.

Esse tipo de nervosismo obedece à irrupção na cena do VOX[partido de ultradireita]. Teve 
que chegar em 2019 para que alguém soubesse que o espectro político conhecido como extrema 
direita existe no Estado. Há de se estar um pouco perdido por não saber que os toscos da 
Espanha Una, Grande e Livre estiveram por várias décadas tranquilamente acomodados na 
parte de trás do PP[Partido Popular, de direita]porque não tinham razões convincentes para 
serem vistos. Nos últimos anos, esses chauvinistas estatistas se somaram ao circo político 
graças a alguns meios de comunicação que normalizaram discursos supremacistas até que 
finalmente o impulso político gerado pela "tensão" entre Espanha e Catalunha estimulou o 
mais rabugento do espanholismo a irromper com o peito inchado e com ardor guerreiro desde 
que a Espanha Una, Grande e Livre que não se toca.

Neste contexto, os abstinentes vão ter uma responsabilidade direta, por isso queremos 
acreditar que várias poltronas do Parlamento estatal serão ocupadas pela extrema direita.

Que eu saiba, o VOX está pedindo votos, a partir do qual se pode deduzir, sem ser um 
analista político inteligente, que VOX pousará no Parlamento, eleito por quem votar nessa 
formação. No caso de que alguém ainda não saiba, cabe recordar que o VOX foi fundado em 
2013, o que resulta os pleitos eleitorais que participou foram insignificantes até que as 
eleições para o Parlamento da Andaluzia em 2018, em que obteve a aprovação de quase 
400.000 votos (6,29% dos votos no Censo Eleitoral). Esses quase 400.000 votos são aqueles 
que levaram o VOX a ocupar as cadeiras no Parlamento da Andaluzia, sem esquecer as 
facilidades da Lei D'Hondt transformando  6,29% dos votos sobre o Censo Eleitoral em uma 
representação parlamentar de 11%.

Em suma, as cadeiras do Parlamento vão se ocupar graças aos votos obtidos por cada 
formação, além de distorções das urnas, através da Lei D'Hondt que outorga uma repartição 
de assentos que não corresponde com o saldo total do Censo Eleitoral. Esclarecido isso, é 
hilário jogar a responsabilidade na abstenção como se aqueles que votassem não existissem 
ou como se o Sistema Eleitoral não fosse um truque.

Fonte: https://www.cnt.es/noticias/claro-que-me-abstengo/

Tradução > Liberto

Conteúdos relacionados:

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2018/12/17/espanha-sobre-as-eleicoes-na-andaluzia-e-o-avanco-do-fascismo-o-antifascismo-sera-anticapitalista-ou-nao-sera/

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2018/12/11/espanha-andaluzia-apos-as-eleicoes-da-andaluzia-contra-a-desmobilizacao-e-o-fascismo-organizacao-e-luta/

agência de notícias anarquistas-ana

https://www.cnt.es/noticias/claro-que-me-abstengo/


Mais informações acerca da lista A-infos-pt