(pt) luta fob: [FOB-PI] Lançamento do boletim “Combate”! (en)

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Quarta-Feira, 20 de Março de 2019 - 07:32:04 CET


Lançamos a segunda edição do boletim “Combate”, que agora representa o núcleo da FOB em 
Parnaíba. Baixe <aqui 
https://lutafob.files.wordpress.com/2019/03/combate-fob-002-parnac3adba-piauc3ad-1.pdf > 
ou confira as matérias na íntegra: ---- UMA MUDANÇA NECESSÁRIA ---- Ainda no passado, 
começamos a publicar o boletim “Combate” em Parnaíba. Naquela época, ele circulou como 
veículo de propaganda do Coletivo Autonomia e Luta (CAL) da UFPI. Após intenso trabalho de 
base, propaganda, debates, formações políticas e participação em atos e manifestações, a 
FOB em Parnaíba cresceu. Por conta disso, hoje o “Combate” representará todas as 
organizações filiadas à FOB na cidade. Por ele, levaremos a voz de milhares de 
trabalhadoras, trabalhadores e estudantes que aqui tentam sobreviver. O espaço também está 
aberto para grupos e organizações independentes, isto é, que não possuem ligações com 
partidos, políticos, governos e patrões.

SOBRE A GREVE DOS PROFESSORES DA FID
Desde o mês de Novembro do ano passado, professoras e professores do curso de História da 
Faculdade Internacional do Delta (FID), em Parnaíba, estão em greve. Nada mais justo, uma 
vez que os salários, já baixos, acumulam-se em consecutivos atrasos. Imagine só, trabalhar 
o mês inteiro e não receber seu salário! Como pagar as contas, que só aumentam na medida 
em que não são pagas? Como se alimentar? Como garantir a própria sobrevivência assim? É 
impossível!
Precisamos lembrar ainda da coragem destes docentes que, mesmo em uma faculdade 
particular, ousam lutar para garantir mínimas condições de trabalho, dando um grande 
exemplo de combate pelo que é nosso por direito.
Ao nosso ver, a causa disso está na ganância desenfreada dos tubarões da educação, que 
ganham rios de dinheiro por meio de programas como o FIES, e mesmo assim, não querem pagar 
seus funcionários!
Podemos observar que em outras crises desse tipo no Brasil, as faculdades são arrendadas 
por um grupo de empresários da educação ainda maior, que geralmente substituem o curso 
presencial por EAD. Os estudantes precisam ficar atentos, para que não se deixem enganar 
pelo processo de precarização do trabalho e da educação!
Diante disso, deixamos aqui nossa solidariedade e disposição para colaborar neste 
processo, dando nosso incondicional apoio a já histórica greve dos professores da FID!

ESTUDANTES DA UFPI PODEM NÃO RECEBER BOLSA ESSE ANO
A realidade da Universidade Federal do Piauí, campus Parnaíba (agora em processo de se 
tornar UFDPar) é de clima sempre instável. Vindo de uma sequência de cortes nos 
trabalhadores terceirizados e na assistência estudantil que já não é suficiente para a 
realidade dos estudantes, chega como um balde de água fria com o corte total da BAE (Bolsa 
de Auxílio Estudantil) para esse semestre.
Esta bolsa, de valor ainda baixo de 400 reais, serve como suporte para que diversos 
estudantes possam sobreviver, ainda que com dificuldades, enquanto enfrentam a jornada 
acadêmica. O processo de mudança de universidade acontece sem transparência, com um grande 
foco em construir prédios cheios de laboratórios e elevadores, mas nenhum interesse em 
garantir a permanência dos estudantes da classe trabalhadora na universidade.
Entendemos isso como um nítido processo de elitização da universidade, que é nossa. Sem 
bolsas, os filhos e filhas de trabalhadores e trabalhadoras dificilmente poderão continuar 
seus estudos, uma vez que as bolsas garantem que discentes não dividam-se entre algum 
trabalho de meio expediente (geralmente recebendo pouco e trabalhando muito) e os estudos.
Precisamos portanto lutar pela garantia dos auxílios estudantis, pela garantia da nossa 
permanência nesse espaço e a dos futuros estudantes. Precisamos construir uma Universidade 
a serviço do povo!

GREVE NA UESPI!
Entra ano, sai ano e a Universidade Estadual do Piauí continua sofrendo com sucateamento e 
corte de verbas. O governador Wellignton Dias( PT) está propondo uma nova reforma 
admirativa para tirar ainda mais da educação, levando a UESPI para o fundo do poço. 
Professores e estudantes estão construindo uma greve, para defender seus direitos.
No dia 27 de março em Assembleia da Adcesp, os docentes optaram pela greve no dia 18/03 e 
na primeira semana de aula haverá mobilizações. Nós da RECC defendemos uma greve dura, e 
autônoma, construída por professores e estudante. Mas não podemos esquecer da greve de 
2016, quando os alunos foram totalmente silenciados por pessoas que também participavam da 
greve, dizendo que as pautas estudantis eram “supérfluas”.
Nosso apoio a greve é inconteste, mas lembramos da necessidade de unidade das pautas, e 
para que episódios como o ocorrido em 2016 não mais aconteçam. Enquanto estudantes, 
precisamos apontar que estamos sofrendo cortes de bolsas estudantis e de programas de 
auxilio estudantil como o PIBIC PIBEU; além disso, cortes no auxilio alimentação e 
moradia. Até mesmo as monitorias remuneradas não existem mais. Isso significa que a UESPI 
fechará as portas para estudantes pobres, ou que moram em outras cidades; Muitos passam o 
dia todo na UESPI sem nem mesmo alimentação. Vivemos em situação de abandono, com desumana 
crueldade. Precisamos urgentemente propor ações e mobilizações, para conquistarmos e 
assegurarmos nossos direitos!
A UESPI, que deveria ser uma referência como polo de produção de conhecimentos é 
totalmente sucatedada: Desde Novembro de 2018 não temos material de limpeza, algumas salas 
de aula sem ar condicionado, carteiras quebradas, os carros, com documentos atrasados, não 
possuem sequer verba para o combustível. Nossa biblioteca, que deveria estar sempre 
atualizada, é defasada quanto aos materiais oferecidos, com pesquisas obsoletas e técnicas 
em desuso desde a muito tempo.
No dia 01 de março houve uma Assembleia com os estudantes, algo que gerou supressa foi uma 
Assembleia discente sendo convocada por professores. Nela, foi decidido que as pautas 
estudantis seriam colocadas junto a dos professores. Essa foi uma decisão dos alunos 
justamente pelo fato das pautas estudantis serem sempre colocadas como segundo plano.
A educação sempre é atacada pelos parasitas do povo, a nossa força é enorme, todos os 
direitos da classe trabalhadora, estudantil e das mulheres foram conquistados pelo povo 
com ação direta e organização, com muita luta, não foi nenhum algoz de livre e espontânea 
vontade que sancionou uma lei, foi a organização da classe trabalhadora cobrando por 
direitos que conseguiu alcançar suas reinvindicações politicas.

CALENDÁRIO DE ATIVIDADES DA FOB EM PARNAÍBA:
14.03.2019: Recepção dos calouros da UFPI + Debate sobre o Dia Internacional da Mulher 
Trabalhadora
15.03.2019: Formação política sobre o Sindicalismo Revolucionário
16.03.2019: Aula-treino do Comitê de Autodefesa das Mulheres e LGBTs

CONSTRUIR A FOB É CONSTRUIR UM NOVO FUTURO!
A Federação das Organizações Sindicalistas Revolucionárias do Brasil – a FOB (ex-Fórum de 
Oposições pela Base) é uma organização que reúne organizações de base, profissional e 
ocupacional de acordo com o seguintes ramos: Ramo da Educação, Ramo Estudantil, Ramo do 
Serviço Publico Federal, Ramo da Industria de Transformação e Ramo Agropecuário e 
Ambiental. As oposições ou organizações de base é um tipo organizativo informal que se 
opõe à tutela estatal e empresarial sobre o movimento estudantil, sindical e popular, 
tendo estrutura de organização e objetivos próprias que negam qualquer tipo de ingerência 
do legalismo, corporativismo e colaboracionismo.

Assinam o boletim: Comitê de Propaganda da RECC no Piauí; Coletivo Autonomia e Luta 
(CAL-UFPI) ; Rede Mídia Classista (RMC) ; Federação das Organizações Sindicalistas 
Revolucionárias do Brasil (FOB) – Núcleo Piauí

https://lutafob.wordpress.com/2019/03/13/fob-pi-lancamento-do-boletim-combate/


Mais informações acerca da lista A-infos-pt