(pt) Anarquistas italianos apoiam a greve geral das mulheres By A.N.A.

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Sábado, 9 de Março de 2019 - 10:24:08 CET


A Federação Anarquista Italiana (FAI) escreve sobre o motivo pelo qual estará se 
mobilizando a favor da iniciativa grevista global em 8 de março, em meio a uma atmosfera 
de reação que tem impulsionado reformas repressivas. ---- A Federação Anarquista Italiana 
apoia a greve feminista geral que marcará o 8 de março em muitos países do mundo. ---- Em 
vez de ser um mero ritual e ser feito por lógica puramente testemunhal, a greve é um 
momento necessário de ruptura para reforçar e destacar a luta contra todas as formas de 
discriminação, contra todas as formas de dominação que sujeitariam nossas vidas e nossos 
corpos. ---- Hoje, mais do que nunca, forças reacionárias estão atacando aqueles que 
reivindicam liberdade e autodeterminação através de iniciativas e medidas políticas sob a 
bandeira do sexismo e "defesa da família" - as ações de uma cultura patriarcal enraizada e 
constantemente renovada através das suas raízes e benefício para as lógicas de exploração.

Diferenças salariais para o mesmo emprego, desemprego, subemprego, precariedade, cortes 
nos gastos sociais. A guerra social ataca fortemente as mulheres, reduzindo sua autonomia 
econômica e exaltando o papel da família como o melhor método de sobrevivência. Uma 
família que repousa na consolidação dos papéis tradicionais, na moralidade sexista, na 
hierarquia, na subordinação das mulheres. Uma família que, as crônicas e as estatísticas 
nos oferecem testemunhos impiedosos, é o primeiro lugar da violência. Esta é a família 
tradicional que é tão cara aos padres, fascistas e todos aqueles que querem impor, assim 
como a pobreza, até o controle total de vidas e escolhas.

A família é a fortaleza em torno da qual essas forças reencontram continuamente uma ordem 
social e política hierárquica e exclusiva. Na esquerda, como na direita, daqueles que 
gostariam que fossem estendidos aos casais homossexuais para aqueles que o querem 
modelados na família "sagrada". Uma instituição que é garantia de estabilidade para os 
governos.

O sexismo familiar é o denominador comum de muitas medidas e intervenções empreendidas 
pelo governo italiano: do esquema da renda da cidadania e esquemas semelhantes, que operam 
em uma base familiar, às leis orçamentárias aplicadas às famílias rurais; desde a revisão 
da licença maternidade até o Pillon Bill para combater o divórcio; do desinvestimento em 
centros anti-violência ao encerramento dos consultores, aos ataques ao aborto.

Medidas e processos que, em grande parte, os governos anteriores anteciparam e iniciaram e 
que agora, com o atual governo, estão sendo expressos em termos particularmente 
reacionários e repressivos. Agora, mais do que nunca, é necessário desenvolver um debate 
lúcido e atento que aborde os problemas da questão e dos indivíduos, além das articulações 
de opressão e das estratégias que permitam superá-las, até mesmo das contradições que a 
cultura patriarcal pode nutrir na esfera de nossas relações.

Hoje, mais do que nunca, é necessário apoiar as lutas e as experiências autogeridas que 
querem contrariar as políticas sexistas e afirmar as práticas de liberdade.

Por estas razões, como anarquistas, estaremos presentes nas ruas no dia 8 de março.

Grupo de Trabalho 8 de março da Federação Anarquista Italiana

Fonte: https://freedomnews.org.uk/italian-anarchists-for-the-general-womens-strike/

Tradução > Abobrinha


Mais informações acerca da lista A-infos-pt