(pt) [Espanha] Volta o jornal "CNT" em papel By A.N.A. (en)

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Terça-Feira, 25 de Junho de 2019 - 08:40:18 CEST


A partir da quarta-feira, 19 de junho, em teu sindicato mais próximo. Adiantamos a 
apresentação da nova época. ----  Depois de uma breve mas indispensável ausência, o jornal 
"CNT" volta com renovadas energias, como sempre com a pretensão de ser a voz do 
anarcossindicalismo revolucionário. Qualquer um que conheça a Confederação já poderia ter 
antecipado que não iria passar muito tempo até que nosso órgão de expressão voltasse às 
rotativas. Talvez nos venha à memória Fidel Miró, fundador da revista "Ruta" em 1936, 
quando recordando seus tempos de jovem no documentário "Viviendo la Utopía" assegurava com 
olhar pícaro que "quando se reuniam três anarquistas se fazia um jornal".
E assim continua sendo; não tardou em reunir-se uma nutrida equipe para voltar a pôr em 
marcha a maquinaria. Como sempre, com a capacidade de trabalho em coletivo que caracteriza 
o nosso pensamento libertário e solidário, com a ânsia de explicar tudo o que implica 
sentir a verdadeira colaboração entre iguais, esse é nosso objetivo e ao mesmo tempo nossa 
remuneração. Como tudo o que a CNT leva a cabo, este jornal é um exemplo prático de 
anarcossindicalismo e de esforço militante.

Com um formato renovado, mas sem esquecer a enorme responsabilidade que supõe continuar um 
trabalho de quase 87 anos de história, nesta nova etapa do "CNT" apostaremos por mais 
análises, mais reportagens e, sobretudo, queremos que estas páginas sejam um convite à 
reflexão e ao posterior intercâmbio de ideias em coletivo no seio do sindicato, no local 
de trabalho, na rua e em nosso dia a dia.

"Como tudo o que a CNT leva a cabo, este jornal é um exemplo prático de 
anarcossindicalismo e de esforço militante."

Uma nova etapa marcada pela mudança na forma de comunicar que nos proporcionam as novas 
tecnologias, em um mundo digital no qual a informação deve ser rápida. Uns meios que o 
sistema aproveitou para bombardear a população com milhões de mensagens para dar-nos a 
sensação de saber tudo quando não sabemos nada verdadeiro.

Sendo conscientes disso, a filiação da CNT, reunida em seu último Congresso em Zaragoza, 
decidiu renovar a web do sindicato www.cnt.es, convertendo-a em uma web mais informativa, 
que nos dias de hoje constitui nosso jornal digital, com a atualidade mais imediata, 
refletindo a realidade do dia a dia do trabalho do sindicato. Mas não quisemos esquecer os 
meios tradicionais, o papel que nos permite fazer com que nossas ideias cheguem à rua, a 
nosso posto de trabalho, nosso querido "CNT" que tanto nos aproximou o anarcossindicalismo.

Tudo isso sempre tendo claro que devemos oferecer um ponto de vista maduro e convincente, 
e que para isso devemos contar com profissionais em cada ramo que ademais sejam capazes de 
comunicar objetivamente e com clareza. Precisamente o que nos proporciona ser uma 
organização sindical de classe, já que estamos em cada posto de trabalho, somos o motor 
que move a máquina produtiva e portanto temos possibilidade de opinar em todos os âmbitos 
da sociedade e desde abaixo. Não nos basta com opinar uma vez a cada quatro anos, queremos 
opinar em tudo aquilo que nos incumbe como povoadores do planeta.

"Somos o motor que move a máquina produtiva e portanto temos possibilidade de opinar em 
todos os âmbitos da sociedade e desde abaixo."

Nesta ocasião, sairemos à rua com uma periodicidade trimestral que nos permitirá analisar 
com serenidade a realidade que nos rodeia e oferecer nosso ponto de vista, sempre 
alternativo, sempre independente dos poderes econômicos. Porque nossa gazeta se financia 
de forma autogestionária com as quotas da filiação, sem a pressão de anunciantes nem 
acionistas.

Assim pois, começamos nossa caminhada com a pretensão de chegar a toda a filiação, assim 
como receber sugestões através das Secretarias de Comunicação, com o fim de melhorar este 
projeto que anseia ser de toda a CNT. E, posto que Malatesta definia as pessoas 
anarquistas como aquelas que querem "o máximo bem estar, a máxima liberdade, o máximo 
desenvolvimento possível para todos os seres humanos", temos a segurança de que chegaremos 
mais além.

Andrés Sánchez Pesquero

Secretário de Comunicação da CNT

cnt.es

Tradução > Sol de Abril

agência de notícias anarquistas-ana


Mais informações acerca da lista A-infos-pt