(pt) Campanha anti-eleitoral na Grécia: Nem direita nem esquerda. Abstenção ativa! By A.N.A. (en)

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Quinta-Feira, 11 de Julho de 2019 - 07:26:58 CEST


Contra a tirania brutal do Estado chamado democracia | Contra todos os tipos de 
"salvadores" | Luta nas ruas e auto-organização ---- A Grécia vai às urnas no próximo 
domingo (07/07), e o Nova Democracia (direita), liderado pelo conservador Kyriakos 
Mitsotakis, mantém uma clara vantagem sobre o governo do Syriza (esquerda), do 
primeiro-ministro grego Alexis Tsipras, segundo as últimas sondagens. ---- Por outro lado, 
nos últimos dias, diversas intervenções anarquistas anti-eleições tomaram as ruas de 
inúmeras cidades do território grego: passeatas, pichações, colagem de cartazes, faixas de 
protesto em locais públicos, distribuição de folhetos, ataques contra sedes de partidos, 
ocupações, assembleias nos bairros, eventos em escolas e universidades...

Contra o charlatanismo político do Estado e do Capital

"O processo eleitoral e o voto são uma metodologia democrática feita sob medida para os 
chefes políticos e econômicos e não podem causar qualquer ruptura social. Todo o resto são 
contos de fadas para entulhar os partidos de "oposição."

"A luta é ganha nas ruas, com experimentos sociais de resistência e autodeterminação. A 
abstenção ao festival eleitoral nunca é suficiente se for uma escolha isolada e ocasional, 
se não estiver relacionada à coletivização, reciprocidade, pensamento crítico, ação. Uma 
atitude individual e coletiva, resultante do conflito e da ruptura com a barbárie 
autoritária, da auto-organização da vida cotidiana e das lutas, da visão de outro mundo, 
do plural, da reciprocidade e da ajuda mútua. Um mundo sem Estado e hierarquia, sem 
capital e propriedade individual, sem fronteiras e pátrias, sem religiões e especialistas, 
sem patriarcalismo e sexismo, sem nacionalismo e militarismo, sem racismo e discriminação, 
sem qualquer forma de superioridade e poder. Longe das eleições. Resistência, 
auto-organização, solidariedade nos bairros."

"O caminho para a libertação social não passa pelas urnas, mas pelas lutas ininterruptas, 
pela intensificação do conflito com as forças estatais, capitalistas e fascistas, com as 
pequenas e grandes revoltas. Nesta caminhada, chamamos todos os explorados e oprimidos 
deste mundo."

"Enquanto continuarmos a delegar nossos problemas a "especialistas", com delírios de 
participação cívica através das eleições da democracia burguesa, enquanto nos movermos 
para a lógica do mal menor e nos humilharmos nas urnas para legitimar o grau de 
intensidade de nossa exploração sem sermos capazes de nos organizar contra tudo isso, 
políticos e chefes burgueses sorriem."

"A propaganda da mídia de massa continua tentando nos convencer do "sagrado dever do 
cidadão consciente" de ir às urnas e votar em qualquer coisa, confirmando sua confiança na 
representação. No entanto, seja quem for o vencedor das eleições, o resultado será o apoio 
ao parlamentarismo e o restabelecimento do mesmo sistema bipartidário gerido pelo estado 
pré-crise. Para nós, a participação nas eleições sempre foi um compromisso de classe e um 
desvio. A lógica do mal menor e das migalhas que o Estado compartilha como caridade é um 
insulto e desorientação para nossa classe. Mudar a cara na administração do Estado não 
trará nenhuma mudança radical em nossas vidas. A reestruturação estatal e capitalista 
continuará, e continuaremos a ser peças para a opressão e exploração."

"A abstenção, seja como resultado da indiferença, seja da frustração e do fatalismo, ou de 
atitude raivosa, des-liberaliza o parlamentarismo em sua base e questiona a retórica da 
"soberania popular". No entanto, a depreciação do parlamentarismo a este nível não é 
suficiente. O que defendemos é a abstenção consciente, a rejeição do parlamentarismo pelo 
que ele realmente é. A abstenção para nós deve coexistir com nossa participação ativa em 
todas as lutas que afetam nossas vidas."

"Nossas propostas não são um kit, não capitulamos com nenhum governo "revolucionário" e 
"filantrópico", esperando pelas migalhas que nos concedem. Nunca tivemos medo de nenhum 
governo e da repressão que nos promete. Apoiamos e participamos de lutas sociais e de 
classe, promovendo sua interconexão e globalização em uma direção revolucionária. Contra 
os dilemas colocados pela decisão, eleitoral ou outra, estabelecemos nossos próprios 
dilemas e damos nossas próprias respostas, através de nossas lutas auto-organizadas, 
antipartidárias, envolvidas pela revolução social, pelo comunismo libertário, pela anarquia."

Acima, trechos de textos anti-eleições distribuídos na Grécia.

Conteúdo relacionado:

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2019/07/04/grecia-mitsotakis-anuncia-que-o-coletivo-anarquista-rouvikonas-morrera-no-dia-8-apos-as-eleicoes/

agência de notícias anarquistas-ana


Mais informações acerca da lista A-infos-pt