(pt) France, Alternative Libertaire AL #290 - Serviço público: eleições profissionais, espelho da ação de campo (en, fr, it)[traduccion automatica]

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Sexta-Feira, 18 de Janeiro de 2019 - 07:06:27 CET


Entre outras coisas, as eleições profissionais são um teste de audiência. Acompanhando 
sindicatos e sindicatos de combate: eles medem quem pesa o quê e onde, na mente dos 
funcionários. As eleições de 6 de dezembro nos três escritórios públicos afetaram mais de 
5 milhões de agentes (detentores ou contratados). Revise seus resultados e lições. ---- 
Sejamos claros: se há informação a ser retida desta eleição é que a CGT permanece na 
liderança em todas as três funções públicas (hospital, estado e territorial). Isso atesta 
tanto suas raízes em vários círculos profissionais quanto a possibilidade de liderar um 
sindicalismo ofensivo e de advocacia. Numa altura em que a mídia retransmitir com uma 
satisfação mal disfarçada a comunicação do CFDT em seu primeiro lugar público / privado " 
histórico  ", é importante lembrar.

Milhares de pesquisas diferentes
Mas, embora seja sempre tentador analisar o resultado de tal votação, é importante levar 
em conta sua heterogeneidade. Pois se mais de 5 milhões de agentes votassem no mesmo dia - 
ou quase - havia vários milhares de votos. De fato, os trabalhadores devem votar tanto em 
comitês técnicos (que lidam com questões gerais organizacionais, operacionais e de 
emprego) quanto em comitês conjuntos (que lidam com a carreira de agentes: promoções e 
transferências), tanto a nível local como nacional. Para calcular a representatividade dos 
sindicatos no serviço público, agruparemos as pontuações obtidas ao nível dos vários 
departamentos dos ministérios, autoridades locais e hospitais.

Antes de nos envolvermos na análise acadêmica, é importante levar em conta que também são 
(e às vezes especialmente) pesquisas de opinião nas quais votamos, simplesmente, para o 
colega do serviço presente. lista.

Longe de questões nacionais
Posições nacionais não parecem ter sido decisivas. Nem a distância da união em relação ao 
movimento de coletes amarelos nem os escândalos dentro do FO parecem ter pesado na cédula. 
Assim, FO (18,1  %) caiu 0,5 ponto em relação a 2014 (mas ganhou 1 ponto no hospital e 0,1 
ponto na função pública do Estado) ; o CGT (21,8  %) diminui em 1,3 ; Solidaires (6,3  %) 
de 0,5 ponto. Ao mesmo tempo, o FSU (8,7  %) progrediu em 0,8 ponto, estando ausente do 
hospital e diminuindo ligeiramente na Educação Nacional, sua principal localização.

No lado da união que acompanha o comércio, CFDT (19  %), que reivindica a vitória para 
baixo de 0,3 pontos, o CFTC (2,9  %) de 0,4 pontos percentuais, enquanto o UNSA (11,2  %) 
0 ganha 8 artigo e CFE-CGC (3,4  %) 0,5. Finalmente, deve-se notar que nestes resultados 
globais são considerados ministérios para a cultura união singular. Assim, o Ministério do 
Interior, que tem 184.000 inscrit.es, FO leva com 34,4  % de votação (+ 2,41 pontos).

CGT, FO e Solidaires já não têm maioria por conta própria
Uma mudança notável de qualquer maneira, os três sindicatos - CGT, Solidários - que se 
opuseram ao acordo PPCR (para "  carreiras, carreiras e salários  ") não pesar a maioria 
dos votos em três deles. Se eles estão abaixo de 50  %, eles não podem bloquear um acordo 
sem a ajuda da FSU [1]. Assim, enquanto estes três sindicatos tinha chamado para um prazo 
para ser posicionado sobre o protocolo Igualdade de Género que tinha recolhido a 
assinatura da CFDT, UNSA, FSU, FAFP, CGC e CFTC, as eleições são para oferecer essas 
organizações a maioria necessário.

Participação abaixo de 50%
Difícil analisar estas eleições sem falar sobre a taxa de participação, que vai menos de 
50 % com uma queda de 3 pontos desde 2014. E se observarmos algumas exceções como no 
Interior, notamos que quanto mais o voto eletrônico é distribuído, menor a participação. 
Este movimento também foi observado na SNCF desde várias eleições, ou na RATP este ano. Na 
Educação Nacional, que o utiliza desde 2011, o dramático declínio não se reduz mesmo após 
três pesquisas. Mas o sistema de votação e sua sub-mídia - a imprensa tem falado muito 
menos sobre estas eleições para mais de 5 milhões de pessoas como um parcial legislativo 
em Essonne que mobilizou 12.634 eleitores - não são suficientes para explicar esse 
declínio na participação. Deve questionar os sindicatos sobre como eles são percebidos por 
alguns dos funcionários.

Porque mais do que grandes questões nacionais, é o local do sindicato que é medido por 
esta eleição. E não é por acaso que a CGT, embora em declínio, continua na liderança, 
forte de sua rede profissional e territorial, com muitos sindicatos departamentais 
investidos na campanha. A força do sindicalismo é a proximidade com os funcionários. Tendo 
ativistas nos serviços, ativos durante todo o ano e membros em número, isso é mais do que 
um discurso ideologicamente puro, mas nunca retransmitido.

Uma lição a ser aprendida
Esses resultados confirmam, assim, o roteiro dos sindicalistas em luta: desenvolver um 
instrumento sindical enraizado no interprofissional e no local de trabalho, presente 
durante todo o ano, tanto nas questões da vida cotidiana quanto nas principais questões 
sociais. A credibilidade de um sindicalismo de luta é construída pela prática com nossos 
colegas mais do que por discursos encantadores. E é bem nos setores onde o estabelecimento 
dos sindicatos combativos é forte que eles alcançam suas melhores pontuações.

Finalmente, para os comunistas libertários, mas também para muitos e muitos 
revolucionários, a questão da ferramenta sindical é central, mas deve ser debatida longe 
dos sectarismos do aparelho. Eleições anteriores, debates abertos, mas nenhum tabus pode 
ser conduzido em nossas estruturas na construção da melhor ferramenta para liderar lutas. 
A questão da divisão sindical certamente seria abordada.

Sindicalistas e comunistas libertários

SUD-PTT resto 3 e força Publicar
As eleições profissionais nos correios foram realizadas de 3 a 6 de dezembro. O CGT caiu 
ligeiramente para 24,80  % (-1,74 pontos) e é seguido por um CFDT 24,80  % (2,25 pontos), 
que tem seu reduto na gestão. O SUD também caiu para 18,84  % (-1,33 pontos), seguido por 
FO 18,48  % (-1,4 ponto). O centro de resistência sindical (CGT-SUD) está em declínio, mas 
permanece em um nível suficiente (43,64  %) para organizar as lutas. A aliança CGC-CFTC 
fez 6,68  % e a Unsa 4,84  %. A CNT , que chegou em 2011 (1,65  %) e em 2014 (1,1  %) 
arrecadou 0,75 % de votos este ano.


[1] Mesmo se neste caso, no PPCR, o primeiro-ministro Manuel Valls tivesse libertado-se 
das regras que ele próprio estabeleceu, aplicando um acordo de minoria.

http://www.alternativelibertaire.org/?Fonction-publique-Les-elections-professionnelles-miroir-de-l-action-de-terrain


Mais informações acerca da lista A-infos-pt