(pt) France, Alternative Libertaire AL #290 - Chade: acesso gratuito à Internet, um desafio político (en, fr, it)[traduccion automatica]

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Quarta-Feira, 16 de Janeiro de 2019 - 06:38:18 CET


Quarta-feira, 28 de novembro, no Centro Internacional para a Cultura Popular (CICP), em 
Paris, foi realizada uma noite de debate intitulada "  Monitorar e punir 2.0 - opressão 
digital e resistência no Chade, Camarões e aqui ...  ". Esta noite reuniu uma ampla gama 
de associações e ONGs, desde anticolonialistas até ativistas do software livre, em torno 
de uma questão comum: por que o mundo digital se tornou uma questão de solidariedade 
internacional ? Nesta ocasião, uma ativista alternativa libertaire teve a oportunidade de 
conversar com Abdelkerim Yacoub Koundougoumi, chefe da divisão da África Central da 
Internet sem Fronteiras. ---- Alternative Libertaire: você pode apresentar a Internet sem 
fronteiras ? ---- Abdelkerim Yacoub Koundougoumi: Internet Sem Fronteiras (EWB) é uma 
organização não governamental internacional que visa promover o livre fluxo de informação 
e conhecimento, para defender as liberdades e direitos digitais e lutar contra todas as 
formas de censura sobre redes conectadas. ISF foi fundada em Paris em 2007 por um grupo de 
ativistas da sociedade civil. ISF está presente nos cinco continentes.

Você pode apresentar a atual situação política no Chade ?

O Chade está sob uma ditadura liderada por um déspota chamado Idriss Déby por 28 anos. 
Este último se apega ao poder através da violência, repressão, adulteração de processos 
eleitorais, corrupção, modificação da constituição e reajustes das instituições da 
República à sua pessoa. Cidadãos, organizações da sociedade civil e partidos políticos da 
oposição são mobilizados e engajados em uma árdua e dolorosa luta do cidadão para pôr fim 
a esta situação.

Você consegue se lembrar do lugar central do Chade em Françafrique ?

Idriss Déby é o braço armado da França na região. A posição geográfica e estratégica do 
Chade, a presença de bases militares francesas quase permanentes, a cooperação militar, o 
apoio militar e diplomático da França ao regime de Idriss Deby, apesar de sua natureza 
ditatorial e despótica, o silêncio e complacência do A França, contra as ações 
antidemocráticas deste regime, mostra que este é essencial no sistema Françafrique. O 
Chade é hoje a peça central da redistribuição militar francesa em todo o Sahel.

Qual o papel da Internet e das tecnologias digitais na situação do Chade ?

A Internet e as novas tecnologias de informação e comunicação (TICs) permitiram que os 
cidadãos, os partidos políticos e a organização da sociedade civil tivessem os meios para 
expressar sua cidadania, expressar-se, organizar e defender seus direitos em um país onde 
é proibido demonstrar pacificamente, onde a liberdade de expressão é violada e a 
democracia confiscada.

A Internet permitiu que a diáspora do Chade se envolvesse fortemente nas lutas políticas e 
dos cidadãos. Uma nova conexão dinâmica se desenvolveu entre chadianos e chadianos de 
dentro e de fora. Aplicativos de comunicação (por exemplo, Whatsapp, Instagram e Signal) 
permitiram que ativistas e ativistas de direitos humanos evadissem a vigilância policial e 
garantissem suas comunicações. [1]

O que a ISF já fez nessa situação e o que levou a uma mudança de estratégia com o 
lançamento de uma ampla campanha em dezembro ?

Diante dessa situação, a ISF contribuiu para o fortalecimento das capacidades de proteção 
digital e da alfabetização digital de cidadãos e organizações da sociedade civil. O ISF 
mobilizou-se contra a Internet e as redes sociais denunciando estas práticas e notificando 
o Estado do Chade. A ISF apoiou as mobilizações de cidadãos contra essas censuras com as 
jurisdições nacionais que reconheceram a legitimidade das queixas contra essas censuras, 
mas declararam-se incapazes de pedir ao governo chadiano para levantar essa censura.

No front internacional, a ISF produziu um relatório sobre a violação dos direitos digitais 
pelo Chade no Conselho de Direitos Humanos da ONU. Este relatório foi revisado em 13 de 
novembro de 2018 durante a Revisão Periódica Universal em Genebra. Infelizmente, após esta 
revisão, o conselho emitiu uma simples recomendação pedindo ao Chad que envidasse esforços 
para respeitar os direitos humanos ...

A ISF também está se mobilizando diplomaticamente para pressionar o governo chadiano a 
levantar essa censura. Houve cinco cortes na Internet desde 2016. Desde 28 de março de 
2018, as redes sociais são cortadas no Chade. Os cidadãos são obrigados a usar VPNs 
[2]para contornar essa censura.

O que você espera desta campanha ? Quais são as possíveis conseqüências ?

As alavancas da pressão institucional e legal não foram suficientes para forçar o governo 
do Chade a levantar a censura, achamos necessário mudar a estratégia. Estamos em processo 
de organização com outras organizações de direitos digitais para realizar campanhas de 
mídia internacional contra o governo do Chade e para buscar junto às jurisdições européias 
as empresas européias de telecomunicações que têm subsidiárias no Chade e que colaboram 
com a dieta. [3]

Entrevista de Léo (AL Grand-Paris-Sud).

[1]O  Whatsapp e o Signal permitem que você criptografe (ou seja, codifique) as mensagens.

[2] Virtual Private Network (VPN): Um sistema para criar um link direto entre computadores 
remotos, isolando esse tráfego.

[3] Isso evoca a campanha liderada pela BDS-France contra o investimento da Orange em 
assentamentos israelenses, também mencionado durante a noite do Watch and Punish 2.0.

http://www.alternativelibertaire.org/?Tchad-le-libre-acces-a-Internet-un-enjeu-politique


Mais informações acerca da lista A-infos-pt