(pt) France, Manifesto da UCL - Uma abordagem aberta (en, fr, it)[traduccion automatica]

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Terça-Feira, 6 de Agosto de 2019 - 08:23:13 CEST


Somos partidários da auto-organização e da democracia direta, inquietos e inquietos a 
respeito do culto da unanimidade quanto à espontaneidade sumária. Sabemos que essas 
preocupações podem encontrar as de outras "escolas" do socialismo. ---- A UCL não pretende 
se tornar, por si só, a alternativa ao capitalismo. ---- cc Mathieu Colloghan ---- O 
comunismo libertário que promovemos faz parte de uma longa história, a do socialismo 
antiautoritário e que tem suas raízes na Primeira Internacional. Ele essencialmente herda 
décadas de lutas, análises, desafios estratégicos para aluta de classes libertária. É 
nesse que é a principal encarnação política desse socialismo que estamos nos inscrevendo. 
---- Não tem nada a ver com um individualismo que negaria o antagonismo das classes e a 
necessidade de ação coletiva para perturbar a ordem do mundo. A apropriação, a 
socialização e a autogestão dos meios de produção são nossa agenda para pôr fim ao 
capitalismo. Nós rejeitamos a política burguesa, e nossa intervenção só pode ser 
decididamente extra-parlamentar. A "ditadura do proletariado", o leninismo e as 
experiências dos chamados países "socialistas" não fazem parte da nossa história.

No entanto, não reivindicamos nenhum monopólio. Várias organizações e grupos existentes 
afirmam ser uma filiação libertária. Somos para o debate, para que as forças sejam 
reunidas com a maior frequência possível, sem negar as especificidades de cada um. O mesmo 
desejo de confrontação e unidade nos leva a rejeitar o sectarismo entre todas as forças 
que genuinamente lutam contra o capitalismo e outros sistemas de dominação.

Recuse sectarismo
Somos partidários da auto-organização e da democracia direta, inquietos e inquietos a 
respeito do culto da unanimidade quanto à espontaneidade sumária. Sabemos que essas 
preocupações podem encontrar as de outras "escolas" do socialismo. Desde a segunda metade 
do XX °século, especialmente depois de maio de 68, a corrente libertária comunista tem 
sido capaz de se abrir para experiências, para olhar atual com o qual compartilha 
características comuns e até mesmo integrar as realizações positivas.

Assim, pensamos que um diálogo é sempre possível e desejável com as diferentes correntes 
revolucionárias, de origem marxista ou anarquista.

Se rejeitarmos as ilusões estatistas veiculadas pelas correntes e teorias marxistas, os 
libertários desenharam, em grande parte, como Bakunin em seu tempo e sem fetichização, no 
pensamento materialista e dialético sintetizado notavelmente por Marx. Continua ocupando 
um lugar singular para quem quer mudar o mundo. Especialmente quando não se extravia na 
super-determinação econômica. Para nós, não há destino nem destino: são todos nós que, 
através de nossa ação, fazemos história.

Toque para as melhores fontes
Nós extraímos mais amplamente das correntes que trabalham para a emancipação de todos. Ao 
fazer experimentos concretos, nossa corrente tem sido capaz de adotar a prática sindical 
revolucionária: a democracia sindical e operária, o senso de greve, o papel dos animadores 
autogerenciados e dos líderes de luta, a estratégia dos contra-poderes ...

Da mesma forma, na ecologia, no feminismo, nas lutas anticolonialistas e anti-racistas, 
nossas análises evoluíram em contato com correntes militantes, lutas e resistências muito 
reais. Acima de tudo, é imergindo-nos no coração dessas lutas e resistências que 
evitaremos nos esclerificar, encolhendo-nos em uma estreita campina doutrinária.

É por isso que fazemos parte de uma abordagem dupla:

desenvolver o nosso atual "libertárioluta de classes" ;
contribuir para o surgimento de um vasto movimento anticapitalista e de autogestão, 
necessariamente unitário.
A União Comunista Libertária não pretende ficar sozinha, contando com suas próprias 
forças, a alternativa ao capitalismo. Não seria apenas pretensioso, mas também perigoso 
acreditar ou fingir de outra forma. Rejeitando todo sectarismo e isolacionismo, queremos 
ser uma das forças unificadoras do movimento revolucionário e do movimento operário.

Em períodos de recuo, a unidade de todos e de todos os anticapitalistas, a abertura ao 
movimento social, permite a solidariedade em face da repressão e uma máquina de Estado que 
persegue os revolucionários.

Em períodos de lutas crescentes, essa unidade promove e amplifica a ação dos 
revolucionários contra aqueles que lutam contra o rompimento com o velho mundo. Mas essa 
unidade não deve esconder nossas divergências ideológicas ou estratégicas que 
inevitavelmente se afirmarão em um período revolucionário.

Torne-se uma força política que conta
Esta abordagem aberta visa materializar uma força de massa, que pesará em larga escala na 
sociedade, ajudando na multiplicação dos contra-poderes e preparando as condições para o 
rompimento revolucionário. Isso significa priorizar intervenções no terreno social na base 
da sociedade, ligando lutas antipatriarcas, ecologistas, antirracistas e trabalhistas com 
uma perspectiva de autogestão. Um movimento político-social e não um novo partido.

Novas ações são necessárias para permitir a expressão e organização das rebeliões da base 
da sociedade. Queremos contribuir ativamente para isso, porque essas práticas comuns 
permitirão as respostas necessárias às ameaças da extrema direita e as ilusões 
transmitidas pela "esquerda" do governo. Queremos nos tornar amanhã uma grande força 
política, que dá à atual "luta de classes " libertáriauma base com as grandes massas, e 
isso em um movimento revolucionário, parte de um movimento operário refundado e renovado.

http://www.alternativelibertaire.org/?Une-demarche-ouverte


Mais informações acerca da lista A-infos-pt