(pt) [Espanha] 1° de Maio: Agora mais do que nunca! Mais organização e mais luta na rua By A.N.A. (en)

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Quinta-Feira, 18 de Abril de 2019 - 07:33:34 CEST


Sem dúvida, a conquista da jornada de trabalho diária de 8 horas é o marco mais importante 
do movimento trabalhista na Espanha. Uma conquista que foi precedida por uma greve que 
durou 44 dias e que se iniciou na empresa Irrigação e Forças do Ebro de Barcelona, 
popularmente conhecida como "La Canadiense", sendo seu acionista majoritário o Canadian 
Bank of Comerce de Toronto. ---- O motivo da greve foi a demissão de 8 trabalhadores que 
se recusaram a aceitar uma redução no salário. Imediatamente os trabalhadores das empresas 
têxteis aderiram à greve e, pouco depois, todos os funcionários dos setores de 
eletricidade, água e gás juntaram-se a eles. Paulatinamente a paralisação dos serviços 
públicos foi total: 70% das fábricas foram paradas em consequência da greve ou da falta de 
fornecimento de eletricidade, chegando a se declarar estado de guerra.

No entanto, o movimento trabalhista liderado pelos anarcossindicalistas da CNT não 
desistiu, de tal forma que se alcançou a jornada de 8 horas de trabalho e o pagamento da 
metade dos salário do tempo que durou a greve. O governo também se comprometeu a libertar 
aqueles que foram presos por causas sociais, a levantar o estado de guerra e a readmitir 
todos os grevistas sem represálias. Tudo isso aconteceu entre fevereiro e março de 1919. 
Se acabam de cumprir, portanto, cem anos dessa importante conquista social.

Cem anos atrás, uma greve que começou em uma fábrica pela solidariedade com 8 
trabalhadores, mudou para sempre a vida de toda a classe trabalhadora, tanto que a OIT, 
fundada no mesmo ano de 1919, foi inspirada por esta situação para a elaboração de seu 
primeiro convênio pelo qual ele torna universal a jornada de trabalho de oito horas.

Os tempos não mudaram muito. A exploração do trabalho sofrida pelas pessoas trabalhadoras 
há um século ainda é válida agora, sob outras formas de precariedade e abuso por parte dos 
empregadores. As liberdades públicas estão ameaçadas com o surgimento de ideologias 
totalitárias e com as leis regressivas dos últimos governos. Metade da população continua 
marginalizada e sofre o flagelo intolerável da violência machista. A existência da mudança 
climática é negada e os mercados superexploram o planeta. Não, os tempos não mudaram muito.

Por esta razão, é agora tão necessário, como era então, que a classe trabalhadora se 
organize e tome as ruas em defesa de seus direitos, suas liberdades, igualdade real entre 
homens e mulheres, e pela defesa do planeta e de uma vida decente.

A greve da Canadiense e as posteriores mobilizações foram possíveis graças ao fato de que 
a classe trabalhadora da época se organizou em torno do movimento anarcossindicalista, 
demonstrando que é a melhor forma de organização de nossa classe. Demonstrando também, que 
a greve, que a luta na rua, serve para transformar as coisas.

Viva a CGT!

Viva a luta da classe trabalhadora!

Viva no dia 1º de Maio!

cgt.org.es

Tradução > Liberto

agência de notícias anarquistas-ana


Mais informações acerca da lista A-infos-pt