(pt) France, Alternative Libertaire AL #293 - Antipatriarcat, Bordeaux: uma tag feminista ? Três policiais nas costas ! (en, fr, it)[traduccion automatica]

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Terça-Feira, 16 de Abril de 2019 - 08:16:39 CEST


No dia 8 de março em Bordeaux, uma marcha não misturada foi realizada a convite do 
coletivo Gironde de 8 de março. Esta manifestação pacífica pelo Dia dos Direitos da Mulher 
foi reprimida por várias detenções policiais e violência. ---- Eles eram um pouco mais de 
800 manifestantes do encontro dado na Place de la Victoire. Isso é um pouco mais de 600 
pessoas do que em eventos anteriores. Este evento festivo denunciou a violência sexista e 
sexual durante a caminhada para o distrito de St. Michel, o curso Victor-Hugo através 
Grosse Cloche, Camille Jullian etc. Já homens vinham para explicar às mulheres o que era " 
  verdadeiro feminismo" "Ou insultado porque para eles neste 08 de março, foi difícil para 
mover nas ruas por causa da presença da procissão. No entanto, é a realidade do que as 
mulheres vivem todos os dias, forçadas a fazer desvios, a se esforçarem. Um deles explica 
em outro lugar que antes violência policial começou, foi a primeira vez em dois anos ela 
se sentia segura nas ruas de uma cidade à noite.

A princípio, a fraca presença policial foi rapidamente contrastada pela presença de cães 
que, segundo alguns manifestantes, pretendiam intimidá-los. A manifestação foi pacífica e 
alegre quando, por volta das 21h45, no final da procissão, um manifestante que estava 
prestes a marcar foi violentamente extraído por três policiais que a estrangularam e 
arrastaram vários metros. Sem aviso ou razão, um policial jogou uma granada que contundiu 
dois manifestantes, um dos quais teve que ser levado ao hospital enquanto outros perderam 
a audição por várias horas. A polícia chutou a mulher no caminhão da polícia com chutes, 
enquanto outros usaram gás lacrimogêneo ou mantiveram os manifestantes com seus LBDs.

Depois que a marcha retomou sua jornada festiva, os manifestantes foram pedir a libertação 
do detido que foi libertado. A polícia seguiu a procissão impedindo a sua dispersão 
planejada no "  Parvis des droits des femmes  ", que foi bloqueado por uma parede de 
policiais de capacete, equipados com escudos e cães. Isso forçou os manifestantes a se 
dispersarem ainda mais.

A polícia então seguiu pelo menos um pequeno grupo de mulheres voltando para casa. Para 
este grupo foram mobilizados quatro carros e oito policiais à paisana, armados com LBD e 
acompanhados por malinois. Sem qualquer motivo, três pessoas foram violentamente presas 
arbitrariamente à meia-noite em frente ao Musée d'Aquitaine. Um deles foi apreendido por 
dois policiais e um cachorro e outro bateu. As poucas pessoas que também deixaram a 
manifestação e tentaram apoiar os detidos foram insultadas e abusadas, especialmente 
quando os cães excitados pela polícia foram enviados para contatá-los. As três mulheres 
presas foram levadas para a delegacia de onde partiram no dia seguinte às 19h.

No dia 8 de março, em Bordeaux, as mulheres se manifestaram pelo direito de circular 
livremente nas ruas, dia e noite, contra assédio, machismo e agressão sexual. O estado de 
direito da polícia, tão caro a este governo, como sempre, respondeu à força. A repressão 
da marcha não mista de 8 de março mostra que a violência policial é agora sistêmica.

O símbolo é forte, as mulheres foram espancadas, humilhadas, presas por homens a serviço 
do Estado porque tentaram recuperar o espaço público. Diante dessas tentativas de 
intimidação, os manifestantes continuaram a marcha noturna, permanecendo em solidariedade 
com a polícia.

Esta marcha não mista no Dia Internacional dos Direitos da Mulher lembra-nos que não 
podemos deixar que este governo e os seus fantoches explorem as lutas das mulheres. Assim 
como devemos lutar contra sua instrumentalização das lutas LGBTQI + e anti-racistas. Não 
se engane, a violência do capitalismo macroniano está no auge de suas forças de ordem. 
Este capitalismo que mulheres precárias especialmente permanece fixo nos seus reflexos 
patriarcais. É por estas razões que a reapropriação da rua deve ser feita por mulheres 
para mulheres. Apoiamos a queixa apresentada pela vítima desta violência policial com a 
ajuda do CLAP33, Planejamento Familiar 33 e Coletiva de 8 de março de Gironde. Condenamos 
esta violência patriarcal e exigimos o abandono de todos os processos.

AL Gironde

http://www.alternativelibertaire.org/?Bordeaux-Un-tag-feministe-Trois-flics-sur-le-dos


Mais informações acerca da lista A-infos-pt