(pt) France, Alternative Libertaire AL #287 - Nem Deus nem o professor: Mudança de rumo, mas sem objetivo (en, fr, it)[traduccion automatica]

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Segunda-Feira, 29 de Outubro de 2018 - 07:24:59 CET


Depois de meses mais próximos de uma realidade diferente da da França, estou de volta a 
terras européias, para continuar outros projetos. Isso me tira temporariamente da escola 
Francisco Ferrer em Belém, mas não da educação libertária. ---- Ao contrário, o território 
hexagonal que mais uma vez pisei foi, durante a história do movimento operário, um dos 
mais férteis em termos de colocar em prática as idéias dos pensadores anarquistas, até 
hoje e não deixarão de nos inspirar novamente nas próximas lutas para libertar a educação 
da camisa de força do estado ou da educação denominacional. ---- Isto irá permitir-nos 
para começar a nossa jornada com algumas páginas escritas a partir da Belle Époque com 
Cempuis e Paul Robin. Falando sobre este educador é evocar implicitamente o trabalho 
educacional e política importante de James Guillaume, colaborador Ferdinand Buisson, 
co-autores de 1887 Pedagogia dicionário É também, na esteira desses pioneiros, consulte 
Sebastien Faure, o ativista-educador Abelha que antes da Segunda Guerra Mundial, vai 
voltar a trabalhar os princípios libertários. Mas entre essas figuras masculinas, deve ser 
um lugar importante para Madeleine Vernet, e seu orfanato proletária Social de Futuro. 
Procurar este tempo e seus caminhos,

Em 1880, a República, a terceira versão, foi reforçada, apoiada por uma classe burguesa 
que se separou do monarquismo na década de 1870, depois de esmagar em sangue a tentativa 
revolucionária da Comuna em 1871. Isto é apenas a partir de 1879 que, definitivamente, 
será consolidado o regime com as vitórias eleitorais dos republicanos (Jules Ferry) 
apoiados pelos radicais (Clemenceau). Depois da Comuna, o movimento operário 
reorganizou-se com dificuldade: perdeu muitas de suas principais figuras, mas gradualmente 
retornou à França, mais ou menos clandestinamente, os companheiros de Bakunin.; redes 
militantes estão reformando. A partir de 1881, Jules Ferry, que ocupará vários cargos 
ministeriais, começará isto principalmente pelo que ele passou na história: um ciclo de 
reformas educacionais que visam enraizar o regime republicano no coração da nação. pela 
formação de cidadãos ligados a ele e aquele. Mas, entre as diretrizes deste plano desejado 
pela elite republicana, organizar-se-á uma forma de resistência libertária e educacional.

Próximo passo, Cempuis e os escritos educacionais de James Guillaume. Assim, Ferdinand 
Buisson foi colocado na década de 1880 por Jules Ferry como diretor de educação primária. 
Ele passou parte da década de 1860 na Suíça e encontrará alguns anos depois um importante 
militante do movimento anarquista suíço, com quem escreverá o dicionário mencionado acima: 
James Guillaume. Esta colaboração é consistente com a escolha de Buiisson para col

http://www.alternativelibertaire.org/?Ni-Dieu-ni-maitre-d-ecole-Changement-de-cap-mais-pas-d-objectif


Mais informações acerca da lista A-infos-pt