(pt) France, Alternative Libertaire AL #286 - Leia: Birh, "A Primeira Era do Capitalismo (1415-1763)" (en, fr, it)[traduccion automatica]

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Quinta-Feira, 4 de Outubro de 2018 - 08:30:16 CEST


Após doze anos de pesquisa, Alain Bihr publica L'Expansion européenne , o primeiro volume 
de uma trilogia sobre o desenvolvimento do capitalismo. ---- Como o capitalismo é possível 
  ? Esta questão não é retórica. O capitalismo é definido por um processo de acumulação de 
capital que requer duas condições: por um lado, deve haver uma massa de proletários pobres 
- mesmo pobres, dependendo do caso - sem escolha a não ser vender sua força de trabalho. . 
Por outro lado, deve haver uma minoria com capital econômico garantido por um poder 
coercitivo (um estado) que permita que esses proletários trabalhem. O problema colocado 
por Marx é que ele constitui um círculo lógico: para acumular capital, é preciso já ter 
alguns ... Como essa "   acumulação primitiva   de capital"  ocorreu mesmo antes do 
capitalismo ?

A grande inovação de Marx foi mostrar que isso era uma extorsão violenta e não uma 
acumulação pacífica de simples açambarcadores. Primeiro foi necessário empobrecer as 
massas para enriquecer os capitalistas. As diferentes etapas desse processo são 
conhecidas: os enclausuramentos (a expropriação dos camponeses de suas terras, depois o 
êxodo rural que transforma antigos camponeses do campo em proletários das cidades)  ; as 
várias leis que confirmavam o desaparecimento dos "   commons   " (o jovem Marx, então 
jornalista, estudara uma lei que proibia a coleta de madeira)  ; a aparência dos 
fabricantes (e sua ruptura com as antigas cooperações no trabalho) ; a dominação do modo 
de produção capitalista industrial a nível europeu e depois mundial.

Conquista e expropriação
O livro de Alain Bihr, que remonta à história dessa "   acumulação primitiva   ", mostra 
como o desenvolvimento da indústria exigiu, de antemão, a submissão de parte do mundo aos 
grandes estados europeus. A economia capitalista e o desenvolvimento do Estado-nação 
andaram de mãos dadas e foram impostos ao mundo.

Como  ? Essa é a pergunta que o livro tenta responder, analisando todas as formas que essa 
expansão tomou, do menos brutal (comércio) para o mais violento (colonização). Que 
resistência as outras empresas tiveram  ? Para entendê-lo, é necessário estudar o modo 
como ocorreu o "   ataque   " (desenvolvimento dos portos e do comércio marítimo, os 
exércitos nacionais etc.), mas também as condições sociais da "   defesa   " das empresas. 
Trabalho abissal de magnitude.

Em A Pré-História do Capital (2006), Alain Bihr examinou as condições para a formação do 
surgimento de relações capitalistas de produção no feudalismo. Ele concluiu então que "o 
feudalismo, como foi formado na Europa no final do primeiro milênio e no arquipélago 
japonês no curso da primeira metade do segundo milênio, é o mais favorável, no limite 
apenas favorável, à formação deste relatório de produção   " . Mas o feudalismo sozinho 
não era uma condição suficiente. Também levou "   globalização  ". Não é o fantasiado como 
uma extensão natural das trocas entre os seres humanos na Terra e condição de uma paz 
perpétua entre os Estados, mas a globalização violenta da conquista e da expropriação, a 
que foi nutrida do sangue e lágrimas, na lama das batalhas.

Bernard Gougeon (South-Educ 81)

Alain Bihr, a primeira era do

http://www.alternativelibertaire.org/?Le-Premier-Age-du-capitalisme-1415-1763


Mais informações acerca da lista A-infos-pt