(pt) luta fob: [RMC] Em Memória dos Operários da Greve da CSN 1988 Por RMC

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Terça-Feira, 13 de Novembro de 2018 - 05:21:51 CET


Ao longo do dia 09 de novembro de 1988, três operários da Companhia Siderúrgica Nacional 
foram mortos pela ação do Exército Brasileiro. Foram eles: Carlos Augusto Barroso (19 
anos), Walmir Freitas Monteiro (27 anos) e William Fernandes Leite (22 anos). ---- Eram 
trabalhadores que reivindicavam melhorias nas suas condições de vida e trabalho. Mas em 
seu caminho, estava o Exército do genocida Duque de Caxias com suas armas prontas para 
matar o povo e manter os privilégios dos ricos. ---- Em 7 de novembro de 1988, cerca de um 
mês após a promulgação da Constituição "Cidadã", trabalhadores da Companhia Siderúrgica 
Nacional, em Volta Redonda/RJ, decidiram entrar em greve. Suas pautas? Reajuste salarial, 
estabilidade no emprego, jornada de trabalho de 40 horas semanais e readmissão dos 
demitidos em 1987.

Através da ocupação da CSN e do bairro de Vila Santa Cecília, os trabalhadores iniciaram 
uma das mais combativas greves do período do pós-ditadura com a larga utilização de 
métodos de autodefesa.

O Estado Brasileiro, fruto de um acordo entre setores da burguesia e o setor militar, 
visando destruir o movimento grevista utilizaram o Exército. Durante a ação dos militares, 
três trabalhadores foram mortos. As mortes dos trabalhadores até hoje são lembradas como O 
"Massacre de Volta Redonda" e são uma clara demonstração de como os militares atuam contra 
o povo.

O Massacre de Volta Redonda deve ser relembrado, principalmente no contexto atual de 
Intervenção Militar no RJ e com a eleição de Jair Bolsonaro/Mourão(PSL/PRTB) e Witzel 
(PSC), onde a atuação dos militares se desenvolve em larga escala e que abre o caminho 
para a repressão contra o povo.

Segundo a Agência Pública, desde 2010, 32 pessoas foram mortas pelas Forças Armadas em 
ações de Garantia de Lei e Ordem (GLO). Todas as vítimas eram pobres e moradores de 
favelas. Em toda a sua história, o Exército demonstra seu caráter genocida contra o povo, 
desde os massacres realizados na Cabanagem até a recente Ditadura Militar.

Os trabalhadores da CSN demonstraram o caminho para a luta do povo contra o Exército: Ação 
Direta. As máscaras utilizadas pelos trabalhadores amotinados em 1988 devem ser 
recuperadas e vestir o rosto das trabalhadoras e trabalhadores dos dias de hoje.

Que Carlos, Walmir e William não sejam esquecidos. Não esquecemos, Não perdoamos!

Que Raimunda, Matheus e Marco Aurélio, assassinados pelo Exército nos anos 2000, não sejam 
esquecidos. Não Esquecemos, Não Perdoamos!

PUNHO CERRADO AO INIMIGO, MÃO ESTENDIDA AO COMPANHEIRO!!!

https://lutafob.wordpress.com/2018/11/10/rmc-em-memoria-dos-operarios-da-greve-da-csn-1988/


Mais informações acerca da lista A-infos-pt