(pt) France, Alternative Libertaire AL #283 - 50 th anniversary: Livros para ver Maio 68 abaixo (en, fr, it) [traduccion automatica]

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Terça-Feira, 29 de Maio de 2018 - 07:49:10 CEST


Cinquenta anos após a maior greve geral do país, muitos livros voltam, sem surpresa, aos 
acontecimentos. O silêncio do PCF e da CGT é, neste editorial fervilhante, particularmente 
edificante ! A grande tendência é a história local e popular que oferece uma profunda 
renovação da historiografia, centrada nos líderes parisienses e gravada na memória 
coletiva de Hamon e Rotman com Génération. Aqui estão nove desses livros. ---- Génération, 
publicado em Le Seuil em dois volumes entre 1987 e 1988, escreveu a história oficial da 
extrema esquerda do pós-guerra para a vitória da União da Esquerda em 81. Dos anos dos 
sonhos aos anos em pó , da deriva terrorista para a saída eleitoral. O documentário de TV 
(15x30 minutos) que acompanhou o lançamento do Volume 2 moldou uma visão de longo prazo e 
a centralidade das organizações de vanguarda e seus líderes. O livro continua sendo uma 
referência essencial, mas muito focado na história de alguns líderes estudantis e do 
Quartier Latin.

Geração ou período ?
Há cinquenta anos, muitos trabalhos vão além e dão voz aos jovens, trabalhadores, 
mulheres, provinciais. Para aqueles que fizeram a realidade cotidiana dos " eventos ". O 
livro de Omar Gueye [1]até permite lembrar que o movimento no Senegal era tão poderoso 
quanto aqui. Este é, infelizmente, um dos poucos livros que dá uma visão clara do 
movimento global. Para os sessenta anos de maio de 1968, os editores podem permitir que os 
historiadores estudem com mais seriedade o que aconteceu, país por país, naqueles anos. 
Mas para este ano você terá que aceitar que a França continua sendo o centro de um mundo 
onde o fundo do ar era vermelho.

Sejamos honestos se você escolher ler um livro publicado recentemente, é a Ludovine 
Bantigny 1968 [2]que você precisa. Por três razões: um verdadeiro trabalho como 
historiador, com considerável contagem de arquivos, notação da polícia. Vários ângulos: 
estudantes, camponeses, trabalhadores, mulheres, patrões, sindicalistas, gaullistas, 
esquerdistas, stalinistas ... todos com uma leitura política aguda e coerente. Ludivine já 
é conhecida por seus compromissos antiimperialistas, feministas e anti-racistas, mas este 
livro será um marco tanto nos círculos de pesquisa quanto nos círculos militantes.

Se as obras em Lyon e Marselha [3]ajudarem a finalmente descentrar o nosso olhar fixo no 
pátio da Sorbonne, rua Soufflot e Ulm, a 68 de maio por aqueles que viveram [4]é uma 
aventura editorial incomum desde dezenas de histórias anônimas, em poucas linhas ou 
páginas, suas memórias pessoais. Geração exige, a maioria do testemunho é o fato de alunos 
do ensino médio, estudantes e chamados ao serviço militar. Mas de todas as regiões. Com 
tantos professores, há também trabalhadores, crianças, donas de casa e sindicalistas. Tudo 
acompanhado de muitas fotos de amadores. Note que Mediapart assume e publica centenas de 
depoimentos que não foram retidos no grande volume de papel. Se o livro não lhe servir 
como uma bússola política, você será imerso muito útil na atmosfera daquele ano !

As mãos pequenas da greve geral
O 68 de The Discovery [5]não será mais uma bússola. Deliberadamente pluralista, trata dos 
anos 62-81 cortando, sem originalidade, o período em quatro fases 62/68 - maio 68 - 68/74 
e 74/81. Cada seqüência abre com um lembrete histórico detalhado e segue vários 
testemunhos políticos.

Em uma seqüência maior, do período do pós-guerra até os dias atuais, um antigo ativista da 
LCR entrega a L'Harmattan [6]um estudo meticuloso da história de grupos de extrema 
esquerda, trotskistas, maoístas, anarquistas, autônomos. O livro, embora politicamente 
orientado, é uma mina para o apaixonado da história de cada corrente e grupo, debates e 
divisões que se cruzaram. Necessariamente cada protagonista desta história febril 
reclamará que tal ponto foi subestimado ou esse aspecto esquecido. E o autor às vezes se 
esforça para elevar o nível de reflexão sobre esse pequeno mundo que descreve. No entanto, 
o livro é provavelmente uma soma desigual de informações. A parte mais débil é obviamente 
a que dedica aos autónomos que procuraremos por isso em Libertalia que publica uma coleção 
de depoimentos agradavelmente titulada Voyage ademais abandonada [7]. Útil para entender o 
estado de espírito de uma fração da juventude estudantil, o papel desempenhado em alguns 
lugares pelos situacionistas, deixa de ver os limites políticos daqueles que não vão além 
da poética do tumulto como orientação política e projeto social. Para aproveitar o 
espírito, é necessário ler com alegria a reedição de Libertalia da pequena história de 
Peuchmaurd publicada no outono de 68 [8]. Com uma escrita elegante e sonhadora, ele nos dá 
a visão, à beira das barricadas parisienses, de um desordeiro. E sua detestação de 
organizações revolucionárias.

Vanguarda contra a vanguarda
Assim, o aniversário de maio de 1968 traça uma linha, sem muita admissão, ao longo de um 
período marcado pelo choque entre o PCF e os partidos revolucionários pela liderança do 
proletariado. Um novo período se abre lentamente sobre as ruínas do Muro de Berlim. Muitos 
entendem que devemos acabar de uma vez por todas com a concepção do partido-guia e buscar, 
mesmo que de maneira confusa, colocar de volta a democracia direta no funcionamento das 
organizações como da sociedade. A primavera será comunista libertário !

Jean-Yves (AL 93-Center)

[1] Omar Gueye, maio de 68 no Senegal, Karthala Ed, 2017, 336 p, 24 euros.

[2] Ludivine Bantigny, 1968, grandes noites em pequenas manhãs, Edições Seuil, 2018, 464 
p, 25 euros

[3] Marselha 68 anos, sob a direção de Fillieule e Sommier, Presses Sciences Po, 2018, 612 
p, 25 euros. Lyon luta na década de 68 , Collectif de la Grande Côte, Universidade Presses 
de Lyon, 2018, 424 p, 20 euros

[4]Em maio de 68 por aqueles que a viveram, Coletivo, Edições de l'Atelier / Mediapart, 
2018, 480p, 29,90 euros

[5] 68 de maio uma história coletiva, sob a direção de Artières e Zancarini, 2018, 880 p, 
28 euros.

[6] Jacques Leclercq, Extremo Esquerdo e Anarquismo em maio de 68, L'Harmattan, 2017, 
568p, 39 euros.

[7] Lola Miesserof, Viagem ao Exterior, Libertalia, 2018, 280p, 10 euros.

[8] Pierre Peuchmaurd, mais vivo do que nunca, Libertalia, 2018, 128p, 8 euros.

http://www.alternativelibertaire.org/?50e-anniversaire-Des-livres-pour-voir-Mai-68-par-en-bas


Mais informações acerca da lista A-infos-pt