(pt) [Chile] Saiu a nova edição da Revista Rebeldias By A.N.A.

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Quarta-Feira, 16 de Maio de 2018 - 05:57:25 CEST


Rebeldias: Pensamento e atualidade para um mundo livre, nº 3, Outono de 2018 ---- Depois 
de vários meses desde a nossa última edição, estamos de volta. Nesta edição, concentramos 
o conteúdo em notas ligadas à organização para lidar com a desapropriação de nossas vidas. 
No nível regional, este ano assistimos à consolidação da nova onda neoliberal em todo o 
continente. Na região do Brasil Lula da Silva foi condenado a 12 anos de prisão por 
corrupção, um problema que pode ser interpretado como uma parte da direita daquele país 
realizando um bloqueio para que o ex-presidente não venha novamente postular as eleições 
deste ano, mas, no entanto, não evita as responsabilidades do líder do Partido dos 
Trabalhadores como um dos principais promotores da IIRSA (Iniciativa para a Integração da 
Infraestrutura Regional Sul-Americana) em nível sul-americano; mesmo assim, grande parte 
do setor empobrecido apoia a candidatura dificultada, demonstrando a baixa aderência às 
propostas vindas de baixo. Além disso, fazer vista grossa à corrupção instalada no 
aparelho do Estado brasileiro, tanto em tempos de PT como nos de Temer, é um erro terrível 
da esquerda local (o mesmo erro cometido com o governo corrupto de Maduro). A corrupção 
também abalou o Estado peruano, cujo chefe, o oligarca Pedro Pablo Kuczynski, teve que 
renunciar antes de seu congresso. PPK, que permanecerá como o presidente que perdou 
Fujimori diretamente responsável pelo desaparecimento de milhares de agricultores e 
ativistas sociais no Peru durante os anos de guerra contra o Sendero Luminoso, também 
permanecerá na memória coletiva como presidente PKK que hipocritamente chamava de corrupto 
a Maduro (que também é), que finalmente renunciou por essas mesmas razões.

Na região do Chile, vemos o início do segundo mandato do oligarca Piñera, que, 
parafraseando o início do governo de Bachelet, veio com a retroescavadeira reacionária 
para bloquear a alguns "progressos" feitos pela administração anterior, e que não é 
coincidência que o Tribunal constitucional deu a sua aprovação para a restituição do lucro 
como uma forma de administração para os condutores de universidades privadas, bem como a 
aplicação escandalosa da objeção de consciência na Lei do Aborto sob três fundamentos, o 
que resultou que em muitas cidades não há profissionais dispostos a realizar esse 
procedimento por razões morais, no caso de estupro, violentando mulheres que chegam aos 
hospitais nesses casos (exemplo disso é a cidade de Osorno). Por outro lado, o governo 
está obcecado com o controle e a repressão. Estamos em um período em que os novos 
policiais especializados são anunciados para perseguir combatentes e lutadores 
territoriais pertencentes aos povos originários, se propõe uma emenda à lei antiterrorismo 
que na prática irá expandir a fabricação de montagens e a higienização dos fluxos 
migratórios; essas são algumas das propostas que saem do chapéu das democracias do 
capital. O trânsito de pessoas faz parte da relação social produtiva que descaradamente 
enriquece a burguesia. A atuação da polícia com a correia um pouco mais solta resulta em 
inúmeras pessoas presas e feridas em cada manifestação. No campo do chamado 
desenvolvimento global, o TPP11 abre caminho para a consolidação de novas formas de 
dominação que, sob formas antigas, afetam o mesmo grupo explorado; nisto Trump vira a 
camisa e pede a incorporação ao instrumento. As economias em dificuldades e os interesses 
desenfreados pela hegemonia e a acumulação acrescentam novos confrontos em localidades no 
Oriente Médio, onde o número de mortos aumenta silenciosamente.

Antes de todos esses casos de corrupção e refluxo do capitalismo, uma série de questões é 
aberta. Quando cairá os peixes grandes, aqueles que foram enriquecidos durante anos às 
expensas das receitas públicas e do lobby privado? Qual será a saída para os diferentes 
povos latino-americanos em face desta repressão devastadora: mais uma vez populismo de 
esquerda, ou a organização social fora do Estado? Em um território, e ainda mais, em um 
continente cheio de conflitos e contradições - re-surgimento do fascismo - onde tanto a 
esquerda quanto a direita se mostraram iguais, acreditamos que a opção é mais que óbvia: 
organização para enfrentar a ameaça de nossas vidas. A rebelião implica uma rejeição da 
sujeição diária imposta. É urgente estimular as relações comunitárias e a prática da 
solidariedade. De certa forma, observamos que o nosso inimigo determinou o fim da sua 
existência devorando tudo o que ele pode até o seu último suspiro.

Comitê Editorial - Outono de 2018

> Você pode baixar a edição "Rebeldias N° 3, Outono de 2018", aqui:

https://revistarebeldias.files.wordpress.com/2018/04/1rebeldias-nc2b03-otoc3b1o-2018.pdf

Tradução > Liberto


Mais informações acerca da lista A-infos-pt