(pt) France, Alternative Libertaire AL #280 - Março para Mariama: a raiva atravessa o luto (en, fr, pt) [traduccion automatica]

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Terça-Feira, 13 de Março de 2018 - 06:43:01 CET


No final de dezembro, Mariama Kallo foi morto pelo marido em Montreuil. Destrançado depois 
de receber muitas feridas na faca, ela estende a lista dos assassinatos de cônjuges. Os 
vizinhos e vizinhos encontraram-se durante uma marcha silenciosa em sua memória em 10 de 
janeiro. ---- A marcha silenciosa, organizada a partir do pé da torre onde viveu Mariama 
Kallo e para se juntar à prefeitura, reuniu cerca de 300 pessoas. Pessoas de todo 
Montreuil e além. Vizinhos vizinhos, Montreuilloises e Montreuillois afetados, mas também 
ativistas feministas. A tristeza estava em todos os rostos, mas também na raiva. ---- Uma 
caminhada grande e digna ---- Um vizinho falou veementemente, chamando o prefeito. Uma 
disputa ocorreu entre os funcionários eleitos e os habitantes da cidade no início do 
evento, para saber quem andaria perante o evento. No final, os segundos ganharam. O 
sentimento era que as chamadas de socorro de Mariama não eram ouvidas pela polícia e pelos 
serviços sociais. Os vizinhos intervieram no passado para evitar que seu marido a 
atingisse. Alerta, a polícia colocou, com tanta frequência em tais casos, 45 minutos para 
intervir. Após o assassinato, seu corpo permaneceu dez horas abaixo do prédio, antes que 
finalmente os serviços funerários venham cuidar dele. Todos esses atrasos, esta 
negligência, ? Os habitantes e os habitantes têm sua opinião sobre a questão.

Mariama, como tantas mulheres

É o blog Bondy que nos diz quem era Mariama Kallo. Chegou há um ano e meio na França, ela, 
de acordo com vizinhos e vizinhos, rapidamente foi vítima de violência de seu marido. Ela 
trabalhou, ela limpou hotéis. Pode-se imaginar a dureza da vida de alguém, sem espaço de 
liberdade, explorada no trabalho, explorada e abusada em casa. Seu homicídio prolonga a 
longa lista de mulheres mortas a cada ano pelo seu cônjuge na França. Essas mulheres, 
vítimas do chamado feminicídio, vêm de todas as categorias sociais. Eles têm em comum 
suportar o peso da dominação dos homens à sua volta. Vamos homenagear Mariama Kallo, e 
lembre-se que a violência dos homens é o que lhes permite manter-nos na exploração 
doméstica e econômica. Vamos homenagear Mariama Kallo,

Adèle (AL Montreuil)

http://www.alternativelibertaire.org/?Marche-pour-Mariama-La-colere-perce-sous-le-deuil


Mais informações acerca da lista A-infos-pt