(pt) Organização Específica Anarquista - Amazonas (OEA): Viva os 34 anos do Exército Zapatista de Libertação Nacional (EZLN)!

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Domingo, 21 de Janeiro de 2018 - 08:51:20 CET


17 de Novembro de 1983: Fundação do Exército Zapatista de Libertação Nacional (EZLN) ---- 
"O grande poder mundial ainda não encontrou a arma para destruir sonhos. Enquanto não a 
encontrar, continuaremos a sonhar, ou seja, continuaremos a realizar". ---- Há 34 anos os 
direitos dos indígenas e dos camponeses foram defendidos mediante armas e palavras pelo 
Exército Zapatista de Libertação Nacional (EZLN), que corajosamente enfrentaram um Estado 
mexicano repressivo e ditador, que ignorava as necessidades das minorias étnicas. 
Realidade que hoje não mudou de todo. ---- Para demandar democracia, liberdade, justiça e 
melhorias para os povos indígenas e camponeses de Chiapas e todo o México, há 34 anos, o 
Exército Zapatista de Libertação Nacional (EZLN) fez sua primeira aparição pública em 1° 
de janeiro de 1994.

Seu objetivo era claro: repudiar o sistema político neoliberal mexicano com suas promessas 
de modernização, que mantinha apática a comunidade indígena e camponesa, assim como 
estabelecer uma democracia participativa. O EZLN exigia a reivindicação de propriedade 
sobre as terras tiradas das comunidades indígenas, a divisão da riqueza e a participação 
das diferentes etnias tanto na organização de seu estado (Chiapas) como do país.

Mas, talvez, as palavras do Subcomandante Marcos resumam melhor o objetivo deste grupo 
insurgente: "A tomada do poder? Não, apenas algo mais difícil: um novo mundo". expressou 
em um comunicado em 2 de fevereiro de 1994.

Ainda que a EZLN tenha feito sua aparição pública em 1° de janeiro de 1994, na realidade, 
nasceu em 1983, quando foi criado o primeiro acampamento guerrilheiro na Selva Lacandona, 
em Chiapas. Seu nome é em homenagem ao herói e figura da Revolução Mexicana, Emiliano Zapata.

A primeira luta armada do EZLN (1994):

No dia de sua primeira aparição pública, o Exército Zapatista de Libertação Nacional 
(EZLN) surpreendeu o México e o mundo inteiro com uma insurreição armada imprevista no 
estado de Chiapas (sudeste), que passou para a história como o Levante Zapatista.

Um grupo de indígenas armados ocuparam sete cabeças municipais de Chiapas: San Cristóbal 
de Las Casas, Altamirano, Las Margaritas y Ocosingo, Oxchuc, Huixtán e Chanal. A batalha 
foi implacável. A ocupação dos diversos municípios foi respondida com o envio de tropas 
federais, cujo número e brutal arremetida fez com que o objetivo dos zapatistas não se 
cumprisse em sua totalidade e tiveram que se retirar para a selva.

Os combates, que duraram 12 dias, ocasionaram dezenas de mortos, a grande maioria 
zapatistas. No entanto, a batalha serviu para que se abrisse um processo de diálogo sobre 
as reivindicações da insurgência, que reclamava o direito à terra, habitação, educação, 
saúde e emprego.

Em 16 de fevereiro, iniciam as primeiras conversas entre o EZLN e o governo federal, que 
terminaram com a assinatura, em 1996, dos acordos de San Andrés sobre o "Direito e Cultura 
Indígena", que comprometiam o Estado a reconhecer os povos indígenas constitucionalmente e 
que estes gozariam de autonomia. Até a data, os acordos não haviam sido cumpridos pelo 
Estado mexicano. Os diálogos também deram origem à fundação do Congresso Nacional Indígena 
(CNI), em outubro de 1996.

Declaração da Selva Lacandona (1994):

No dia de sua aparição pública, o EZLN também pronunciou a Primeira Declaração da Selva 
Lacandona, onde informaram as causas de seu levante: exigiam terra, trabalho, teto, 
alimentação, saúde, educação, liberdade, independência, democracia, justiça e paz.

Massacre de Acteal (1997):

Apesar da disposição do Exército Zapatista em dialogar e entregar as armas, o Estado 
mexicano nunca deixou de assediá-los. Prova disto foi o massacre em 1997 da comunidade de 
Acteal, da etnia Tzotzil, em Chiapas, por parte de paramilitares militantes do Partido 
Revolucionário Institucional (PRI), que assassinaram 45 pessoas e três por nascer.

Os funcionários dos governos local e federal acusados pelo EZLN e pelas organizações civis 
de propiciar o massacre, jamais foram julgados.

Marcha da Cor da Terra (2001):

A "Marcha da Cor da Terra", realizada em dezembro de 2001, liderada pelo Exército 
Zapatista, é recordada como uma mobilização sem precedentes na história do México.

"37 dias de caminhada; 6.000 quilômetros. Nesse caminho passamos por 13 estados da 
república mexicana e, depois, entramos na terra que cresce para cima, a Cidade do México", 
assim a descreveu o Subcomandante Marcos.

Um milhão de pessoas deram as boas vindas aos zapatistas em sua chagada à Cidade do 
México, entre eles o escritor José Saramago; a ativista francesa, Danielle Miterrand; o 
porta-voz da organização internacional Via Campesina, José Bové; assim como outras 
personalidades.

2001 também foi o ano em que todos os partidos políticos do México aprovaram, por 
unanimidade, uma reforma constitucional que desconheceu os Acordos de San Andrés, tornando 
assim oficial o desconhecimento dos direitos e cultura indígena. Nada voltaria a ser igual 
desde a aprovação dessa fatídica reforma. Para o Exército Zapatista, a autonomia e a 
autogestão seriam o passo seguinte.

Criação de Los Caracoles e das Juntas de Bom Governo (2003):

Após a traição do governo ao não cumprir os Acordos de San Andrés, o EZLN decidiu 
exercê-la unilateralmente mediante a criação, em 2003, de Los Caracoles e das Juntas de 
Bom Governo, que reforçara o princípio do "mandar obedecendo".

Desde sua criação, foram formados professores e médicos zapatistas e se construíram 
escolas e clínicas. Além disso, se desenvolveu um sistema de justiça que congrega tanto 
zapatistas como outros membros da sociedade por ser mais eficaz que o institucional.

"A Outra Campanha": uma luta própria (2006):

Em 2006, durante as eleições presidenciais do México, os zapatistas embarcaram em uma 
viagem de seis meses por 32 estados, uma iniciativa chamada "A Outra Campanha". O 
propósito era dizer aos partidos políticos que para construir um novo país não era 
necessário apoiar seus candidatos, mas que empreenderiam uma luta própria.

A intenção da "A outra Campanha" era escutar o povo mexicano que queria uma sociedade 
democrática e acabar com o capitalismo e o racismo. Nas eleições presidenciais de 2006, 
foi vencedor o candidato do direitista Partido Ação Nacional, Felipe Calderón Hinojosa, 
lembrado por militarizar a guerra contra narcotraficantes e gerar uma onda de violência 
que assola o México te hoje.

Subcomandante Marcos ‘desaparece' da cena pública (2014):

Na madrugada de 25 de maio de 2014, o Subcomandante Marcos, lendário líder do Exército 
Zapatista, anunciou seu ‘desaparecimento'. O anuncio foi feito do Caracol de La Realidad, 
sede do governo autônomo zapatista, nas profundezas da Selva Lacandona. Seu substituto 
seria o Subcomandante Moisés.

A intenção era que as mídias focassem mais sua atenção na EZLN e não no Subcomandante 
Marcos, cujas poéticas palavras tiveram forte repercussão no mundo, sobretudo na imprensa 
nacional e internacional.

Marcos não foi um de seus fundadores, mas sua chegada ao grupo foi nove meses depois da 
criação do mesmo. Seu verdadeiro nome era Rafael Sebastián Guillén Vicente e era um 
professor de comunicação da Universidade Autônoma Metropolitana (UAM), antes de encabeçar 
o EZLN.

Com a saída de Marcos, o EZLN começou a transformar-se e, hoje, continua vigente. Sua luta 
pelos direitos dos indígenas e camponeses não cessou. Mostra disto é seu apoio aos jovens 
normalistas desaparecidos de Ayotzinapa.

Apesar da invisibilidade dos meios de comunicação, o lendário Exército Zapatista de 
Libertação Nacional continua mudando a história do México a 34 anos de sua primeira 
aparição pública.

VIVA O EZLN!
VIVA O ZAPATISMO!

https://anarquismoam.wordpress.com/2017/11/17/viva-os-34-anos-do-exercito-zapatista-de-libertacao-nacional-ezln/


Mais informações acerca da lista A-infos-pt