(pt) [Reino Unido] Reflexões sobre a organização anarquista By A.N.A. Por Jon Bigger

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Terça-Feira, 2 de Janeiro de 2018 - 07:57:28 CET


Viver em um campus universitário significa que entro em contato com muitas pessoas 
interessadas em política pela primeira vez. Alguns nunca ouviram falar do anarquismo e 
outros têm um conhecimento muito limitado do que é. É um pouco diferente de conhecer e 
discutir o anarquismo com pessoas de 20 anos ou mais, que pensam que sabem o que é o 
anarquismo e esperam ter uma longa e agradável discussão em que podem demonstrar que estás 
equivocado. ---- As conversas sobre o anarquismo com o segundo grupo de pessoas são 
confrontações. Eles já estabeleceram seus preconceitos, mas em vez de simplesmente dizer 
"eu acho que você está equivocado", iniciam uma conversa aparentemente interessada no que 
você acredita e por que você faz isso. Não importa como você responda, já decidiram: "As 
pessoas são muito egoístas para que o anarquismo funcione", dizem. "É por isso que 
precisamos do anarquismo", você insiste. "Precisamos de um sistema que impeça as pessoas 
egoístas de ter poder e riqueza além do justo que lhes corresponda". Isso não os satisfaz 
e eles gastam o que parecem horas explicando a maneira pela qual a natureza humana prova 
que você estás equivocado. Ou talvez eu estivesse conhecendo pessoas erradas.

O primeiro grupo, por outro lado, pode ser muito mais receptivo. Recentemente, participei 
de um grupo horizontal com decisões coletivas através da democracia direta. Nos 
encontramos para analisar a ação, realizar ações e nos encontrar para avaliar a eficácia 
destas antes de planejar a próxima atividade. Embora haja dois ou três assíduos no grupo 
que se chamem anarquistas, o corpo principal do grupo está lá por causa do problema que 
enfrentamos. No entanto, o fato de que está organizado de acordo com os princípios 
anarquistas começou a suscitar alguma curiosidade dentro do grupo e as pessoas começaram a 
fazer perguntas com um interesse sincero.

Começaram a compartilhar livros e panfletos sobre organização anarquista. "Não posso 
acreditar que essas ideias não sejam mais conhecidas", disse alguém outro dia, começando 
uma conversa sobre grupos não hierárquicos. Isso leva a uma discussão sobre termos como 
"solidariedade", "igualdade" e "horizontalismo". À medida que realizamos nossa ação 
direta, falamos de anarquismo; como objetivo final e também como atividade diária.

Concluímos que não há um resultado final. O anarquismo como forma de vida cotidiana começa 
no aqui e agora e nunca cessa. É o desafio contínuo ao poder e a autoridade. Podemos 
alcançar o que poderíamos consider uma forma de sistema e sociedade anarquistas, mas 
devemos aceitar que o processo de mudança revolucionária talvez nunca termine. Sempre 
precisamos estar preparados para desafiar a hierarquia cada vez que comece a se 
solidificar ou a recriar. Não podemos supor que um sistema evitará que a energia se 
solidifique sem a participação ativa de indivíduos e grupos.

Em um sistema democrático direto, por exemplo, pode ser necessário desafiar aqueles que 
têm responsabilidades delegadas e poderes temporários. Em um sistema econômico comunal, 
pode ser necessário assegurar ativamente a igualdade se as pessoas acumulam riqueza, 
comida ou abrigo além de uma distribuição justa. A ideia de criar organizações dentro da 
nossa sociedade atual que possam substituir as antigas, uma vez que elas se tornam 
redundantes, significa que, quando praticamos o anarquismo, criamos o futuro, não importa 
o quanto possa ser percebido ou quantas discussões ou cismas existam no mesmo movimento.

O cerne dessas experiências é que não precisamos converter a todos em anarquistas. O grupo 
em que pertenço é composto de pessoas focadas em um objetivo específico. Esse objetivo se 
sobrepõe ao de outros grupos e, portanto, surge lentamente uma rede baseada em ações de 
ajuda mútua e solidariedade. À medida que mais pessoas se envolvem e veem o valor desse 
método de organização, vejo que as pessoas desenvolvem habilidades que podem transferir 
para outros grupos. Eles estarão conscientes da importância de atuar da mesma maneira e 
poderão fazê-lo em outros grupos.

Às vezes, o mais revolucionário que podemos ser é começar com as coisas mais próximas de 
nós. Alguns dos grandes problemas do mundo parecem tão longe que nos sentimos impotentes 
para mudá-los. Mas, começando com problemas pequenos e locais, podemos fazer uma pequena 
diferença. Também é possível interagir com outras pessoas que também fazem pequenas 
diferenças em nossa área e de repente vejamos uma mudança significativa.

Ao reflerir sobre 2017, não posso deixar de me sentir um pouco triste e angustiado. Os 
desafios são enormes e, às vezes, eu sinto que mergulhamos na água para sermos levados 
pela corrente. Sinto-me abatido pelo estado do movimento e as disputas entre grupos que 
explodem no seu seio. No entanto, quando vejo as pequenas coisas, as coisas próximas, 
gerenciáveis e controláveis, percebo a diferença de que outros e eu estabelecemos juntos. 
O sucesso não é um grande protesto com muita publicidade. O sucesso pode ser um monte de 
resultados pequenos, mas positivos, que realmente mudam vidas. Um dos resultados que 
devemos buscar é espalhar nossos valores e formas de organização entre pessoas que não 
sabem o que é o anarquismo. Para mim, fazer isso positivamente, por exemplo, foi uma das 
melhores lições do ano passado.

Fonte: https://freedomnews.org.uk/reflections-on-anarchist-organising/

Tradução > Liberto


Mais informações acerca da lista A-infos-pt