(pt) anarquismo: Nota da CAB sobre a Intervenção federal e militar no Rio de Janeiro by Coordenação Anarquista Brasileira (CAB)

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Domingo, 25 de Fevereiro de 2018 - 07:37:06 CET


Na última sexta-feira (16) o governo de Michel Temer (MDB) lançou um decreto que colocou a 
área da segurança pública do Estado do RJ sob o comando do exército brasileiro na figura 
de seu general Walter Braga Neto. Uma intervenção federal apresentada como solução ao que 
as elites dominantes chamam de "crise" na segurança pública e que deve ser entendida como 
um desdobramento do governo de choque já aplicado ao estado. ---- Não é a primeira vez que 
o exército atua no RJ. As intervenções militares em comunidades e favelas cariocas são uma 
realidade. Contudo, a novidade está na centralização de comando de toda a segurança 
pública nas mãos de um comando militar. Se o expediente militar no controle social e na 
repressão dos oprimidos foi utilizado inclusive nos governos petistas, um novo passo foi dado.

Com isso o Estado desvia a atenção da população da discussão da reforma da previdência 
para a questão da segurança pública, e com a criação do Ministério de Segurança Pública, 
talvez obter maior apoio de setores reacionários da sociedade que urgem pela intervenção 
militar. Não será com tanques e soldados militares atuando como polícia que um problema de 
ordem estrutural do sistema capitalista vai ser resolvido, pelo contrário, isso tende 
somente a agravar a situação da (in)segurança pública no RJ e manter as comunidades 
cariocas, onde está o povo preto e pobre, mais que nunca, militarizadas e controladas pelo 
Estado.

Mas esse passo aprofundará o caos social que vem junto às desigualdades sociais criadas 
pelo sistema de dominação capitalista. Sistema que na atual etapa exige a retirada de 
direitos, o colapso dos serviços públicos e sua privatização e que oferece como 
contrapartida botas, fuzis e capacetes. No curto prazo, este sistema quer fazer passar a 
todo custo a reforma da previdência que na prática acaba com a aposentadoria dos e das 
trabalhadoras.

Em síntese, ao lado das políticas de ajuste fiscal e de retirada de direitos, desde os 
governos petistas com a Lei Anti Drogas, Lei das Organizações Criminosas e por final a Lei 
Anti Terrorismo, vemos a escalada de um Estado Policial que intensifica a faceta 
repressiva do sistema contra a população negra, contra a pobreza e contra as lutas sociais 
sob a desculpa de guerra às drogas e ao crime.

Nós da Coordenação Anarquista Brasileira repudiamos a intervenção federal no RJ e dizemos:

Nem Exército, nem Reforma!

https://anarquismo.noblogs.org/?p=905


Mais informações acerca da lista A-infos-pt