(pt) [Espanha] Manifesto pela desaparição do Vale dos Caídos – Marcha 20 de abril de 2019 By A.N.A. (ca, en)

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Segunda-Feira, 31 de Dezembro de 2018 - 06:40:19 CET


A ignomínia do Vale dos Caídos deve desaparecer ---- A CNT faz um chamado a todas as 
organizações sindicais, sociais e políticas a participar em uma marcha ao Vale dos Caídos 
no sábado, 20 de abril de 2019. ---- Em 2019 completam 60 anos de sua construção. Um 
monumento que é lugar de peregrinação fascista e culto ao bando franquista. ---- O Vale 
dos Caídos foi construído entre 1940 e 1958 durante o franquismo como homenagem aos caídos 
em guerra do bando franquista e exaltação ao Regime. Um monumento que foi construído por 
prisioneiros antifranquistas. Nele se encontram enterrados 33.833 corpos de ambos os 
bandos, ainda que sabemos que a cifra oficial é pequena. ---- Neste “monumento” também 
estão enterrados José Antonio Primo de Rivera, fundador da Falange, organização fascista 
que teve a seu cargo a repressão sistemática contra pessoas pertencentes a organizações 
sindicais, partidos de esquerda e seus familiares, repressão ampliada às tropas sublevadas 
e a seus colaboradores, civis e eclesiásticos. E Francisco Franco, militar golpista, chefe 
supremo do bando sublevado e ditador durante quatro eternas décadas.

É inconcebível que em um país que se chama a si mesmo democrático se permita ainda render 
culto aos que acabaram com os direitos e liberdades conseguidos a força de anos e anos de 
luta.

Ainda mais inconcebível é que se esteja negociando com a família do ditador o translado de 
seus restos a conveniência dessa família que amealhou sua fortuna graças ao espólio e o 
roubo durante mais de 40 anos de ditadura e que segue gozando de benefícios e privilégios 
inimagináveis em um lugar civilizado. Propomos a solução tomada pela Alemanha no caso de 
outros reconhecidos fascistas, jogar suas cinzas em algum lugar desconhecido.

E a Igreja, colaboradora necessária, segundo a ONU, no extermínio efetuado pelo Regime, 
deixa claro quem é, com seu convite para servir de lugar de sepultamento do ditador na 
Catedral da Almudena. Era de se esperar.

O Vale dos Caídos representa a ignomínia para as pessoas que morreram lutando contra o 
fascismo ou foram assassinadas durante a guerra e a ditadura. Uma guerra que teve 
consequências terríveis para a população civil. Mais de 500.000 mortes entre vítimas civis 
e combatentes, 450.000 pessoas obrigadas a exilar-se, e milhares delas foram deportadas a 
campos de concentração e de extermínio sob o domínio da Alemanha nazi, centenas de 
milhares de represaliados/as durante o franquismo (Espanha é, ATUALMENTE; o segundo país 
do mundo com maior número de desaparições forçadas), mulheres tiveram as cabeças raspadas 
e foram violadas, deixadas sem possibilidade de subsistência, milhares de bebês roubados 
de suas mães, prática que continuou no período da democracia e tantas outras formas de 
humilhação e destruição dos vencidos.

Todas essas vítimas, mulheres, homens, meninas e meninos, tem nomes e sobrenomes e merecem 
ser recordadas. Suas famílias merecem ser escutadas e dispor de um lugar digno onde chorar 
a seus familiares. E seus verdugos têm de ser julgados e condenados ao lugar da história 
que se merecem e fora de um lugar onde se exaltam sua memória e seus crimes.

Por tudo isso, a Confederação Nacional do Trabalho exige:

– A retirada dos corpos de José Antonio Primo de Rivera e de Francisco Franco Bahamonde.

– A expulsão, com anterior auditoria de contas e bens, dos monges beneditinos. E que o 
Estado deixe de financiá-los, ali e em qualquer outro lugar.

– A transformação do Valle em um lugar de memória e recordação das vítimas do franquismo, 
onde desapareça toda simbologia franquista, e sobretudo, a cruz.

– Recuperar o verdadeiro termo pelo qual se conhece este entorno natural, “Cuelgamuros”.

– Uma condenação pública e com consequências por parte do Estado espanhol e todas as 
instituições e organizações que são parte do mesmo, do golpe de estado de 1936 e do regime 
franquista.

– A entrega ao Estado, e ao povo em geral, da documentação sobre as pessoas enterradas no 
Vale, atualmente em poder do abade do monastério, que a trata como pertence pessoal e 
ideológica.

– Que se exumam os restos das vítimas que, inclusive depois de mortas, foram tratadas como 
vencidas e enterradas com seu verdugo.

– Que a exumação se faça realizando provas de DNA para a posterior judicialização dos 
assassinatos.

– A derrogação da lei de anistia de 1977.

– Que todo este processo seja acompanhado por pessoas da ONU especialistas em genocídio e 
desaparições forçosas.

Após mais de quarenta anos de pretendida democracia e negligência política, leis pela 
memória histórica feitas sob encomenda e homenagens a franquistas permitidos e muitas 
vezes fomentados por parte das instituições do Estado, é hora de trabalhar todas as 
organizações conjuntamente com o fim de converter o mausoléu franquista em um lugar de 
memória de todas as vítimas do genocídio franquista.

A batalha da memória contra o esquecimento é fundamental entre todas as que se estão 
levando em favor dos direitos e liberdades. De nós depende que o franquismo ganhe ou perda 
esta batalha. Nossos familiares, e para a CNT todos os companheiros e companheiras mortos 
e represaliados o são, como defendemos ante a ONU, merecem e devem ser recordados. 
Reabilitar nosso passado também é dignificar sua luta e a nossa.

Sejamos dignos herdeiros de suas ideias e de suas reivindicações, gritemos alto e claro: 
por mais que 80 anos tenham passado desde o final da guerra, O fascismo Não Passará! Nós 
Passaremos!

Memória, Dignidade e Luta!

Secretariado Permanente do Comitê Confederal

Fonte: 
http://cnt.es/noticias/manifiesto-por-la-desaparici%C3%B3n-del-valle-de-los-ca%C3%ADdos-marcha-20-de-abril-de-2019

agência de notícias anarquistas-ana


Mais informações acerca da lista A-infos-pt