(pt) [Japão] Irregular Rhythm Asylum, um espaço anarquista em Tóquio By A.N.A. (en)

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Terça-Feira, 7 de Agosto de 2018 - 07:46:21 CEST


Irregular Rhythm Asylum (IRA) é um infoshop aberto em 2004. Mantendo anarquismo, arte e 
ativismo como assuntos principais, conta com livros, zines e outros bens relacionados à 
movimentos sociais, cultura de resistência e com o cenário DIY, do mesmo modo que serve 
como espaço para reunir as pessoas envolvidas, tanto do Japão como estrangeiros. IRA 
também serve de local para eventos: conversações, exposições, mostra de filmes, workshops, 
festas... ---- por Jack Heslehurst ---- As luzes de neon piscando de Shinjuku ilumina um 
bairro famoso pela multidão incessante em sua estação, seus arranha-céus de vidro e ferro 
ocupados pela elite empresarial nacional, grandes lojas e a marca distinta de imoralidade 
que emana de Kabukicho. No entanto, tudo isso engana sobre o passado de Shinjuki como o 
núcleo do nascimento da contracultura.

Nos anos 60, Shinjuku era uma concentração de radicais, artistas e intelectuais com uma 
miríade de convicções, um lugar no qual pessoas com as mesmas opiniões podiam se expressar 
em oposição ao "milagre econômico", que estava transformando as instituições do Japão 
rapidamente. Foi o lar do movimento angura (underground), aonde hippies cantaram, beatniks 
agiram, vanguardistas performaram e esquerdistas protestaram. Em 1968, as ruas de Shinjuku 
também viraram um campo de batalha, pois as manifestações antiguerra irromperam em violência.

Infelizmente, pouca evidência dessa época sobreviveu às máquinas de demolição e escavação 
do aperfeiçoamento. Isso é, exceto o Irregular Rhythm Asylum (IRA). Localizado no terceiro 
andar de um apartamento modesto ao leste de Shinjuku, alguns minutos do Shinjuku Gyoen, o 
IRA é um dos espaços de contracultura mais importantes de Tóquio.

Kei, o proprietário, descreve o lugar como um "infoshop" - isso é, um ponto para artistas 
locais e internacionais, ativistas e curiosos com vontade de aparecer e compartilhar 
ideias, mostrar seu trabalho e passar tempo. Quem quer que você seja, será bem-vindo de 
braços abertos na pequena loja, aonde Kei sempre estará atrás do balcão. Fluente em inglês 
e totalmente alegre, Kei sempre está disposto a conversar e mostrar o espaço para as 
pessoas. Do mesmo modo que funciona como um local para encontros, o IRA também vende uma 
variedade de livros (incluindo uma boa quantidade de títulos ingleses), zines, CDs (muitos 
punks) e itens feitos manualmente, como camisetas, bolsas e badges.

O IRA começou a funcionar em 2004 quando Kei assumiu o espaço de um grupo de amigos 
designers. Ele acredita que lugares como o IRA são importantes para os artistas DIY e 
músicos, assim como para promover ativismo sem hierarquia e destacar assuntos importantes 
que possam passar despercebidos pelo mainstream (convencional). Antirracismo e antinuclear 
(especialmente após o desastre de Fukushima) estão no centro disso, embora recentemente a 
resistência a alguns elementos destrutivos da Olimpíada de Tóquio em 2020 também estejam 
agitando o local. Se você quer aprender mais sobre esses problemas, ativismo no Japão de 
forma mais genérica ou apenas participar, sinta-se à vontade para aparecer.

O IRA também fornece o espaço para eventos regulares e workshops que sempre trazem novos 
participantes. No começo das noites de quinta-feira (começando às 19h), um grupo chamado 
A3BC se junta para um workshop de xilogravura, onde pinturas com temas políticos são 
criadas em coletivo. Mesmo aqueles sem experiências são encorajados a participarem e 
aprenderem tudo o que precisam saber. Da mesma forma, nas terças-feiras, uma roda de 
costura se reúne e todo o equipamento é fornecido sem custos.

Além desses eventos, também há palestras periódicas, mostras de filmes e festas. Dois 
eventos particularmente notáveis aconteceram lá no ano passado: as palestras de arte 
política no Japão nos últimos 100 anos e uma festa especial organizada pelo coletivo de 
zine Perzine Blues Syndrome, que contou com a participação de vários criadores de zine de 
todo o mundo. Também no ano passado o IRA organizou o No Limit, um festival de eventos por 
Tóquio que durou uma semana. Juntando artistas e ativistas de toda a Ásia, o evento foi 
elaborado para desenvolver solidariedade e expor artes radicais. Para saber mais sobre 
isso e tudo que acontece no IRA, cheque a página deles no Facebook.

Não faltam lojas em Tóquio para comprar livros ingleses, mas nenhuma possui um estoque 
como o do IRA. Claro, títulos de anarquistas famosos como Emma Goldman, Bakunin e Chomsky 
estão presentes, mas também se encontra uma excelente variedade de livros escritos por 
autores menos conhecidos e editores independentes para serem pesquisados. Quando perguntam 
por recomendações, Kei rapidamente pega o My Escapes from Japando Osugi Sakae, um relato 
das façanhas de um anarquista japonês em Shangai e Paris durante os anos 20. Longe dos 
livros, os zines feitos à mão, berloques, camisetas e outros itens também são ótimos, e 
você certamente não vai achá-los em outro lugar pela cidade.

Ao passo que Shinjuku pode ter perdido sua reputação de radical, esse centro 
multidisciplinar de arte, política e cultura DIY está, certamente, fazendo um bom trabalho 
em manter a bandeira da contracultura hasteada. O IRA é um pouco de ar fresco e vale a 
pena a visita.

Irregular Rhythm Asylum

Endereço: 160-0022, Shinjuku, Shinjuku-ku Tóquio, Japão.

Localidade: Shinjuku

Telefone: +81 3-3352-6916

Site: ira.tokyo

FB: irregularrhythmasylum

Tradução > Lucas Insuela


Mais informações acerca da lista A-infos-pt