(pt) [Espanha] Crônica do primeiro dia de um julgamento sem provas By A.N.A. (ca)

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Sábado, 14 de Abril de 2018 - 09:13:08 CEST


Depois de quase seis anos, chega o julgamento do denominado "Não Caso", no qual dois 
membros da CNT de Logroño enfrentam penas de mais de 9 e 7 anos de prisão após terem sido 
acusados de uns atos que não realizaram. ---- Abrigados pela solidariedade de familiares e 
companheirxs, os dois sindicalistas chegaram ao julgamento do último caso pendente por 
fatos relacionados com a greve de 14N de 2012. Mais uma das montagens policiais dirigidas 
a criminalizar o movimento sindical e social deste país, como os que vem se sucedendo 
desde então. ---- A sessão já teve um começo estranho, já que os acusados tiveram que 
declarar antes que seus acusadores, quando o normal - e o lógico processualmente - costuma 
ser o contrário. E é que, se um tem que começar defendendo-se antes de que lhe acusem, se 
está negando a presunção de inocência a que, supostamente, qualquer pessoa tem direito.

Mas isto já vem ocorrendo desde o início de todo o processo. Porque este é um julgamento 
no qual a acusação carece de prova alguma contra os acusados. A versão da polícia é o 
único argumento para acusar Jorge e Pablo. E essa é uma versão, que a julgar pelas 
declarações na sessão de hoje (09/04), parece mais própria do desejo de incriminar-lhes 
que de uma descrição fiel dos fatos. Inclusive à vista dos vídeos gravados pelos 
manifestantes, que demostraram que as acusações eram falsas, os policiais seguiram 
mantendo sua particular "recordação" dos fatos. Uma "recordação" que em absoluto coincide 
com a realidade, como ficou patente.

E é que só puderam ver-se as gravações que fizeram os próprios manifestantes, já que a 
polícia destruiu suas próprias gravações, por não considerá-las com "qualidade" 
suficiente. Tampouco foi possível dispor das realizadas pelas câmeras fixas do edifício do 
governo regional, já que foram destruídas rotineiramente ao não terem sido solicitadas 
como prova, ainda que Jorge e Pablo foram acusados justo no dia depois da manifestação.

Tanto Jorge como Pablo negaram todas as acusações contra eles. Como não podia ser de outra 
maneira, já que Pablo não lançou nenhuma pedra nem objeto contra a polícia e tampouco 
resistiu à detenção, como sustenta essa mesma polícia. Jorge, acusado de incitar à 
violência ao que parece, por cantar lemas como ‘o patrão só entende uma linguagem: 
boicote, greve e sabotagem', teve que explicar o significado de dito lema. Kafka não o 
teria escrito melhor.

Teria que esclarecer que este julgamento está se realizando porque tanto Jorge como Pablo 
rechaçaram o "trato" oferecido pela promotoria pelo que se rebaixavam as penas de 9 e 7 
anos respectivamente, a outras inferiores que evitavam o ingresso na prisão se se 
declarassem culpados. Depois de cinco anos de estar solicitando penas gravíssimas contra 
estas duas pessoas, cidadãos, supomos, apesar de serem membros da CNT, quando se aproxima 
o julgamento e para evitar que fique em evidência a trama desta montagem, se pretendem 
deixar em uma simples multa. Isso diz tudo deste processo.

Secretariado Permanente do Comitê Confederal

Fonte: 
http://cnt.es/noticias/nocaso14n-cr%C3%B3nica-del-primer-d%C3%ADa-de-un-julgamento-sin-pruebas

Tradução > Sol de Abril


Mais informações acerca da lista A-infos-pt