(pt) France, Alternative Libertaire AL - internacional, Bruxelas: comunistas libertários contra o estado de guerra (en, it, fr) [traduccion automatica]

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Segunda-Feira, 28 de Março de 2016 - 14:30:39 CEST


Apesar acontecimentos de ontem, a determinaçào da Alternativa Libertaire Bruxelas continua 
a mesma. Nós nào sucumbir ao medo, nem hipocrisia nem qualquer unidade nacional. ---- "O 
governo usa o medo do terrorismo para a populaçào aceitar as piores medidas de segurança 
e, assim, cortar as liberdades de todos. O estado de emergência permite ao governo para 
restaurar a consistência política quando ele é desafiado por meses para as suas políticas 
anti-sociais. Nào deixá-los calar as mobilizações sociais!" ---- Extracto da plataforma 
Belga "Pare o estado de guerra", em que Alternativa Libertaire Bruxelas participou desde 
Janeiro de 2016. ---- PARE o estado de guerra na Bélgica, como no estrangeiro! ---- Após a 
indignaçào com o horror dos ataques em Paris em 13 de Novembro de 2015, devemos tomar 
posiçào contra a segurança ea escalada bélica no qual o governo belga está empenhada 
incansavelmente aplicar a lógica de que os estados ocidentais desde guia 11 de setembro de 
2001 e que nos conduziu à situaçào atual.

Primeiro, as guerras no Oriente Médio e África, causando milhares de mortes em nome da 
"democracia" e "luta contra o terror". O atual caos internacional é o único resultado 
tangível.

Por outro lado, as nossas liberdades e nossos direitos sofrem severas restrições, discurso 
de segurança e racistas apoio. Em nome da defesa da "frente interna" um pouco a cada dia 
ele come mais "democracia".

A guerra estrangeira

As guerras no Afeganistào, Iraque, Líbia, Mali e mais recentemente na Síria, onde os 
nossos governos nos levar nào acabou com o "terrorismo", muito pelo contrário. Claramente, 
eles servem a outros propósitos como o exemplo do Iraque tem mostrado.

O comércio de armas lucrativos, entre outros, ilustra que o discurso sobre a democracia ea 
luta contra o terrorismo escondendo outros interesses. Além do benefício direto, o apoio 
dos nossos governos para esquemas que fornecem apoio financeiro e logístico ao terrorismo 
mostra como os interesses geopolíticos e comerciais sào fundamentais para a lógica da 
morte que nossas vendas de armas e nossa sede em curso óleo e / ou minerais barata 
constantemente alimentar.

A soluçào nào virá de imperialismo, mas dos povos na luta contra a regiào Daech e contra 
todas as formas de totalitarismo. Se nossos governos se recusam a apoiar essa resistência, 
afirmamos o nosso apoio a nossa parte para suas reivindicações.

Uma guerra interna

A luta contra o terrorismo é agora utilizada como pretexto para atacar dia após dia 
liberdades públicas que dizem defender. As medidas de segurança em perigo as liberdades 
públicas sem garantir a segurança humana.

Em nome da segurança, as medidas "anti-terroristas" permitir a invasào de privacidade de 
toda a populaçào: de escutas telefônicas, câmeras de segurança, o deslocamento de 
monitoramento, etc.

Em nome da protecçào dos cidadàos, o estado dá mais poderes e armas, de modo que os 
direitos democráticos sào mais limitadas: custódia policial durante 72 horas, espingardas 
automáticas, soldados nas ruas, etc.

A proibiçào de reuniões e conferências para proibir demonstrações para o clima através do 
desejo de limitar o direito à greve: política de segurança é usado para sufocar a 
dissidência. Centenas de milhões de menos para a educaçào ea saúde vào diretamente para a 
guerra e política de segurança. Esta política de destruiçào da solidariedade colectiva e 
do direito de expressào democrática alimentando a insegurança, exclusào e dinâmica de 
divisào na sociedade, ou seja, as causas do que é chamado de "radicalismo" e "terrorismo".

Estado racismo

O racismo, a discriminaçào racial e violência policial sào uma realidade diária nos 
bairros, especialmente para racisé.es belgas e migrant.es Para justificar esta violência 
contínua, o discurso cada vez mais islamofóbica e racista, de mídia e política, construir 
durante anos a imagem do "inimigo interno", que seriam os musulman.es e migrantes. Em cada 
etapa, para que eles estào aprofundando as divisões e banalizaçào do ódio.

A luta contra o terrorismo serve de pretexto para intensificar a presença e repressào 
policial nos bairros. Pesquisas, controlos de identidade, detenções arbitrárias, etc. O 
fortalecimento do estado de alerta permitiu o estado para intensificar islamofobia 
musulman.es-vis-à-vis e excluindo migrant.es

ataca as consequências políticas sào já claramente sentida

As medidas de segurança têm um custo adicional de 400 milhões de euros para reforçar a 
segurança "civil" e outros 18 milhões a mais para os militares. Bill, que aumenta quando 
acrescentamos 14 milhões por mês, que custou a 6 aviões de guerra belgas no Iraque.

Enquanto o orçamento para a segurança e a guerra está constantemente a aumentar, mas o 
governo continua a afirmar que há mais dinheiro para as políticas sociais 
(seguro-desemprego, saúde, emprego, serviços públicos, etc.) . O estado seguro é 
fortemente financiada, enquanto os governos sucessivos détricotent o estado social. 
Enquanto insegurança social é a principal fonte de insegurança para a maioria dos 
citoyen.ne.s deste país, o governo nào tem a intençào de lutar contra a precariedade, a 
pobreza ea exclusào

Ele nào traz golpes paz bombardeiro do mar ou o céu. Você nào defender a liberdade com as 
leis que destroem. Você nào luta a insegurança e de exclusào com o discurso racista. Nào é 
vital para a democracia através da substituiçào de escolas e cuidados de saúde, por .s 
policier.e armas nas ruas.

O governo está usando o medo do terrorismo para a populaçào aceitar as piores medidas de 
segurança e, assim, cortar as liberdades de todos. O estado de emergência permite ao 
governo para restaurar a consistência política quando ele é desafiado por meses para as 
suas políticas anti-sociais. Nào deixá-los calar as mobilizações sociais!

reivindicações:

Ao discurso racista, puniçào coletiva e todos aqueles que tentam nos dividir: a 
solidariedade com os bairros pobres, os racisé.es belgas as migrant.es e nào documentada.
Confrontados com decisões draconianas: Pare as políticas de segurança e leis 
anti-terrorismo. Pare a criminalizaçào dos movimentos sociais.
Para o nosso direito de todos em todos os lugares para viver em paz, pare guerras 
imperialistas nosso governo que alimentam a espiral de violência.
Lutamos para que a riqueza para servir o bem-estar da populaçào, e nào repressào e guerra.

http://www.alternativelibertaire.org/?Bruxelles-communistes-libertaires


More information about the A-infos-pt mailing list